Usiminas irá adotar turno de 12 horas

Medida temporária pretende evitar aglomerações nas áreas da empresa

Arquivo DA


Conforme informações do sindicato, novo esquema de trabalho entra em vigor no sábado
(Bruna Lage - Repórter do Diário do Aço)
A Usiminas irá adotar um novo horário de trabalho a partir deste sábado (28), mas de forma temporária. Em razão dos efeitos do novo coronavírus (Covid-19), medidas para evitar aglomerações têm sido tomadas e a tabela de turno de 12 horas passará a vigorar por três meses, reduzindo a circulação de trabalhadores nas áreas. A situação pode ser prolongada, caso a pandemia persista. O acordo entre a empresa e o sindicato que representa os trabalhadores foi acertado no fim da tarde de quarta-feira (25).

Na tabela atual, são trabalhados seis dias de 7h as 15h, três 15h as 23h e três dias de zero hora, que é o período de 23h as 7h, com folgas entre eles, com no máximo dois dias inteiros de duração. No dia 17 de março, após assembleia promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Metalúrgicos de Ipatinga e Região (Sindipa), os empregados da Usiminas votaram e optaram por não renovar a atual tabela de turno pelo período de seis meses. O horário deve voltar a ser assunto nos próximos meses, assim que o transtorno causado pelo coronavírus for amenizado.

Folgas

Com o esquema que entra em vigor, os trabalhadores terão folgas de até oito dias, dentro dos revezamentos das equipes. Responsável pelo Sindicato dos Técnicos (Sintec) no Vale do Aço, Walace Caldeira pontua o que foi definido. Por meio de mediação online, junto ao Ministério Público do Trabalho, em conjunto com representantes da Usiminas, Unigal, Usiroll, Sindica dos Engenheiros e Sindipa, ficou compreendida a ansiedade dos empregados em mudar o horário atual, para um que pudessem ter um tempo maior com suas famílias, nesse período de coronavírus.

“Foi apresentada então uma tabela de turno de 12 horas. Com ela, iremos atender algumas medidas impostas pela Organização Mundial da Saúde. A implantação será imediata, ficando as empresas com o dever de operacionalizar esse horário o mais breve possível. O Sintec segue na luta pelos interesses dos representados”, afirmou.

Por sua vez o presidente do Sindipa, Geraldo Magela, salientou que a Usiminas apresentou essa tabela justificando que irá tirar da área 25% dos trabalhadores. Ele pontua que na tabela atual rodam três letras/equipes por dia, num turno de 8 horas. Na proposta, duas turmas irão rodar.

Atualmente são quatro turmas e uma fica de folga. Na proposta da empresa serão quatro turmas também, porém duas trabalham e duas ficam de folga. “Realmente na troca, no revezamento, diminuiu o número de trabalhadores na área da Usiminas. O Ministério Público do Trabalho topou fazer mediação e concordou em firmar um acordo por três meses. O que está garantido nessa tabela, de bom ou de ruim para os trabalhadores, é durante a pandemia. A gente continua negociando, esse vai ser um momento de teste.”, defende.

Magela salienta que ainda não sabe como os trabalhadores irão reagir à medida, já que a jornada de 12 horas é longa e a folga continua pequena nos intervalos. “Mas ter a folga prolongada é muito bom. Será implantado a qualquer momento, até o dia 30 de junho. Lá pelo mês de maio ou junho, vamos por em apreciação dos trabalhadores, para ver o que conseguimos negociar para um acordo por um tempo maior, de seis meses, um ano ou dois anos. Por ora é isso que está colocado”, detalhou o presidente do Sindipa.

Empresa

Por meio de nota, a Usiminas informou, na noite de quinta-feira (26) que, em mais uma iniciativa de prevenção ao coronavírus, acordou com os sindicatos dos trabalhadores e com o Ministério Público do Trabalho alterações em sua escala de turnos. “A mudança é temporária e visa reduzir, ainda mais, o fluxo de pessoas na Usina de Ipatinga. A companhia está realizando os ajustes necessários para que a nova tabela possa ser aplicada o mais rapidamente possível", assegurou.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Eu 29 de março, 2020 | 00:09
A Aperam, bem que poderia fazer isto também!!!
Agenor 28 de março, 2020 | 11:07
Só aguardem as demissões que irão ocorrer com desculpa de fluxo. A Usiminas adora fazer isso. Empresa charlatã.
Adora demitir, não contrata, e quando contrata é com um salário ridículo que não é bem a sombra do que já foi um dia.
Marcelo Oliveira 27 de março, 2020 | 21:40
Só assim para uma turma que acredita ser dono da Usiminas sair circulação, senhores aposentados, com mais de 60 anos e tirando oportunidade dos jovens ingressarem no mercado de trabalho.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO