Deputado estadual protocola pedido na Cemig para recálculo de contas

Arquivo pessoal


Rafael Martins alega que tais aumentos na conta de energia elétrica não condizem com momento de pandemia

Para que as duas últimas contas de energia elétrica sejam recalculadas, o deputado estadual Rafael Martins (PSD) protocolou um pedido na Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). O parlamentar também solicitou que isso ocorra em caráter de urgência.

Em nota publicada nas mídias sociais, o deputado pediu que seja feito o recálculo no valor das contas de energia elétrica referentes aos meses de março e abril, que tenha excedido em mais de 50% o valor cobrado no mês anterior e o que o resultado seja informado ao titular da ligação. “Na condição de consumidor e também de presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia, não vou me cansar de combater esses abusos em Minas Gerais. Temos de dar um basta nisso. A Cemig está afastada da realidade do povo mineiro. Sensibilidade numa hora como essa é indispensável”, afirmou.

No documento protocolado, o deputado afirma que tomou essa iniciativa após explicações e dados apresentados pelo presidente da Cemig, Reynaldo Filho, em uma reunião especial do plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que ocorreu no dia 6 deste mês, quando diversos parlamentares apresentaram questionamentos relativos às reclamações de clientes da empresa sobre a elevação do valor cobrado em suas contas de energia elétrica. “Tais alterações não condizem com o simples fato de as pessoas estarem em casa neste momento de pandemia, em especial em casos de residências que não tiveram alteração do número de pessoas e nem mesmo da rotina dos moradores”, pontuou Rafael Martins.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Oliveira 15 de maio, 2020 | 13:57
Senhor deputado, porque não atacar o cerne do problema? O ICMS cobrado da classe residencial é de 44% devido a forma que é feita o cálculo. Apesar de ser declarado na conta de energia o valor de 30%. No total, os tributos totais chegam a cerca de 54%. Isso pode senhor deputado?
Josimar 15 de maio, 2020 | 11:05
Joanas faltou falar do gás, internet, telefonia, tv via satélite. Em suma somos explorados por empresários, estado, municípios.
Joanas 14 de maio, 2020 | 16:31
No estado de minas os abusos esta em todas as tarifas como cemig .pior ainda a copasa .combustiveis.algumas cidades iptu abusivo e a qualidade de vida em minas deixa muito a desajar.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO