SAMU Leste é tema de encontro em Fabriciano

Divulgação


Regional de Saúde promoveu reunião de alinhamento com prefeitos da região ampliada do Vale do Aço

A Regional de Saúde de Coronel Fabriciano, realizou, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde, uma reunião de alinhamento sobre o andamento da implantação do SAMU Leste. O evento foi direcionado aos prefeitos e secretários de saúde da região ampliada de saúde do Vale do Aço, que antes faziam parte do Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Vales (Cisvales) e hoje buscam se adequar para integrar o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência Macro Leste (Consurge).

O Superintende Regional de Saúde de Coronel Fabriciano, Ernany de Oliveira, explica que o alinhamento com os representantes municipais de saúde foi necessário para verificar possíveis pendências financeiras relativas ao antigo consórcio, para que o mesmo possa ser encerrado. “Se houver saldo remanescente do antigo consórcio, os municípios devem buscar uma forma legal o repasse deste saldo ao novo consórcio ou devolução para o Estado”, disse Ernany, acrescentando que os municípios que integravam o antigo consórcio precisam formalizar a adesão ao novo consócio, o Consurge.

A reunião do dia 17 fortaleceu a articulação da região, já que a expectativa é que o SAMU Leste atenda 1,6 milhão de pessoas em 86 cidades dos Vales do Aço e Rio Doce. “Hoje os municípios estão empenhados e trabalhando para isso e dentro de suas possibilidades. A união dos municípios em apenas um consórcio foi um importante passo para implantação do SAMU Leste”, reforçou Ernany.

A reunião contou ainda com a presença do diretor executivo do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência e Emergência do Leste de Minas (Consurge), Narcélio Alves Costa.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Janice Leite da Silva 19 de Fevereiro, 2020 | 04:47
Isso tudo está fluindo bem falam que será ótimo essa fusão dos Consórcios Cisvales e CONSURGE, quando na verdade é extinção do consórcio Cisvales que já estava no relatório de transição de governo n°129, Ação 356 já aprovado pelo governo do Estado de Minas Gerais e batido o martelo como implantado e que iria iniciar o funcionamento do SAMU Regional Vale do Aço até mês de agosto de 2019, assim como o SAMU . O SAMU Regional Vale do aço iria contemplar 34 municípios: Açucena, Antônio Dias, Belo Oriente, Bom Jesus do Galho, Bugre, Caratinga, Coronel Fabriciano, Córrego Novo, Dionísio, Dom Cavati, Entre Folhas, Iapú, Imbé de Minas, Inhapim, Ipaba, Ipatinga, Jaguaraçú, Joanésia, Marliéria, Mesquita, Naque, Periquito, Piedade de Caratinga, Pingo DÁgua, Santa Barbara do Leste, Santa Rita de Minas, Santana do Paraíso, São Domingos das Dores, São João do Oriente, São Sebastião do Anta,, Timóteo, Ubaporanga, Vargem Alegre, Vermelho Novo. A Central de Regulação do Cisvales na sede onde já funciona o SAMU de Ipatinga desde 2004 têm suporte para atender 1 milhão de habitantes, uma economia enorme para os cofres públicos, contrário da Central de regulação do CONSURGE que aguarda alto recurso do estado para ser terminada para ser construída e habilitada para funcionar e atender os 51 municípios da região próximas a Governador Valadares. O que a população da região do Vale do Aço deve ter conhecimento é que essa "Fusão" não será benéfica para nossa região e muito menos para os municípios que estão consorciados ao Cisvales , porque o perfil epidemiológico das ocorrências da região e municípios adjacentes é totalmente diferente da região de Governador Valadares e o propósito da regionalização é justamente dar resolutividade a cada demanda de urgências peculiar a sua região de abrangência o que não ocorrerá se juntar os 86 municípios e ter como sede a Central de Regulação centralizada em Governador Valadares. Vão justificar que com os dois consórcios (Cisvales) SAMU Vale do Aço e CONSURGE SAMU do LESTE de Minas fica mais caro parano governo estadual e federal, não procede. o que vai acontecer será divisão da verba com a vantagem da região do vale do aço já ter pronta e operante a central de regulação com suporte para atender 1 milhão de habitante. se aqui na nossa região está toda preparada, seria excelente para todas as cidades envolvidas. Porquê não trazer a central de regulação de Valadares para funcionar aqui em nossa região? Porquê não fazer a "UNIÃO" dos 86 MUNICÍPIOS EM UM SÓ CONSÓRCIO O CISVALES e não o CONSURGE? Porquê esse interesse todo se ambos SAMUs já estavam nos trâmites finalizados para iniciarem suas atividades, prova esta que qualquer cidadão pode comprovar no Relatório Setorial de Transição de Governo META 129, Ação 356: Implantação do SAMU na região Ampliada de Saúde Leste (IPATINGA). POPULAÇÃO DE IPATINGA VAMOS LUTAR PELO CRESCIMENTO FINANCEIRO, ECONÔMICO E INDEPENDÊNCIA POLÍTICA DA NOSSA REGIÃO e não ficar dependente de OUTROS, EXERÇA SUA CIDADANIA.
Janice

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO