Aciapi e CDL defendem a retomada das atividades no comércio de Ipatinga

Wôlmer Ezequiel


Cláudio Zambaldi enfatizou que a retomada das atividades dos comércios pode ocorrer obedecendo rigorosamente a orientações das autoridades da área da saúde

A Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Prestação de Serviços de Ipatinga (Aciapi) e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Ipatinga informam que não concordaram com a reedição do Decreto Municipal que prorroga o fechamento horizontal do comércio no município por tempo indeterminado. Essa decisão foi tomada na reunião do Comitê Gestor da Crise, realizada na tarde de quarta-feira (25), na Prefeitura de Ipatinga.

Na reunião, o presidente da Aciapi, Cláudio Zambaldi, em nome dos empresários, expôs sua posição de que a reabertura ocorresse ao fim do prazo determinado pelo Decreto Municipal 9.281/2020, ou seja, a volta ao trabalho na terça-feira (31).

Ele ainda enfatizou que a retomada das atividades dos comércios atacadista e varejista pode ocorrer obedecendo rigorosamente a orientações das autoridades da área da saúde para restrição de aglomeração de pessoas dentro das lojas, higienização nas entradas das mesmas e outras ordens que se fizerem necessárias para a prevenção da proliferação do novo coronavírus (Covid-19).

“O início do mês se aproxima. É o período em que vencem inúmeros compromissos, incluindo os salários dos funcionários, e sem funcionar não há como quitar essas obrigações. Entendemos que o momento é de extrema gravidade e que a saúde da população deve receber atenção, porém, novamente a ‘conta’ está recaindo sobre um setor vital da economia, que gera milhares de empregos em nossa cidade e não recebe qualquer perspectiva de retomada das atividades. Não há como ‘matar’ as empresas e, por conseguinte, deixar empregados, fornecedores e demais parceiros sem perspectivas de recebimento. O caos estaria instalado”, afirmou Cláudio Zambaldi.

O presidente da Aciapi também destacou que o momento atual requer atenção. “Já estamos fazendo a nossa parte, fechados há uma semana, e ao fim do decreto já serão dez dias. Mais do que isto é injusto. Sempre primamos nossa atuação pelo equilíbrio, pelo bom senso e sensatez. Rogamos aos gestores do município e ao Comitê Gestor da Crise que estes pilares norteiem suas decisões, para evitar um colapso em nossa sociedade como um todo”, pontuou.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Kira Lopes Amorim 28 de março, 2020 | 10:59
Essa cidade vive do comércio como será quando todos estiverem desempregados? Essa loucura coletiva por causa de uma gripe que atinge mais os idosos é ridícula se vc tiver que morrer de Corona vírus vai morrer mesmo preso em casa num balde de álcool gel pq ninguém foge da morte
Valéria 27 de março, 2020 | 20:44
Sem dúvidas estamos diante de duas guerras, porém não temos como vencê-las de uma só vez , primeiro se faz necessário salvar vidas , mesmo porque mortos não comem, não bebem muito menos pagam contas . Ainda com todo protocolo irá morrer muita gente , pena que muita gente prefere ver pra crê.Depois do colapso não adiantará ficar em casa , já era !
Gleicy Schneider Nobre de Sousa 27 de março, 2020 | 18:15
Sou trabalhdora do comércio informal. Não tenho outra fonte de renda! Mas mais importante que dinheiro é a saúde dos meus filhos e dos meus pais! Se tiver só arroz e feijão, ou só angu pra comer, está ótimo se for pra proteger minha família. Deus não perdeu o controle.
Gleicy Schneider Nobre de Sousa 27 de março, 2020 | 18:13
Sou trabalhdora do comércio informal. Não tenho outra fonte de renda! Mas mais importante que dinheiro é a saúde dos meus filhos e dos meus pais! Se tiver só arroz e feijão, ou só angu pra comer, está ótimo se for pra proteger minha família. Deus não perdeu o controle.
Manuel 27 de março, 2020 | 15:30
Neste momento a pandemia esta em alta ...em pico, o correto seia esperar o pico da um descida, cair os casos de contaminados, depois a poderia pensar em abrir..porque nos proximos dias teremos uma numero muito de casos, e com o vomercio aberto, so Deus sabe.
Bolsomito Falo Mermo 27 de março, 2020 | 14:01
QUEM ESTÁ CONTRA O RETORNO DA ABERTURA DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS EM HORÁRIO ESPECIAL,FAVOR ENVIAR CESTAS BÁSICAS,GÁS E RECOLHER AS CONTAS DE ÁGUA E LUZ DOS QUE TRABALHAM POR CONTA PROPIÁ E PARA OS FUNCIONÁRIOS DOS COMÉRCIOS PARA NÃO PASSAREM FOME!PORQUE ATÉ AGORA O GOVERNO SÓ FALOU EM AJUDA E NÃO FEZ NADA,OS ARMÁRIOS ESTÃO ESVAZIANDO MINHA GENTE!!!VOCÊ QUE É SUSTENTADO POR APOSENTADO CUIDADO,POIS O SALARIO DELE É PAGO PELA ARRECADAÇÃO DA PREVIDÊNCIA E A ECONOMIA ESTÁ PARADA...VOCÊ QUE ESTA DE BOA EM CASA COM ALGUÉM TE BANCANDO E ACHANDO QUE ESTÁ DE FERIAS FICA ESPERTO!IDOSOS E GRUPO DE RISCO EU CONCORDO EM CONTINUAR ISOLAMENTO.
Rick 27 de março, 2020 | 13:23
M E R C E N Á R I O S
Zé das Couve 27 de março, 2020 | 12:47
É de fundamental importância a prevenção, mas Fabriciano é uma cidade cujo a maior parte da receita é o comercia. É necessário haver produção e consumo para haver hospitais públicos. O desemprego, inflação que irá assolar o país após o corona é sem tamanho. Não somos os EUA e Europa para ficar em casa. São dois lados e duas moedas ....
Marcelo Farineli 27 de março, 2020 | 11:20
Os trabalhadores da Usiminas, Aperam e supermercados são imunes ao vírus? Só pode.
Vanderson Lage de Sá 27 de março, 2020 | 09:36
Atenção trabalhadores. Faça uso dos seus direitos olha o que a clt diz Art. 486 - No caso de paralisação temporária ou definitiva do trabalho, motivada por ato de autoridade municipal, estadual ou federal, ou pela promulgação de lei ou resolução que impossibilite a continuação da atividade, prevalecerá o pagamento da indenização, que ficará a cargo do governo responsável. (Redação dada pela Lei nº 1.530, de 26.12.1951)
Indignado 27 de março, 2020 | 07:36
Veja no que a CLT diz sobre a paralisação do comércio:

Art. 486 - No caso de paralisação temporária ou definitiva do trabalho, motivada por ato de autoridade municipal, estadual ou federal, ou pela promulgação de lei ou resolução que impossibilite a continuação da atividade, prevalecerá o pagamento da indenização, que ficará a cargo do governo responsável. (Redação dada pela Lei nº 1.530, de 26.12.1951)
Xinforimpula 27 de março, 2020 | 07:32
As medidas são necessárias a contenção do vírus. Mas mesmo com as determinações impostas pelo decreto, o comércio está abrindo do mesmo jeito. Tem gente que não tá ligando pro que tá acontecendo. E a fiscalização que dizem estar fazendo, areia pura, estão nada. Essa ouvidoria da prefeitura está surda, só pode.
Marcos Vinicius 27 de março, 2020 | 00:30
No estado de São Paulo morrem por dia 35 pacientes devido a pneumonia.Sempre foi assim.Isso nunca gerou comoção e nem paralisação da atividade econômica.Há um complô para quebrar o Brasil ou para destituir alguem do poder.
Leila 26 de março, 2020 | 23:49
Engraçado que a Usiminas e outras continuam funcionando. Estão imune???
Maria Maria 26 de março, 2020 | 23:29
Este povo dono do comércio só pensa no bolso deles já que quer tanto o comércio aberto coloca a família dele mulher filhos para trabalhar será que não tá entendendo da gravidade não será que não está vendo não com o comércio aberto vcs vão mata gente pq vcs tem pais filhos avós etc.. mais não o dinheiro fala mais alto sobre as conta todos tem e todos pagarão trabalhar no hospital daqui a situação está feia só que ninguém acredita nisso lamentável
Voz do Povo 26 de março, 2020 | 23:00
Gostaria que a prefeitura fala se ao povo:
1) Como está a situação a pessoa infectada da cidade?
2) Porque foi feito exames em apenas 40 pessoas já que a situação é de risco?
3) Como ficará a situação daqueles que não tem dinheiro poupado quando faltar as coisas?
A prevenção não está apenas em ficar em casa a prevenção está principalmente na higienização é só ouvir especialistas.
Chega de promoção pessoal em cima desse vírus, chega de politicagem. Por favor sejam verdadeiros.
José Carlos Viana 26 de março, 2020 | 22:50
Gostaria de saber como a Prefeitura vai pagar os servidores municipais se não tem arrecadação com comercio e industrias fechadas.
Patricia 26 de março, 2020 | 22:34
Moro aqui em Ipatinga-MG tem dois meses e sei como essa epidemia tem matado várias pessoas no mundo todo,nasci no Rio de janeiro e sei que temos o maior centro de estudo na fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com infectologistas maravilhosos que estão trabalhando dia e noite para descobrir uma vacina .Sei que precisamos voltar a trabalhar porque temos contas para serem pagas,comida para colocar na mesa para nossos filhos,mas se nós trabalhadores morrer com esse vírus na outra semana tem outro empregado no nosso lugar trabalhando e nossa família chorando por não poder nem ir no enterro, já dei meu sangue no trabalho nos correios,na CEDAE (companhia de água e esgoto sanitário) no Rio de janeiro e hoje estou sem trabalhar por enquanto ... A CEDAE privatizou o atendimento ao cliente e eu não quis ficar porque trabalhava em área de risco e se eu estivesse trabalhando lá pegaria atestado médico porque nunca iria colocar a minha vida e nem das pessoas em risco pela CEDAE- O patrão é rico não coloca a cara pra bater somos nós os buchas e no final não temos calor ..
Orlando Arruda 26 de março, 2020 | 22:32
Se a Aciap e o CDL se responsabilizarem por TODAS as consequências da sua proposta, podemos aceitar.
Paulo 26 de março, 2020 | 21:14
A Itália é logo ali. Na guerra so funciona o que é essencial o resto vai pra batalha. Mesmo se abrir.#fiqueemcasa.
Ligia 26 de março, 2020 | 20:46
Eu não faço parte desta parte citada de " dirigentes",mas já estou sofrendo o reflexo dessa paralização. Se continuar por mais uma semana,terei que demitir funcionário,pois não dá pra pagar o salário integral e arcar com os demais obrigações.
Não nasci em berço de ouro eu e meu esposo fazemos do nosso dia um grande esforço para sustentar minha família com dignidade ( 4 filhas). Elas estão em casa,mas no final do dia,elas me perguntam: mãe o que vamos jantar hoje.
Sem trabalho,sem dinheiro,sem comida.
Mauro 26 de março, 2020 | 20:23
Quem não queira trabalhar fica em casa, alguém tem que ir a luta...afinal nós não comemos capim....
Emerson 26 de março, 2020 | 20:15
Sabe quando que esses dirigentes e Lojistas terão a noção da consequência desses seus atos , quando os seus parentes mais queridos, pais avós, tios avós já não estiverem mais aqui pois se contaminaram com esse vírus que está dizimando a população das pessoas mais velhas e só assim poderão reconhecer que é isso não é brincadeira. Isso é uma epidemia muito grave que causa mortes e mais mortes.
Alfa Linhares Carlesso 26 de março, 2020 | 19:09
Quero ver quantos desses dirigentes estarão atendendo clientes em seus estabelecimentos. Com certeza, estarão escondidos em casa e seus funcionários se infectando e levando para suas famílias. Quero ver se permitirão seus filhos indo pra escola de vans,brincando com outras crianças cujos pais e avós fizeram compras nas feiras livres, no comércio que eles abriram.
Quando o lucro fala mais alto que as vidas das pessoas. Aliás, esse pessoal é da turma que se diz gente de bem. Que carrega bíblia debaixo do braço, come hostia e despreza quem não lhes enchem o bolso.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO