Teich pede demissão do Ministério da Saúde

O general Eduardo Pazuello assumiu interinamente o comando da Saúde

Marcello Casal /Agência Brasil


A saída de Teich do Ministério da Saúde já era esperada

O ministro da Saúde, Nelson Teich, pediu demissão na manhã dessa sexta-feira (15), como já era esperado. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde, em nota.

Ao longo da semana Teich passou a ser visto como fantoche para as ações de Jair Messias Bolsonaro, que entregou a pasta aos militares.

Teich não chegou a completar um mês no cargo — assumiu a pasta em 17 de abril. O general Eduardo Pazuello assumiu interinamente o comando da Saúde.

O ministro pediu demissão após ser pressionado por Bolsonaro a mudar o protocolo do Ministério da Saúde sobre o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19.

Também incomodou Teich o fato de Bolsonaro tomar decisões relacionadas à saúde sem consultar o ministro. Na segunda-feira (11), Teich descobriu pela imprensa que o presidente havia colocado academias, salões e barbearia na lista de serviços essenciais.

Boquiaberto diante da pergunta de jornalistas, o ministro ficou sem saber o que responder e, por fim, afirmou que era um atribuição do presidente e do Ministério da Economia.

Divergência no uso da cloroquina

Nelson Teich afirmou que hoje é o dia “mais triste de sua vida” e mais uma vez se colocou contra propostas do presidente Jair Bolsonaro para enfrentar a pandemia do coronavírus.

“Não vou manchar a minha história por causa da cloroquina”, afirmou, de acordo com a CNN Brasil. O encontro com o presidente, quando foi apresentado o pedido de demissão ocorreu fora da agenda oficial e durou apenas 15 minutos.

Contando com a demissão de Teich a qualquer momento pela discordância em relação ao uso da cloroquina para tratamento da Covid-19, Jair Bolsonaro já tinha acertado com o general Eduardo Pazuello para que assumisse o Ministério da Saúde. Pazuello estava como o número 2 da pasta para tutelar o ministro.

Teich se colocou na linha de tiro após divulgar tuítes que prega cautela no uso de cloroquina para tratamento do coronavírus. Contrariado, Bolsonaro desautorizou publicamente o ministro e marcou uma reunião fora da agenda na quinta-feira (14) para falar sobre o assunto.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Isaac Júnior 17 de maio, 2020 | 16:20
O uso do medicamento cloroquina em larga escala foi o pivô do que causou a demissão de teich no governo Bolsonaro.
Paulo 15 de maio, 2020 | 21:48
Até quando vamos viver esse pesadelo. O nosso país sendo achincalhado mundo inteiro. Ainda governado por alguém que é considerado o pior lider do mundo. O Brasil não merece isto! #foraaloucura.
Carlos Alberto 15 de maio, 2020 | 14:17
Meu presidente Bolsonaro estamos juntos sempre. Parabéns por esse ato de responsabilidade de demitir esse ministro, não correspondeu, fora. No governo, somente quem está comprometido com o povo, não com seus próprios interesses ou outros
Lu 15 de maio, 2020 | 13:09
Ele tá certo. Porque este presidente do Brasil e um tirano

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO