Consumidor em MG paga 13 centavos a mais do que deveria de imposto no litro da gasolina

Quem abastece o veículo em Minas Gerais sabe que a gasolina revendida no estado é uma das mais caras em todo o Brasil. Isso ocorre basicamente por dois motivos: o Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente nos combustíveis revendidos em território mineiro tem uma das maiores alíquotas do país, além da majoração, pelo Governo do Estado, no preço de referência utilizado para a cobrança deste tributo. A informação é do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais (Minaspetro).

Conforme a entidade, a definição do valor total de ICMS incidente no litro do combustível ocorre por meio da publicação quinzenal do Ato Cotepe/PMPF, documento editado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) a partir da apuração de todas as secretarias de fazenda estaduais e do Distrito Federal do preço médio dos combustíveis comercializados nas respectivas Unidades Federativas.

Ainda que esse levantamento individual dos estados tenha como premissa refletir o preço médio e, assim, cobrar o ICMS nos combustíveis, há uma grande distorção entre a realidade e o que é praticado, conforme mostra recente levantamento da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis).

No caso de Minas Gerais, o estudo apontou uma distorção de 10,9% entre o valor cobrado a partir do PMPF e o preço médio apurado pelo órgão regulador do setor, a Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre os dias 3 e 9 de maio de 2020.

De acordo com o presidente do Minaspetro, Carlos Guimarães, há vários anos os consumidores em MG são sobretaxados da gasolina. “Nossa luta tem sido para mostrar ao governador que o preço que é utilizado como referência não reflete a realidade do valor pago pela população do estado. Não estamos pedindo baixa na alíquota neste momento, apenas que o Estado seja coerente em sua tributação”, salienta.

Em termos práticos, o valor do litro da gasolina fica R$ 0,1357 mais caro com essa tributação adicional praticada pelo Estado de Minas Gerais, que também impacta os outros combustíveis revendidos no Estado, conforme mostra a tabela baixo:


*Conforme pesquisa de preços da ANP no período de 3 a 9 de maio de 2020. www.preco.anp.gov.br.

Neste sentido, o Minaspetro, enquanto representante dos 4,5 mil postos revendedores de combustíveis no Estado, torna novamente pública a insatisfação do setor em relação à alta tributação incidente sobre os combustíveis, que faz com que os consumidores de Minas Gerais paguem um dos preços mais altos da gasolina no país.

Por fim, o Minaspetro ressalta que os postos, sendo o último e mais visado elo no segmento de distribuição e revenda, dependem de decisões e repasses – caso estes aconteçam – por parte dos outros agentes do setor; ou seja, governo, refinarias, usinas de etanol e companhias distribuidoras.

O Sindicato não estima o período para que determinadas baixas ou altas de preço dos combustíveis nas refinarias, aumento de impostos e/ou quaisquer decisões políticas ou de cunho comercial tenham impacto direto nas bombas, pois:

1. Não é o papel sindical da instituição;

2. Não fazemos, junto aos postos, pesquisas de preço, estoque, volume de compra ou qualquer outra informação de cunho comercial;

3. Não existe tabelamento no setor, portanto o mercado de combustíveis é livre. Cada empresário define seu preço de venda, que varia de acordo com inúmeros fatores, tais como estratégias comerciais, localização, concorrência, entre outros.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO