Mudança climática: uma grande ameaça global

Isidoros Karderinis *

“Os efeitos da mudança climática serão tão dramáticos que a civilização humana”

“O Acordo de Paris foi firmado há quatro anos e desde então não há resultados substanciais”

A mudança climática, ou seja, a mudança do clima global e, em particular, as mudanças nas condições meteorológicas que se estendem em larga escala de tempo, é uma grande ameaça à existencial global. O efeito estufa causa o aumento da temperatura do planeta principalmente devido ao tremendo aumento do dióxido de carbono, que se elevou em 35% desde o início da revolução industrial. E, é claro, a maior parte da poluição da atmosfera com 50% de todo o dióxido de carbono tem a Europa e a América do Norte como origem. Todos os outros países juntos são responsáveis pela outra metade, enquanto os países mais pobres são os menos responsáveis. No entanto, as pessoas que vivem nesses países são as sofrerão mais fortemente com as consequências.

As causas das mudanças climáticas são identificadas principalmente na combustão de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gasolina, gás natural etc.), responsáveis por 50% do total de emissões, na produção e uso de produtos químicos sintéticos, no desastre de áreas florestais que contribui para a produção de gases adicionais na atmosfera e, é claro, no efeito estufa em 15% e na agricultura e pecuária convencional, que representam 15% das emissões.

Os cientistas especialistas batem o sino do perigo e alertam que, se não houver ação coordenada global urgente por líderes políticos, governos, indústrias e cidadãos em todo o mundo, é provável que a temperatura do planeta suba acima de 2 °C em relação aos níveis pré-industriais até 2060 e o aumento poderá chegar a 5 °C até o fim de nosso século, fato que tornará problemática a vida das gerações futuras.

Esse aumento da temperatura do nosso planeta terá um impacto devastador sobre a natureza, provocando mudanças irreversíveis em muitos ecossistemas e consequente perda de biodiversidade, ou seja, todos os organismos e espécies vivos que compõem a vida no planeta, ou seja, animais, pássaros, peixes e plantas (fauna e flora). Espera-se que muitas espécies desapareçam de áreas que serão direta e severamente afetadas pelas mudanças climáticas.

Hoje, em comparação com 1850 - quando a gravação de dados começou - é observado um aumento de temperatura de 1,1 °C. Portanto, é de vital importância que o aumento não exceda 1,5 °C, porque, como estimam os cientistas, além desse ponto crucial, não haverá caminho de volta.

A mudança climática, no entanto, devido às atividades humanas, é uma realidade ameaçadora tangível e já está afetando adversamente o nosso planeta.

Os setores responsáveis pela produção de gases de efeito estufa são principalmente o setor de produção de energia (unidades de produção de energia elétrica, refinarias), mas também atividades industriais, os modernos meios de transporte (automóveis, aviões, etc.) e as atividades do setor primário de produção.

Então, os eventos climáticos extremos, os incêndios descontrolados em florestas como a Amazônia, que foram caracterizados como o "pulmão" do planeta, as ondas de calor, a ocorrência de forte chuva, as secas prolongadas que criam sérios problemas alimentares nas áreas atingidas do planeta, os furacões muito poderosos, ocorrem constantemente com mais frequência e intensidade, custando dezenas de milhares de vidas todos os anos e causando enormes desastres.

O gelo nos polos derrete e o Ártico é a maior vítima até hoje. O nível médio do mar sobe e, como resultado, pode causar inundações e erosão nas costas e nas áreas costeiras das planícies. Se esse desenvolvimento desfavorável continuar, áreas como a Holanda e Veneza (Itália) correm o risco de se perder permanentemente sob as águas do mar como nova Atlântida.

A mudança climática também aumenta as doenças existentes em todo o mundo, mas também cria novas e também pode levar à morte prematura. Muitas doenças são particularmente sensíveis à mudança de temperatura. Para eles, incluíam doenças transmissíveis como febre amarela, malária, encefalite e dengue febre, mas também distúrbios alimentares, doenças mentais, doenças cardiovasculares e doenças respiratórias.

A mudança climática também terá impactos negativos nas economias dos países, dado que as altas temperaturas prejudicam a produtividade da maioria dos setores da economia, do agrícola ao processamento. Cientistas preveem que, até o fim do século, o PIB global terá caído 7,22% em relação do que teria sido sem a mudança climática.

A adolescente ativista Sueca contra a mudança climática, Greta Thunberg, conseguiu, da maneira mais vigorosa e barulhenta, passar o debate sobre esse enorme problema, pelos chefes de Estado e governo e diálogo público, na sociedade e nas discussões amistosas, mobilizando milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente jovens, que começaram a manifestar exigindo pelos governos a tomada imediata de medidas para o enfrentamento da mudança climática.

Assim, os parlamentares Suecos sugeriram-lhe, com razão, para o prêmio Nobel da Paz. E é claro que Greta Thunberg tem grande razão quando diz que as medidas estão sendo tomadas para reduzir os gases do efeito estufa e, acima de tudo, o dióxido de carbono não são suficientes.

Então, quais são as medidas apropriadas a serem tomadas sem demora para reduzir efetivamente as emissões de gases de efeito estufa até 2050 e manter a temperatura em + 1,5 °C?

As políticas básicas para mitigar resolutamente o problema consistem em promover e utilizar fontes de energia renováveis (eólica, solar, biomassa etc.), aumentar a eficiência energética, reduzir drasticamente a exploração de depósitos de petróleo e gás e impor impostos sobre o carbono para limitar o uso de combustíveis fósseis e, assim, reduzir significativamente as emissões de dióxido de carbono até 2030 e eliminá-las até 2050, a rápida redução das emissões de metano, negro de fumo e outros poluentes de curta duração que sobrecarregam o clima, a restauração e proteção de ecossistemas e, acima de tudo, florestas.

O Acordo de Paris, o primeiro acordo universal legalmente vinculativo para o clima, entrou em vigor em 2016 com grande otimismo e ambições manifestas, apesar da declaração oficial de saída dos EUA, que é um dos maiores poluidores. Quatro anos se passaram desde então e não há resultados substanciais, fato que levanta sérias questões sobre se existe realmente a vontade política de enfrentar esse problema global particularmente ameaçador.

Para concluir gostaria de enfatizar que os efeitos da mudança climática serão tão dramáticos que a civilização humana estará em perigo de desmoronar como uma torre de papel. Portanto, diante dessa crise climática extremamente perigosa, os cidadãos de todo o mundo devem aumentar ainda mais sua mobilização e os líderes políticos finalmente se levantar no auge das circunstâncias e tomarão imediatamente as medidas drásticas necessárias, antes que seja tarde demais, para reverter esse curso insustentável e salvar o planeta.

* Nasceu em Atenas. Romancista, poeta e colunista. Estudou economia e concluiu estudos de pós-graduação em economia do turismo. Seus poemas foram traduzidos para inglês, francês e espanhol e publicados em antologias de poesia, em revistas literárias e seções literárias de jornais. Publicou sete livros de poesia e três romances. Seus livros foram publicados nos EUA, Grã-Bretanha, Espanha e Itália. Email: skarderinis@hotmail.gr
Facebook: Karderinis Isidoros / Twitter: isidoros Karderinis
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO