20 de maio, de 2020 | 14:40

Mais da metade dos pequenos negócios mineiros que tentou pegar crédito tiveram o pedido negado

De acordo com o estudo, em Minas Gerais, 31% das empresas buscaram empréstimos desde o início da pandemia

Divulgação
Pesquisa do Sebrae mostra que a crise tem levado um número maior de empresários a buscarem empréstimos para manterem os negóciosPesquisa do Sebrae mostra que a crise tem levado um número maior de empresários a buscarem empréstimos para manterem os negócios

Mais 50% dos pequenos negócios mineiros que buscaram empréstimos bancários não conseguiram o crédito. Entre os principais motivos apontados estão o excesso de burocracia e a falta de garantias por parte das pequenas empresas. É o que mostra a pesquisa O Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, entre os dias 30 de abril e 5 de maio.

De acordo com o estudo, em Minas Gerais, 31% das empresas buscaram empréstimos desde o início da pandemia. Dessas, mais de 90% recorreram aos bancos, entre eles: Caixa Econômica Federal (37%), Itaú (22%), Banco do Brasil (22%), Santander (18,8%) e Bradesco (13%).

Das empresas mineiras que optaram pelo crédito bancário, 56% não conseguiram o empréstimo. Já 22% dos entrevistados ainda aguardam uma resposta dos bancos. “O empresário deve lembrar que ter um histórico positivo e um bom relacionamento nas instituições financeiras são alguns dos fatores que facilitam a aprovação de empréstimos e financiamentos”, explica o gerente do Sebrae Minas, Alessandro Chaves.

Já as empresas mineiras que não conseguiram o empréstimo, as principais alegações foram a falta de garantias ou avalistas (14% dos entrevistados) e a negativação da empresa no CADIN/Serasa (14% dos entrevistados). Por outro lado, 13% dos mineiros optaram por não adquirirem o crédito por considerarem as taxas de juros oferecidas pelos bancos muito altas para a capacidade de pagamento da empresa. Outros 7% não conseguiram nem mesmo aprovar o cadastro, ou seja, não entregaram as certidões e documentos exigidos pelos bancos.

“O Sebrae tem trabalhado para ampliar o volume de instituições parceiras para a operação do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Hoje, em Minas Gerais, temos a Caixa, BDMG, Santander (franquias) e Bradesco (franquias) atuando em parceria nesta ação. Nossa intenção é estender este benefício para um maior número de pequenos negócios mineiros”, conta o gerente.

Para não ficar no vermelho

O Sebrae Minas lembra que antes de buscar um empréstimo, é importante que os empresários tomem alguns cuidados para evitar a inadimplência ou o aumento das dívidas futuras. “O primeiro passo para a obtenção de empréstimos é planejar seu fluxo de caixa. Coloque no papel todos os gastos com a devida justificativa. Depois, verifique se há outros recursos que podem ajudar no pagamento das dívidas. Se necessário, venda veículos, queime estoques ou se desfaça de maquinários”, diz Chaves.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário