Crise do coronavírus: como empreender durante o pânico do mercado?

Guy Peixoto Neto *

A pandemia do coronavírus foi oficialmente declarada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) no dia 11 de março, mas, antes disso, o mercado já sentia os efeitos da doença, também chamada de Covid-19. No Brasil, a alta contínua do dólar fez com que a moeda norte-americana atingisse o pico histórico (e negativo) superior a R$ 5. A Bolsa de Valores opera em quedas sucessivas, chegando perto da perigosa marca de 70 mil pontos.

Diante desse cenário, inseguranças e dúvidas em relação a como investir o dinheiro e empreender no país são naturais. O que se nota, porém, é que as pessoas não têm tido paciência para esclarecer as incertezas e lidar com os problemas financeiros decorrentes do coronavírus e mesmo para pensar em como ter os negócios menos impactados por eles. Isso fica muito claro quando se observa a rápida retirada de investimentos da Bolsa de Valores, porque as pessoas não querem arriscar mais perdas.

Quem tem negócio próprio tende a ser menos prejudicado pelo coronavírus do que as empresas aéreas, cujas ações estão derretendo, por exemplo. Esta é a hora de analisar o que está ocorrendo no mercado como um todo e pensar em onde colocar o dinheiro disponível de forma segura.

Que tal aplicar capital em serviços que ajudem a quem está se adaptando a uma nova realidade de trabalho motivada pelo coronavírus? A adoção do home office por muitas empresas, a fim de minimizar os riscos de contágio pelo Covid-19, faz surgir um público acostumado a trabalhar em escritório e que precisa de soluções para o dia a dia em casa, como refeições, lanches e até garrafas de água mineral.

Investir no fornecimento dessas facilidades para o consumidor final é, além de um caminho inteligente para ter lucros, uma forma de levar o conforto e a tranquilidade de que essas pessoas precisam para continuar executando bem suas tarefas profissionais.

Belas e saudáveis marmitas, bolos caseiros, salgados para o lanchinho da tarde, entregues em casa e prontos para consumo, são sinônimo de menos preocupações para trabalhadores que, muitas vezes, nem saberiam como preparar tudo isso, e acabariam se alimentando mal.

Serviços simples de entrega de água mineral, café, sucos e até material de escritório também são possibilidades para novos negócios neste cenário. Fazer uma pesquisa entre uma potencial nova clientela ajuda na definição do melhor foco a ser dado.

E o melhor: o modelo de trabalho em home office tende a ficar como legado no pós-crise, o que significa a alta probabilidade de seguir atendendo um público fidelizado quando o turbilhão passar. Estamos falando, portanto, de um investimento pelo bem estar das pessoas e com retorno em curto, médio e longo prazo.

No geral, é importante ter em mente que o mercado mundial sente e ainda vai sentir bastante os efeitos do coronavírus. Não é possível saber, neste momento, até que ponto as quedas irão. Mas elas passarão, e quem tiver tido clareza para tirar proveito das necessidades criadas por elas terá boas histórias para contar no futuro.

* Mentor de empreendedorismo jovem. Fundou a Operalog Transportes e a startup Saly, e dedica-se atualmente ao seu novo projeto, a GPX.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO