CBF destina R$ 19 milhões a clubes e federações

O repasse às federações é de R$ 3,24 milhões, sendo R$ 120 mil por entidade estadual

Divulgação Santa Cruz


Verba será direcionada a equipes das Séries C e D do Campeonato Brasileiro, A1 e A2 do Brasileiro Feminino e para 27 federações estaduais

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) destinará R$ 19,1 milhões a clubes que disputam as Séries C e D do Campeonato Brasileiro, A1 e A2 do Brasileiro Feminino, e também para as 27 federações estaduais. Segundo a entidade, 140 equipes serão beneficiadas com o repasse para "cumprir seus compromissos com os jogadores e jogadoras durante o período de paralisação do futebol" em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O repasse às federações é de R$ 3,24 milhões, sendo R$ 120 mil por entidade estadual. Já o auxílio aos times é equivalente a duas vezes a folha salarial média dos atletas por divisão, conforme o sistema de registro de contrato da CBF.

A distribuição

Série C: R$ 4 milhões para 68 clubes - R$ 200 mil por clube
Série D: R$ 8,16 milhões para 20 clubes - R$ 120 mil por clube
A1 Feminina: R$ 1,92 milhão para 16 clubes - R$ 120 mil por clube
A2 Feminina: R$ 1,8 milhão para 36 clubes - R$ 50 mil por clube

Medida

"O Romeu (Castro), que é supervisor do futebol feminino (na CBF) nos procurou e viu a situação dos times. Honestamente, tenho certeza que muitas pessoas pensaram que a CBF não iria ajudar, mas essa gestão tem sido muito responsável com a modalidade. O valor, claro, não soluciona todos os problemas das equipes, mas ajuda bastante", analisa Lauro Tentardini, diretor do Iranduba, um dos clubes da primeira divisão do Brasileiro Feminino.

A medida se dá uma semana após capitães dos times das Séries C e D pedirem, em carta, apoio financeiro para as agremiações terem como honrar os salários em meio à paralisação. No ano passado, a CBF anunciou uma receita de R$ 957 milhões - quase R$ 300 milhões a mais que em 2018 - e superávit de R$ 190 milhões. "Diferentemente das Séries A e B, as equipes da nossa divisão não recebem cota, somente o apoio logístico, que a gente cita e agradece. É uma iniciativa de união, com anuência dos presidentes e dos clubes, devido ao impacto econômico da pandemia", explicou o zagueiro Danny Moraes, do Santa Cruz, da Série C, antes da CBF anunciar o repasse.

Sobre a outra demanda dos times da quarta divisão (manutenção da fórmula de disputa definida para 2020), a entidade esperará o retorno das atividades para decidir.

Isenção de taxas

Na última sexta-feira (3), a CBF anunciou a isenção de taxas relativas ao registro de contratos e à transferência de atletas por tempo indeterminado. Segundo a entidade, os clubes terão uma economia de R$ 4 milhões nos primeiros três meses de aplicação. A confederação também adiantou uma parcela de R$ 600 mil referente aos direitos de TV a cada time da Série B e R$ 900 mil de taxa de arbitragem aos 479 árbitros do quadro - a estimativa, porém, é que cerca de 10 mil pessoas atuem na atividade em ligas, federações e organizações amadoras pelo país.

As Séries A, B, C e D ainda não têm previsão de início. Já os torneios nacionais em andamento (Brasileiros Feminino e Copa do Brasil, por exemplo) estão paralisados e, por enquanto, sem retorno confirmado, assim como os campeonatos estaduais (exceto o Amazonense, cancelado). A incerteza sobre a continuidade dos regionais preocupa mais de 80% dos clubes do país, que têm essas competições como a principal - às vezes, a única - da temporada.

Centenas de clubes aguardam ajuda

A medida da CBF de contribuir com os clubes brasileiros deixa de fora outras centenas de agremiações país afora. Como os R$ 19,1 milhões serão destinados a quem disputa alguma das séries dos campeonatos nacionais, ficaram de fora as equipes que estão nas divisões das competições estaduais, e que já enfrentam problemas financeiros.
Um dos clubes que não será beneficiado pela CBF é o Ipatinga, que disputa neste ano o Módulo B do Campeonato Mineiro. O Tigre e diversas outras equipes ainda aguardam apoio da entidade máxima do futebol brasileiro
Devido às dificuldades financeiras agravadas com a paralisação do futebol, praticamente todas as equipes estão com salários atrasados e outras já optaram por demitir elenco e comissão técnica, como Villa Nova e Uberlândia. (Agência Brasil)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO