Presidente ''passa a limpo'' o Ipatinga

Dirigente do Tigre adiantou conversa com grupo de empresários, visando saneamento de dívidas e briga pelo acesso à elite

Wôlmer Ezequiel


Nicanor Pires é presidente do Ipatinga Futebol Clube

O presidente do Ipatinga Futebol Clube, Nicanor Pires, conversou com o Diário do Aço nesta quarta-feira (25) sobre a rotina nos bastidores do clube, nesse período de interrupção do calendário no futebol mundial. Assim como diversas atividades, o esporte foi suspenso em razão do novo coronavírus (Covid-19) e do isolamento proposto pelos órgãos de saúde. O dirigente afirmou que as atividades da diretoria em busca de melhores condições financeiras e de elenco para o clube continuam, mesmo com o elenco tendo sido liberado.

Sem pagamento

As atividades estão suspensas desde a última quarta-feira (18), quando ocorreu o último treino e os atletas, comissão técnica e funcionários foram liberados com orientação do preparador físico do que deve ser feito para tentar manter a forma em casa.

“Sabemos que muito será perdido, ainda mais se for um período longo de interrupção. No clube, nós continuamos trabalhando nos bastidores. Os jogadores foram liberados sem receber o salário e continuamos buscando uma forma de resolver isso. Temos tentado fazer parceria, estamos em busca de resolver isso nos próximos dias e semanas. É uma situação que vinha desde antes de explodir o coronavírus no Brasil, deu uma puxada para trás, mas a gente continua trabalhando para amenizar essa situação. Até porque vai ter campeonato e, quando voltar, precisamos estar com a situação em dia, financeiramente falando, e ter condições de terminar a competição”, pontuou.

Nicanor acrescenta que uma parceria está sendo construída junto a um grupo de empresários, pessoas influentes de Ipatinga. “Eles têm trazido outros parceiros para junto do Ipatinga. Mas com o coronavírus deu uma freada nas negociações. Continuamos trabalhando para reunir o maior número possível de apoiadores”, assegurou.

Influência em campo

Questionado se o atraso dos salários teria interferido no rendimento dos atletas dentro de campo, o presidente ponderou que independentemente do segmento, quem trabalha sem receber não rende da forma como deveria. “Até porque as pessoas têm despesas, contas a pagar, mas a gente viu uma entrega grande dos atletas. Não faltou empenho e temos de enaltecer a postura dos jogadores. Um caso que nem foi externado, no ano passado quando cheguei na reta final, não foi pago os dois últimos meses e os jogadores iniciaram um movimento de greve, de não jogar contra o Serranense, mas conseguimos intervir e entraram em campo. Isso mostra o comprometimento dos jogadores e, mesmo o clube não conseguindo honrar com suas contas, se mantiveram com postura muito profissional”, relatou.

CLASSIFICAÇÃO DO MÓDULO B

Sequência do campeonato em aberto

Com o Ipatinga a três pontos do segundo colocado (Nacional de Muriaé), Nicanor Pires acredita que ainda há chances para o Tigre. Isso porque quatro equipes se classificam, restando cinco jogos. “Se formos analisar o campeonato até o momento em que parou, teoricamente temos jogos com adversários tecnicamente inferiores. Se tiramos o Pouso Alegre, líder, e que faz uma campanha muito boa, um time ou outro pode dar trabalho. Mas é precipitado dizer qual equipe vai estar aonde, a não ser o Pouso Alegre”, avalia.

Se necessário for, o dirigente garante que irá refazer o time brigar pelo acesso. “O Módulo B é muito sofrido, desde 2011 que o Ipatinga não joga na elite, precisamos retornar para amenizar o problema financeiro, onde poderemos contar com cota de televisão, por exemplo. Acredito que pelo andar da carruagem, o quarto colocado conseguiria se classificar com 17 ou 18 pontos. Mas muita coisa vai mudar e talvez um Mamoré que está na parte inferior da tabela consiga fazer uma equipe mais forte. O campeonato vai mudar muito, vai ser outro”, vislumbra.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Bolsonaro 26 de março, 2020 | 13:12
Caro José Antônio, não foi só o time que andou pra trás foi o vale do aço todo. Um lugar de paz muita paz, escolas publicas de qualidade, vidas noturnas divertidas e tranquilas, igrejas cheias. Era um povo alegre e hospitaleiros hoje em dia muita gente andando com olhar de raiva.
Confesso a você, hoje em dia do jeito que está, me causa muita estranheza.

José Antônio da Silveira Drumond 25 de março, 2020 | 22:10
A que ponto chegamos! Uma equipe que já foi até Campeão Mineiro da primeira divisão. Disputou até Campeonato Nacional, com uma equipe poderosa. Com um Estádio de grandeza incontestável onde jogaram equipes de primeira linha do Brasil. Foi impressionante a queda. Tudo por causa de más administrações e corrupção. Quem sabe se com uma administração séria o crédito junto às empresas volta e poderemos ter novamente grandes espetáculos no Ipatingão? Vamos torcer.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO