Professores, como vocês fazem falta !

Marcone Oliveira *

“Se as aulas virtuais permitem que os pais fiquem mais tempo ao lado dos filhos, por outro lado permite o distanciamento dos professores”

Eu tenho visto muito os professores dos meus filhos ultimamente. Não pessoalmente, é claro – com a quarentena ele não tem ido à escola há meses. Mas eu os vejo nas aulas on-line, e tem sido uma espiada fascinante nos bastidores.

Embora eu sempre soubesse das capacidades pedagógicas dos professores, antes da pandemia eu achava a sala de aula um enigma, onde deixava o meu filho, ele aprendia as coisas e depois buscava novamente. À medida que o tempo passava, ele subitamente sabia me explicar sobre as leis da biologia e da física, mas eu mesmo não via a fotossíntese sendo feita, nem a maçã caindo do pé para explicar a lei de Newton. Agora tenho visto fotossínteses sendo feitas e maçãs caindo com regularidade na minha sala de jantar.

Com as escolas fechadas em todo o país e milhões de alunos sem aula por causa da civod-19, os professores tão acostumados em dedicar seu tempo ao ensino presencial tiveram que heroicamente se debruçar ao ensino à distância. Se as aulas virtuais permitem que os pais fiquem mais tempo ao lado dos filhos, por outro lado permite o distanciamento dos professores – e isso dói.

Sentimos falta do contato deles, de nos dizer que hoje meu filho foi bem, aprendeu e desenvolveu. Sinto falta das histórias passadas em sala de aula que meus filhos contavam após chegar da escola. Sinto falta de poder ver o processo de construção do ensino deles. Posso dizer até que sinto falta do rosto dos professores.

A maioria dos pais pode estar se perguntando como a pandemia está atingindo meus filhos, mas quem me garante que os professores não estejam se perguntando, como a pandemia pode estar afetando meus alunos? Os professores também tiveram suas vidas reviradas, mas mesmo assim fazem de um tudo para diminuir o agravo.

Eles, é claro, têm melhores ideias. Usam as probabilidades e os fins domésticos para construir as brincadeiras, esconde pistas para construir conhecimentos, imprime fotos para serem coloridas, e mesmo ficando horríveis são capazes de achar aquela beleza oculta, e se necessário ainda imitam o palhaço para que nossos filhos se sintam felizes e por fim aprendam.

Essa semana tive que ir à escola do meu filho para resolver um problema particular e te confesso que senti uma pontada de tristeza ao pensar em todos os adultos inteligentes e criativos ausentes da vida de meus filhos agora. O dia dos professores ainda está longe, eu sei, mas bem que gostaria de poder ir a escola levar um presentinho para eles e se pudesse contaria a eles uma coisa....ahhh... eu diria... Como vocês fazem falta.

* Médico Neuropediatra / www.drmarconeoliveira.com.br
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Lany.dandolini@gmail.com 26 de maio, 2020 | 20:27
" Que texto maravilhoso! Tenho uma única palavra pra descrevê- lo... GRATIDÃO. Gratidão por reconhecer um trabalho que é tão pouco valorizado, gratidão pelas belas palavras, gratidão pelo gesto, gratidão pelo respeito a nós, gratidão!"
Analeia Nascimento 23 de maio, 2020 | 11:27
Lindo texto!!
É gratificante quando reconhecem o trabalho realizado pelos professores. Que diariamente tentam reinventar suas PRÁXIS para que os alunos possam construir um aprendizado de qualidade.
Nelma 23 de maio, 2020 | 09:23
obrigada por esse reconhecimento. Acompanho duas adolescente em casa e imagino como estão nossos alunos com seus responsáveis e dói só de imaginar que cada um tem uma maneira de aprender e como eles estão fazendo? Lembra das carinha de todos os dias lhe chamando oi tia.
Airambr@hotmail.com 23 de maio, 2020 | 00:02
Agradeço por este texto maravilhoso sobre nós professores. Trabalho há 35 anos como professora e é a primeira vez que passamos por uma pandemia e isolamento social. Sinto muita falta dos meus alunos.Tenho um carinho enorme por eles.
Tião Aranha 22 de maio, 2020 | 21:03
O filho do pobre de escola pública, 40%, não tem condição de ter um computador, uma internet de acordo, nem tablete nem celular - nem professor disponível para tirar suas dúvidas em tempo oportuno. Não tem ambiente pra se ter uma boa aprendizagem. Nas escolas da rede privada a história é outra. Logo, para sete estados da federação nem poderá ser contado como tempo letivo. Conclusão: esse isolamento de quarentena aumentará em muito o preconceito que já existe de distanciamento entre ricos e pobres. Aliás, no Egito Antigo o professor, aquela pessoa letrada chamada de escriba, só tinha uma função: que era a de escrever e de consertar a escrita na parede da câmara, ao lado da pintura, onde era sepultado o Faraó - lá no Vale dos Reis. (É só pesquisar).
Dayane Cristina 22 de maio, 2020 | 12:59
Muito lindo ver o reconhecimento e a valorização nas suas palavras, não sou professora dos seus filhos, mas me sinto homenageada. Como sinto falta dos meus alunos, falta até de chamar a atenção deles kkk, falta da convivência, do aprendizado mútuo...
Meire Poliana Figueiredo 22 de maio, 2020 | 11:14
E pode ter certeza que não está sendo fácil para os professores, eles também estão sentindo muita falta desse contato e carinho com seus alunos. Admiro muito seu trabalho Dr.Marcone, parabéns!
Vânia 22 de maio, 2020 | 09:43
Obrigada pelas lindas palavras!!! Sou professora há 26 anos e estou sentindo muita falta dos meus queridos alunos; eles fazem nossos dias agitados, coloridos, calorosos!! Cada sorriso, abraço, oi e até amanhã tem feito muita falta nesses dias!!! Há um vazio que só eles conseguem preencher!! Mas, vamos nos resguardar para que em breve possamos estar juntos novamente e matar toda saudade!!!
Gildázio Garcia Vitor 22 de maio, 2020 | 09:17
Em mais de 37 anos dedicados ao Magistério, sempre dentro das salas de aulas, ninguém nunca conseguiu expressar para mim, com tanta verdade e carinho, o valor relativo dos professores na vida dos alunos e de suas famílias. Coisa de quem entende dos meandros do cérebro humano. Obrigado Doutor!
Alan 22 de maio, 2020 | 02:03
Que texto carinhoso! Acho que foi o primeiro que li nessa linha desde que as aulas presenciais pararam. Agradeço ao autor pelas palavras! Deus o abençoe!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO