Exposição de Lorenzato em Ipatinga

Galeria do Centro Cultural Usiminas mostra acervo do artista mineiro a partir desta quarta-feira (19)

No ano em que se completa 120 anos do nascimento do artista Amadeu Luciano Lorenzato, nascido em 19 de fevereiro, conforme constam em registros de nascimento, a Galeria Hideo Kobayashi, do Centro Cultural Usiminas, recebe a Exposição “Lorenzato – 120 anos de um artista e franco atirador”.

A mostra, composta por obras da coleção do galerista Manoel Macedo e acervo da Usiminas, ficará em cartaz até o dia 2 de maio, com visitação gratuita.

Lucas Galeno/Divulgação/ACS CCU


Lorenzato buscava cenas da comunidade, como um cronista de sua época
O público poderá conferir 78 obras entre pinturas, desenhos em cimento e papel e aquarelas, que mostram as fases e técnicas representativas da trajetória de Lorenzato. É a primeira vez que as obras do acervo da Usiminas - pinturas e aquarelas - são expostas ao público.

As elaboradas figurações de Lorenzato exploram temas e alegorias que vão dos retratos às paisagens, o céu, o campo, a cidade, as árvores, revelando apuro na combinação de cores e síntese na articulação dos elementos pelo pincel.

Outra marca do artista é o acabamento das pinturas, com o uso do pente sobre a tela, dando movimento e textura às obras, com uma variedade de céus povoando as telas.

Penélope Portugal, diretora do Instituto Usiminas, salienta a importância de abrir a agenda de exposição da galeria de 2020 com obras de um artista tão renomado. “Ficamos felizes em poder proporcionar à comunidade a oportunidade de apreciar um acervo precioso”, disse.

Lucas Galeno/Divulgação/ACS CCU


Obra do artista inclui pinturas, desenhos em cimento e papel e aquarelas
Desconhecido do público e pouco reconhecido pela crítica enquanto viveu, Lorenzato percorria Belo Horizonte a pé, buscando cenas da comunidade, como um cronista de sua época. Num primeiro olhar, sua obra remete à arte popular, mas é erudita.

O homem de procedência simples, pintor de paredes, que nunca tinha deixado sua cidade natal até 1920, transformou-se em um cidadão do mundo ao mudar para a Itália, fugindo com a família da epidemia de gripe espanhola que assolou Belo Horizonte.

Lorenzato trabalhou na reconstrução de Asiero, cidade destruída na 1ª Guerra Mundial, e em 1925 fez a primeira e única incursão em estudo formal de arte, na Reale Accademia delle Arti, em Vicenza, como pintor de cavalete. Trabalhou na construção civil e em fábrica de artefatos na 2ª Guerra Mundial.

Retornou ao Brasil em 1948, casado com uma italiana. No navio, arrumou emprego em um hotel em Petrópolis (RJ), mas pouco depois voltou a Belo Horizonte. Aposentou-se aos 56 anos, após sofrer uma queda de um andaime. Daí em diante, dedicou-se à pintura.

Lucas Galeno/Divulgação/ACS CCU


Há combinação de cores e síntese na articulação dos elementos pelo pincel
Na exposição, o público terá mais informações da vida e obra de Lorenzato com os monitores da Ação Educativa do Instituto Usiminas, que inclui uma intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras). No ateliê educativo o visitante poderá fazer uma atividade prática.

A mediação com o público, espontânea ou agendada, visa gerar um momento de diálogo e inserção das obras em contextos possíveis, dando acesso e subsídios para que as pessoas conheçam e reflitam sobre a arte e seu universo. As visitas podem ser agendadas pelo telefone: (31) 3822-2215.

SERVIÇO:
Exposição “Lorenzato – 120 anos de um artista e franco atirador”
Acervo de Manoel Macedo e Usiminas (MG)
De 19 de fevereiro a 2 de maio de 2020
Galeria Hideo Kobayashi - Centro Cultural Usiminas
Visitação de terça-feira a sábado, das 10h às 21h.
Entrada gratuita. Mais informações: (31) 3822-2215.
Mostra patrocinada pela Usiminas e realizada pelo Instituto Usiminas (Lei Federal de Incentivo à Cultura)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO