Parasita? O ministro da economia entende muito de números e pouco sobre pessoas

Antonio Tuccílio *

O ministro da economia, Paulo Guedes, não esconde de ninguém sua falta de apreço pelos servidores públicos. Em recente declaração, ele ofendeu o servidor brasileiro ao chamá-lo de parasita. Depois, até pediu desculpas dizendo que se expressou mal ao comparar servidores a parasitas. Motivado por essa declaração, decidi elencar os feitos dessas pessoas que o ministro tanto despreza, mas que fazem muita diferença na vida de milhões de pessoas, a começar pelos policiais.

No dia 2 de janeiro, uma família (pais e filho) estava a caminho de São Paulo, vinda do litoral paulista. Os pais tinham pressa porque a criança, um menino de apenas dois anos, faria transplante de coração. Porém, quem é de São Paulo sabe que há muito trânsito na serra nessa época do ano, o que dificulta a locomoção. A Polícia Militar agiu prontamente e escoltou o carro, abrindo caminho no congestionamento para possibilitar a rápida passagem da família.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo – campus São Carlos desenvolveram um biossensor que identifica em apenas 60 minutos a ocorrência de câncer de próstata. O equipamento também aponta se o paciente tem pré-disposição a desenvolver a doença no futuro. Além da rapidez, a técnica é menos invasiva que a tradicional. Ainda no campo da pesquisa, profissionais da USP de Ribeirão Preto conceberam uma terapia anticâncer inovadora, que modifica o DNA das células do paciente para que elas ataquem o câncer. Um homem com linfoma não Hodkin de células B foi curado após os testes.

No campo das artes, me recordo do período em que o Rio de Janeiro deixou de pagar servidores públicos. Salários e 13º estavam atrasados, mas apesar do desprestígio do poder público o ballet do Teatro Municipal não parou de se apresentar. As encenações continuaram porque os bailarinos eram comprometidos com a arte.
Outro grande exemplo é a professora Heley Abreu, que lutou contra um incendiário na creche em que trabalhava em Janaúba (MG). Ela retirou todas as crianças pela janela, mas infelizmente morreu no incêndio. Ela deu a própria vida por seus alunos.

Também vem à mente os profissionais do serviço público que trabalham sob forte tensão, como os médicos do SUS, que precisam atender uma enorme quantidade de pacientes, apesar da falta de recursos. Lembro ainda daqueles que trabalham sob ameaças, como os próprios policiais militares, além de carcereiros e fiscais de meio ambiente.
Poderia citar outros inúmeros exemplos, mas creio que estes sejam suficientes para mostrar ao ministro Paulo Guedes o importante trabalho dos servidores públicos em todo o país, muitas vezes pouco reconhecido pelo governo e até mesmo pela população que se beneficia deles.

Servidores não são parasitas. Há exemplos negativos no funcionalismo, mas também há exemplos ruins na iniciativa privada. Quantas estatais foram privatizadas e hoje se encontram no topo da lista de reclamações do Procon? Parasitas de verdade são os políticos constantemente eleitos mas que pouco (ou nada) fazem pela população. Definitivamente, o ministro Paulo Guedes entende muito de números, mas pouco sobre pessoas.

* Presidente da Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Tião Aranha 13 de fevereiro, 2020 | 18:37
A maioria torce para que este governo dê certo. Pesa muito sobre as costas do ministro da fazenda o fardo da responsabilidade em monitorar as reformas prementes para que o país possa retornar o caminho correto do Desenvolvimento. A luta de palavras é a luta mais vã. A escola de formação do ministro foi a da american way of life. Não é à toa que ele fala o inglês fluentemente-, só que a cultura americana é uma, e a nossa é outra. Que o serviço público neste país deixa muito a desejar - ninguém tem a menor dúvida - e não será rotulando trabalhadores que tudo mudará de uma noite para o dia. Talvez o gargalho problemático do país esteja nas desigualdades sociais, e tudo será resolvido no dia que as oportunidades de sobrevivência de vida for igual para todos.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO