"Bang Bang", um faroeste animado

Relembrando uma novela que tinha uma proposta diferente e o Velho Oeste era o cenário

Escrita pelo novelista mineiro Mário Prata, “Bang Bang”, teve as primeiras cenas gravadas no Deserto de Atacama, no Chile. Na trama, Albuquerque é uma pequena cidade do Velho Oeste. Tem uma rua principal, um ‘saloon’, uma cadeia e muitas histórias.

Na lembrança, uma chacina ocorrida 20 anos antes atormenta seus habitantes. Ben Silver (Bruno Garcia) tinha oito anos quando perdeu a família, e cresceu carregando o desejo de vingança. Da tragédia sobrou um nome: Paul Bullock (Mauro Mendonça).

GB Edições


Bruno Garcia interpretou Ben Silver, um forasteiro que guardava um segredo do passado no coração
O que ele não poderia imaginar é que se apaixonaria justamente pela filha de seu maior inimigo. Uma carona na diligência de Diana (Fernanda Lima) foi o bastante.

Mas como escolher entre o plano há muito traçado e o amor que irrompe no peito? Como lidar com sua terra natal transformada pelo tempo? Décadas depois, no final do Século XIX, Albuquerque vive relativamente em paz, dominada por duas famílias rivais: os Bullock, criadores de gado, e os McGold, donos de uma mina de ouro.

John McGold, o xerife, garante o bem estar da população e é um grande defensor da lei. A crença na justiça dura até o último dia de sua vida, fatalmente a data exata em que o forasteiro Ben retorna à cidade, em meio ao caos, trazendo na mala poucas e fortes recordações.

No destino, uma história para ser vivida em Albuquerque. A novela estreou em outubro de 2005 e teve 173 capítulos, ficando no ar até abril de 2006.

No elenco estavam Marco Ricca, Giulia Gam, Cosme dos Santos, Guilherme Fontes, Danielle Suzuki, Babi Xavier, Tati Monteiro, Paulo Miklos, Joana Fomm, Roumer Canhães, Guilherme Berenguer, Raphael Rodrigues, Humberto Carrão, Genézio de Barros, Fernanda de Freitas, Alinne Moraes, Evandro Mesquita e Kadu Moliterno.

Dirigida por José Luiz Villamarim, a trama começou com baixa audiência e no terceiro mês de exibição o autor Mário Prata deixou de escrever a novela, sendo substituído por Carlos Lombardi, que já estava acostumado a escrever novelas para o horário das 19h.

O folhetim teve uma média geral de audiência de 27,2 pontos e foi substituída por “Cobras & Lagartos”.

A música de abertura da novela era “Last Ride”, de The Bambi Molesters. Como era a “mocinha” do folhetim, a atriz Fernanda Lima também foi escolhida para ser capa do CD da trilha sonora da trama.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO