Denúncias de violência contra a mulher cresceram 9%, diz ministra

Aplicativo para smartphone também receberá notificações de violência

Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil
O isolamento social recomendado pelo Ministério da Saúde e determinado pelos governos estaduais, para conter o avanço do novo coronavírus, deve aumentar os casos de violência doméstica contra a mulher no país, disse ontem (2) a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, a ministra afirmou que, de acordo com dados do Ligue 180, houve um aumento de 9% no volume de denúncias na semana passada, na comparação com a semana anterior. Segundo ela, o aumento da violência é uma tendência mundial com mais gente permanecendo em casa.

"Nos preocupa muito a expectativa do aumento da violência contra a mulher, o que já aconteceu em outros países, especialmente os países da Europa", disse.

Segundo a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), a média diária entre os dias 1 e 16 de março foi de 3.045 ligações recebidas e 829 denúncias registradas, contra 3.303 ligações recebidas e 978 denúncias registradas entre 17 e 25 do mesmo mês, um aumento percentual de 8,47%.

Aplicativo para denúncia

Damares Alves também anunciou, durante a coletiva, o lançamento de um aplicativo de smartphone para o recebimento de denúncias, tanto do Disque 180, quanto do Disque 100.

A ideia, segundo a ministra, é enfrentar um dos fenômenos observados em outros países que também passam por período de confinamento: com agressores e vítimas sob o mesmo teto 24 horas por dia, a busca por canais de denúncia via telefone tende a diminuir, uma vez que a pessoa agredida não consegue pedir ajuda reservadamente.

"Acreditamos que dessa forma, a pessoa mesmo dentro de casa, poderá ir para um cantinho, um banheiro, mesmo com o agressor dentro de casa, e fazer a sua denúncia".

Batizado de Direitos Humanos BR, o aplicativo está disponível para os sistemas Android e IOS e apresenta um passo a passo completo para que o denunciante registre a reclamação de maneira prática e segura.

Após fazer um breve cadastro, o denunciante pode registrar violências contra mulheres, crianças ou adolescentes, pessoas idosas, pessoas com deficiência e outros grupos sociais. Há a opção de anexar arquivos, como fotos e vídeos.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Isaac Júnior 19 de maio, 2020 | 17:53
Aumenta o número de violência doméstica neste período de quarentena muitas mulheres são agredidas por homens que um dia jurou amor eterno. São agredidas por seus companheiros seja por ciúmes, ou por que não consegue aceitar o fim do relacionamento, ou por falta de renda em casa devido a quarentena. Muitas mulheres são agredidas mas têm medo de denunciar,
com esperança que ele possa mudar só que não é verdade. Se você mulher sofrer alguma agressão, procure a delegacia da mulher, mais próxima da sua casa para ver se você consegue uma medida protetiva.Porque se tiver medo hoje pode ser uma agressão, amanhã outra é Deus me livre e me guarde pode virar crime de feminicidio. Então não tenha medo denuncie disk:180 ou 100.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO