Pais fazem vigília por vaga na rede estadual de ensino

Grupo está na porta da escola Ana Letro

Enviado por pais de alunos


Grupo está na porta da escola Ana Letro


Um grupo de pais está acampado na porta da escola Estadual Ana Letro Staacks, no Quitandinha, em Timóteo. Alguns chegaram no local na sexta-feira (7). Conforme informado ao Diário do Aço na tarde deste domingo (9), o objetivo é conseguir vagas para seus filhos. Desde que o governo de Minas anunciou a mudança na destinação dos alunos, revolta e preocupação são os sentimentos das famílias, que ainda aguardam definição sobre a vida escolar das crianças e adolescentes.

As vagas remanescentes serão conhecidas na segunda-feira (10) e, por este motivo, eles querem reforçar a demanda junto à direção da escola. Na quinta-feira passada, um grupo de pais e o coordenador do Movimento em Defesa das Escolas Públicas de Timóteo, Sílvio dos Santos Ribeiro, se reuniram com o promotor da Infância e Juventude, Marcelo Magno Ferreira, no Fórum Dr. Geraldo Perlingeiro de Abreu, em busca de intervenção e de solução para o caso. Eles protocolaram denúncia contra o Governo de Minas, por entender que o sistema adotado não funciona. Na oportunidade, informaram ao promotor que alguns casos, de alunos de Timóteo, estariam sendo direcionados para o Melo Viana e Caladinho, em Coronel Fabriciano.

Na quinta-feira, procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) esclareceu que inaugurou esse ano um processo informatizado de matrícula escolar para os alunos oriundos de outras redes ou que desejam mudarem-se de escola. “Esse procedimento, já utilizado na maioria dos estados brasileiros, vem gerando maior transparência nos critérios de alocação nas escolas de maior procura. O novo sistema de matrícula também gera maior transparência para o processo de designação de professores, uma vez que fornece o número real de alunos da rede. Assim, os professores serão designação de acordo com a demanda. Importante destacar que 97% dos alunos que realizaram a pré-matrícula foram encaminhados para uma, entre as três primeiras opções de escolas informadas no ato da pré-matrícula. Pela primeira vez, as famílias puderam indicar até dez unidades de ensino de sua preferência. A SEE/MG ressalta que a pré-matrícula é uma das etapas do processo de matrícula. Antes, a renovação da matrícula, para aqueles alunos que vão permanecer na mesma escola que estudaram no ano passado, já garantiu a vaga de 1,3 milhão de alunos na rede estadual”, aponta.

A SEE/MG acrescenta que as dúvidas das famílias estão sendo esclarecidas, caso a caso, por meio do canal de atendimento “fale conosco” disponível no site da secretaria (www.educacao.mg.gov.br). Para garantir um bom atendimento, é importante enviar, nesta comunicação, o número de inscrição, o nome completo do aluno, a data de nascimento, a filiação e município da escola. Os alunos que por ventura desejam fazer alguma mudança na sua alocação poderão, a partir do dia 10 de fevereiro, acessar o site www.matricula.educacao.mg.gov.br e verificar as vagas disponíveis. A publicação dessas vagas no site é um processo inovador no Estado que possibilita a visualização em um só lugar, de maneira centralizada e de fácil acesso para toda a população”, conclui a nota.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Elma 12 de fevereiro, 2020 | 00:05
Também fiz a pré-matricula, vaga que é bom até agora nada!
Um absurdo!
Rafael 10 de fevereiro, 2020 | 11:15
Muito do que a SEE/MG tem veiculado é mentira. Liberaram a lista com vagas remanescentes nas escolas, fiz a pré matrícula no prazo certo, dentro das exigências e meu filho foi jogado para o resto, saiu a lista das escolas com vagas, estive em duas delas e não tinha nenhuma vaga disponível, nenhuma. Pessoas que passaram o final de semana na porta da escola perderam tempo, pq hoje ao abrir os portões já informaram que não havia vagas. Assim como meu filho, tem dezenas de outras crianças sem saber onde estudar. As escolas onde existem vagas são do outro lado da cidade, onde não tenho condições de manda-lo. E o zoneamento, como fica? Se os pais não matriculam seus filhos são punidos pq estão privando-os de estudar. E quando o estado não matrícula seu filho, posso punir o estado como negligente? Uma vergonha, incompetência esse sistema ridículo que inventaram para forçar a munipalização do ensino estadual.
Ana Nana 10 de fevereiro, 2020 | 07:55
E preciso que valorize o que tem , há pais inclusive nessa foto aí , que mudaram de bairro para o filho estudar no Ana Letro, se valorizasse há uma escola no bairro limoeiro que no vespertino está vazio , já ensinam os filhos a não valorizar a cidade , o bairro desde cedo ,Nem precisavam ficar na porta da escola assim

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO