Estímulo à apicultura é alternativa para produtores no Jequitinhonha

Trinta famílias de Veredinha receberam materiais do Estado para produção de mel

Divulgação / AAIVER


Cada kit é composto por colmeias, cera alveolada, fumigadores, roupas de proteção individual, entre outros materiais
Agência Minas
Com objetivo de fortalecer a produção de mel em Veredinha, no Vale do Jequitinhonha, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) entregou dois kits de apicultura para 30 famílias do município. Cada um deles é composto por colmeias, cera alveolada, fumigadores, roupas de proteção individual, entre outros materiais necessários para a prática.

O presidente da Associação dos Apicultores de Veredinha (AAIVER), Domingos Alves Cordeiro, conta que, por se tratar de uma região com grande escassez de água, os produtores locais encontram dificuldades na agricultura ao longo do ano. “Ainda plantamos um pouco de milho, mandioca, banana, cana, mas, pela falta de água, temos muita dificuldade com verduras, por exemplo”, explica.

Por esse motivo, a apicultura é tão importante para a cidade, que já chegou a produzir 40 toneladas de mel por ano. “Hoje estamos na média de 10 toneladas anuais. Temos aqui o mel de aroeira, que é de excelente qualidade e tem grande aceitação no mercado. Produzimos também o mel de abelha nativa”, conta Cordeiro.

A engenheira agrônoma e assessora técnica da Seapa Nathália Rabelo explica que a cadeia apícola é uma atividade altamente sustentável. “Ela atende efetivamente os três pilares: ambiental, econômico e social. Por isso, é uma ação estratégica e importante. A apicultura tem sido uma alternativa para os produtores rurais driblarem a falta de recursos hídricos”, afirma.

Além do Vale do Jequitinhonha, cidades do Norte e da região Central também foram contempladas com os kits. “É importante lembrar que a cadeia também gera outros produtos importantes, como a própolis, a geleia real e o pólen. A apicultura resulta em impacto positivo no meio ambiente a partir da polinização de diversas espécies, aumentando a produção dos frutos e a viabilidade das sementes’, conclui.

Setor

Em 2018, Minas foi o 5º estado brasileiro no ranking de produção de mel, com 9,6% do total, ficando atrás apenas do Rio Grande do Sul (15,2%), Paraná (14,9%), Piauí (12,3%) e São Paulo (9,8%), conforme os dados do IBGE.

Naquele ano, os produtores mineiros contabilizaram cerca de 4,1 mil toneladas de mel. As regiões do Jequitinhonha e Mucuri foram responsáveis por 18% do total gerado. O primeiro lugar ficou para a região Central, com 25,3% da produção. O destaque foi para o município de Itamarandiba, que liderou o ranking no estado, com 315 toneladas.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Jose 01 de março, 2020 | 17:22
O Governo do Estado é um caso sério!Itamarandiba é o maior produtor de mel do estado, porém não se viu e ainda não vê qualquer ação governamental concreta da Secretaria de Estado de Agricultura para fomentar a apicultura no município. Nada, absolutamente nada! O setor caminha por si só,!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO