Trabalhadores da Usiminas rejeitam renovação de horário de turno

Proposta era prorrogar por mais seis meses a tabela atual

Wôlmer Ezequiel


Votação colheu opinião dos trabalhadores da empresa

Após assembleia promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Metalúrgicos de Ipatinga e Região (Sindipa), os empregados da Usiminas votaram e optaram por não renovar a atual tabela de turno pelo período de seis meses. A cédula trazia duas opções: “aprovo” recebeu 444 votos e “rejeito” foi assinalado 448 vezes, além de três nulos e nenhum branco. A definição ocorreu no dia 17 de março, após votação ao longo do dia, com encerramento na parte da noite, seguindo os horários de entrada e saída na usina.

O presidente do Sindipa, Geraldo Magela, destaca que foram coletados votos de todas as letras/equipes e os trabalhadores do regime de turno tiveram oportunidade de opinar. “A maioria definiu pelo rejeito. Foi uma pequena diferença, mas mostrou a insatisfação com o turno, ainda mais por prorrogar por mais seis meses. Estamos reunindo com a Usiminas para tentar uma alternativa, já que com esse novo coronavírus não é possível fazer assembleia e aglomeração, achamos que é uma irresponsabilidade colocá-los em risco. Queremos fazer isso mais pra frente, e também evitar a implantação do turno fixo. A intenção é, daqui a alguns dias, consultar os trabalhadores novamente”, detalhou.

O acordo que rege o turno vence no dia 31 de março. Como explicado anteriormente, a jornada atual é de seis dias de 7h as 15h, três 15h as 23h e três turnos de zero hora, que é o período de 23h as 7h, com folgas entre eles, com no máximo dois dias inteiros de duração.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO