Ipatinga faz trabalho preventivo acerca de animais peçonhentos

O dado positivo do levantamento é a conclusão de que nenhuma das espécies envolvidas nas ocorrências era venenosa

Divulgação


Época é propícia ao aparecimento de animais peçonhentos em ambientes domésticos e população deve estar mais atenta

A Secretaria Municipal de Saúde de Ipatinga, em parceria com o Ministério Público (MP), realiza a partir deste mês um trabalho conjunto de estudo, controle e prevenção, em razão da incidência de cobras no bairro Castelo e registros também em outros pontos da cidade como bairro das Águas, Cariru e Centro.

Após os incidentes ocorridos, o MP solicitou que a Seção de Controle de Zoonoses providenciasse um estudo de identificação das serpentes que apareceram em algumas residências.

O dado positivo do levantamento é a conclusão de que nenhuma das espécies envolvidas nas ocorrências era venenosa. Contudo, Executivo e MP alertam que devem ser observados todos os cuidados, sendo prudente ter atenção redobrada. Especificamente no bairro Castelo, a rua com o maior número de registros é a Antares, mas também foram localizadas serpentes nas ruas Alfa, Marte, Netuno, Vênus e Saturno.

Além das ações já empreendidas no sentido de identificar as espécies e manter a comunidade informada e mais prevenida, as parcerias entre os órgãos preveem a constância no abastecimento de soro antiofídico no município, garantindo agilidade para socorros em caso de eventual acidente.

A bióloga Mardeídes Benfica, lotada na Seção de Controle de Zoonoses, conta que não houve nenhuma anomalia no ambiente da região que justificasse a aparição dessas serpentes. “É importante frisar que o aparecimento dessas cobras foi uma situação atípica do bairro. Durante a apuração identificamos que as serpentes que foram encontradas nas casas são das espécies Salamanta e Boipeva, exemplares que são comuns na região. As cobras precisam se locomover para garantir a temperatura do corpo delas. Contudo, acreditamos que as fortes chuvas registradas nos últimos dias na nossa cidade podem ter sido o fator que deflagrou o deslocamento desses animais se para as residências”, explicou.

A bióloga acrescenta que Seção de Controle de Zoonoses não recebeu nenhuma solicitação dos moradores dos bairros Castelo, Cariru e das Águas referente à aparição de cobras em residência.

Dados
Somente em 2019, a Secretaria de Saúde de Ipatinga registrou 416 casos de pessoas picadas por animais peçonhentos. Do total, 356 foram vítimas de escorpiões e 60 foram atacados por serpentes. Neste ano, até o mês de fevereiro, já foram notificados sete casos de picadas de escorpião.

Cuidados
A orientação para os cuidados especiais quanto aos animais peçonhentos, especialmente neste primeiro trimestre e sobretudo em relação a cobras, escorpiões e aranhas, deve-se ao aumento de chuvas e as altas temperaturas registradas na cidade durante o verão. Esses fatores fazem com que os animais peçonhentos procurem locais secos ou que sugiram refúgio para se acomodarem, e assim crescem os riscos de acidentes.

Em caso de picadas, a primeira providência a ser tomada é limpar o ferimento com água corrente e sabão. Em seguida, a vítima deve procurar o mais rápido possível o atendimento médico de emergência.

Outras orientações são manter a vítima em repouso e não sugar o local da picada, além de não colocar qualquer substância, fazer ataduras ou torniquetes.

Se possível, a recomendação é para que se leve o animal para identificação da espécie, ou seja, registrada uma fotografia, desde que não represente risco de novos acidentes.

Escorpião
A Secretaria de Saúde de Ipatinga também faz um alerta especial em relação aos acidentes causados pelo escorpião, principalmente quando crianças estão envolvidas. Isso porque a picada do animal é um dos fatores que contribuem diretamente para a elevação das estatísticas de mortalidade infantil.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Mara Fernanda, recomenda que as pessoas usem botas quando forem para a zona rural e adotem luvas de proteção ao mexer com entulhos, além de manter limpas, sem mato, casas que ficam situadas em sítios e chácaras.

“Precisamos ser cautelosos e ter iniciativas que possam prevenir os acidentes com animais peçonhentos. Essas medidas vão ajudar a evitar picadas de cobras, escorpiões e aranhas”, reforça.

Fui picado, o que faço?
Em Ipatinga, em caso de acidente deve-se encaminhar a vítima diretamente para a Unidade de Pronto Atendimento 24 horas (UPA). Se possível, o ideal é levar o animal causador do acidente para identificação ou acionar o Corpo de Bombeiros Militar (193).
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO