Coisa é tudo dança para crianças

Grupo Hibridus Dança apresenta espetáculo especial para o público infantil e adulto

Nilmar Lage/ACS GHD


No palco e na vida, coisas podem ser inventadas e podem ser dançadas
Neste sábado (15), às 17h, o grupo Hibridus irá apresentar o espetáculo de dança para crianças Coisa é Tudo, no Festival de Verão do Vale do Aço 2020. Coisa é tudo o que é inominável. O que não se explica. O que se sente ou o que não se conhece. Coisa é objeto, é bicho, é sentimento, é até gente. Coisa é tudo, tudo, tudo.

O espetáculo tem direção do artista belo-horizontino Tuca Pinheiro e já se apresentou no SESC Santo Amaro (SP), em Ilhéus e Itacaré (BA). É resultado de um compartilhamento do coletivo Hibridus e extensão do “ENARTICinho”, com patrocínio da Usiminas (Lei Estadual de Incentivo à Cultura).

Coisa é tudo o que existe ou pode ter existência, real, abstrata ou imaginária. Algo que ainda não se sabe o nome específico. E se ainda não tem um nome, pode ser nomeado, pode existir. Tudo é a maior quantidade possível de coisas. E se essas coisas ainda não existem; podem ser inventadas, podem ser dançadas!

Podem voar e conviver sem pré-conceitos e sem preconceitos! É uma construção e visão de mundo onde todas as coisas ainda são possíveis (ou assim deveriam ser!)

Tudo é o possível! Tudo é a soma das experiências humanas “brincadas”, sem comparativos, durante a infância. Muito mais do que um projeto coreográfico, é um “projeto de conversas” com o público infantil.

Nilmar Lage/ACS GHD


Luciano Botelho é um dos integrantes do Hibridus Dança
E são conversas que acontecem no corpo e através do corpo, partindo das experiências subjetivas dos intérpretes/criadores do grupo e estabelece um vínculo com o público infantil e a respectiva conexão com a família, com o outro, com as coisas e o tempo das coisas.

Dessa forma, aborda em cena questões que dialogam com a contemporaneidade: memória, poder, diversidade, tolerância e aceitação com as diferenças e resistência.

No elenco estão os artistas da dança Luciano Botelho, Fran Silvestre e Wenderson Godoi. A assistência coreográfica é de Patrícia Abreu (Lindinha), iluminação de Morrison Deolli, sonoplastia de Léo Coessens.

A cenografia e adereços do Hibridus Dança e Maria Cloenes, figurinos de Vanuza Bárbara, produção de Wenderson Godoi, coordenação de comunicação de Luciano Botelho, registro audiovisual de Charles Santana e registro fotográfico de Henrique Godoi e Nilmar Lage.

SERVIÇO:
‘Coisa é Tudo’
Sábado (15) - 17h
Teatro Zélia Olguin - Ipatinga
Classificação livre. Ingressos à venda na bilheteria do Centro Cultural Usiminas, no site www.eventim.com.br ou telefone (31) 98551-3323.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO