Professores e funcionários de escolas estaduais aprovam greve

A decisão deixou apreensivos pais de alunos, porque o movimento é deflagrado no momento da volta às aulas na rede estadual de ensino

Wôlmer Ezequiel


O início das aulas na rede estadual está marcado para segunda-feira (10)

Está marcada para a próxima terça-feira (11) o início da greve dos professores e funcionários das escolas estaduais de Minas Gerais, por tempo indeterminado. Enquanto isso, a volta das aulas na rede estadual está marcada para segunda-feira (10). Até momento, não há um balanço oficial do número de unidades e profissionais que vão aderir à paralisação das atividades. A greve foi aprovada por trabalhadores em Educação na quarta-feira (5), no pátio da Assembleia Legislativa, em Belo Horizonte. A decisão deixou apreensivos pais de alunos, porque o movimento é deflagrado no momento da volta às aulas na rede estadual de ensino.

A categoria reivindica “propostas de pagamento do piso salarial profissional nacional, direito respaldado pela Lei Estadual 21.710/2015 e pela Lei Federal 11.738/2008, bem como o cumprimento estrito do repasse de 25% da receita corrente líquida do Estado para a Educação”. Os profissionais também “cobram a quitação do 13º salário de 2019; a interrupção de políticas que dificultam o acesso à Educação, como sistema de pré-matrículas online, Plano de Atendimento, fusão de turma, demora na publicação das remoções e resolução de designação”.

Região

Representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), subsede de Ipatinga, também estiveram presentes na votação para a greve, em Belo Horizonte. Conforme a diretora do sindicato, Cida Lima, já havia um estado de greve desde o ano passado. “Os profissionais estavam insatisfeitos há um tempo, assim como a comunidade. Muitos pais ainda nem sabem onde seu filho vai estudar. Por enquanto, não temos um balanço oficial, mas a expectativa é que a adesão à greve cresça nos próximos dias”, destacou.

Diálogo

Procurada pelo Diário do Aço, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) informou, por meio de nota, que respeita o direito constitucional de greve dos servidores da Educação e reitera que tem mantido um diálogo com representantes sindicais. “Várias agendas foram realizadas, ao longo de 2019, com os representantes das entidades sindicais e do Governo do Estado, nas quais assuntos da área da educação foram debatidos. A SEE reforça que os canais de diálogos continuarão abertos para que as reivindicações da categoria possam ser apresentadas e discutidas”, afirmou.

Pagamento

Já a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) informou que vem recebendo e dialogando com representantes dos sindicatos de todas as categorias. “Até o momento, 70% dos servidores da Educação receberam o 13° salário integral. Para concluir o pagamento e pôr fim ao parcelamento de salários por seis meses, o Governo do Estado conta com a operação financeira do nióbio”, pontuou.

A Seplag também informou que a remuneração inicial na rede estadual é de R$ 2.135,64 para a carga horária vigente de 24 horas semanais. “Considerando a proporcionalidade sobre o valor do vencimento básico, equivale a R$ 3.304,23 para uma jornada de 40 horas, atendendo à legislação nacional”, concluiu a secretaria.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Advogado 21 de Fevereiro, 2020 | 10:02
Temos que entender que o estado continua sem pernas para andar o PT acabou com estado ,
Os professores teriam que agir de forma diferente,
Não fazendo greve , quem fica prejudicado sempre são os alunos ...
Talvez a Unimontes vai entrar de greve esse mes isso é uma canalhice faz dos alunos ums bestas , o que alguns professores as vezes fazem é muito desumano..
Desabafo
Lucibeia 18 de Fevereiro, 2020 | 19:48
Quem quer respeito, tem que repeitar.
Eu, como mãe de alunos da rede pública, queria pedir encarecidamente, aos professores que lutam por sua causa, não sejam grosseiros ao dizer que, nós pais somos ¨cretinos e babacas¨. Isso chega a ser ridículo. Não é assim que vai conseguir apoio, pra sua causa, que é nobre, mas como vc mesmo disse, prejudica e muito os alunos. O que acha que nós pais deveríamos dizer. Vá em frente e deixe que nossos filhos se ferrem???? NÃO......Somos pais que amamos e queremos o melhor pra nossos filhos. Professor é uma proofissão muito nobre, que eu respeito muito!! Sou muito grata aos que tive e aos que meus filhos têm. Reconheco a luta, acho muito justa e louvável. Mas os professores não podem se ofender qdo nós pais reclamamos o qto nosso filhos são prejudicados com a greve, pois acho que o objetivo é exatamente esse, pois é a arma que têm, não é??? Vc disse que p objetivo é incomodar e pode ter certeza que o está atingindo, pois está incomodando muito mesmo a pais como eu que se preocupa com o futuro de seus filhos. Espero sinceramente que o governo entanda o protesto e consiga resolver o mais rápido possível para que fique menos ruim pra cada cidadão brasileiro e descente que defendo sua causa, e isso inclue professores, alunos e pais, cada um com sua particularidade. Boa sorte a todos nós
Maria Jose Possato Valerio 17 de Fevereiro, 2020 | 10:14
É com muita tristeza que observamos o absurdo que o País no todo trata com desrespeito nosso professores que nos transmitem conhecimento e nos capacita para um futuro melhor nos dando a oportunidade de não sermos leigos em termos de escolha dos nossos políticos um País que não está preocupado nem de ser mal falado ai fora pelos demais pois o importante é dinheiro no bolso. Sinto muito com tudo isso sinto muita vergonha de ter encarnado num lugar desse é triste mesmo, muito triste!
Joao Victor Alves de Aguilar 15 de Fevereiro, 2020 | 19:02
Bando de corruptos do governo do estado de Minas Gerais,povo de um ensino de péssima qualidade,eu não vou votar no Romeu zema nunca mais!agora, sou da família bolsonaro e ele tem democracia
Nina 12 de Fevereiro, 2020 | 06:18
Só pode dizer que ser um professor público é uma "mamata" aqueles que nunca compareceram a uma aula de língua portuguesa ou nunca estudaram em escola pública, ou nunca fizeram universidade pública no horário noturno (por ter de trabalhar o dia inteiro) ou nunca sequer fizeram um concurso público que tivessem de estudar para serem aprovados. Acostumados a conseguir empregos com indicações e facilidades podem até achar que compartilhar saberes com outro ser humano é algo frívolo. Mas nenhum desses enraivecidos, boquiabertos com a "folga" dos grevistas se atrevem a percorrer a trajetória dos 'folgados" para então experimentar o paraíso que é essa profissão, ou então consideram que abandonar o barco é a melhor saída, uma vez que pensam nessa profissão só mesmo como fonte de renda. Só pode dizer que esse comportamento se enquadra perfeitamente naquilo que chamamos de alienação, pronto falei!
Sabonete 11 de Fevereiro, 2020 | 09:37
NÃO TENHO PROBLEMA COM ISSO......POIS NÃO TENHO FILHOS....!! E NEM QUERO TER...!!!
Cidadão Honesto 10 de Fevereiro, 2020 | 14:13
Nas próximas eleições já sabemos em quem não devemos votar, simples assim.
Lais 10 de Fevereiro, 2020 | 12:15
Esse governo também não facilita viu! Tudo bem que uma greve atrasa tudo, tudo bem que vira um caos,mas porque não resolve de uma vez por toda essa questão! O individuo faz faculdade para depois ficar nisso,trabalhar em sala de aula lotada, alunos rebeldes, sem estímulo para lecionar.Agora quer dificultar as matrículas, para ter menos alunos e mais demissões de professores e servidores. Assim não dá mesmo para tolerar. E de fato no final das contas são nossos filhos que pagam, por culpa de quem? Desse governo ridículo!
Gulliver 10 de Fevereiro, 2020 | 11:16
Professor de escola particular recebe a mesma mixaria que o governo, só que se eles fizerem greve são demitidos! Serio que voces nao entendem essa lógica?? Eu trabalhei por 10 anos em escola particular e vi professor falar que ia fazer greve em um dia e no outro demitido. Deveria terceirizar o emprego de voces pra voces aprenderem a falar asneiras
Gulliver 10 de Fevereiro, 2020 | 11:14
Para os babacas que estão achando ruim, nao querermos prejudicar seus filhos, mas estamos tentando receber o que é nosso por direito e prometido desde 2014! A greve é o ultimo recurso, e greve tem que INCOMODAR! Se não nao faz sentido, sentimos muito por voces pais sem consideração e educação que estão nos atacando e reclamando, mas antes de pensar nos filhos de voces, temos que pensar no que será do nosso amanhã. Na greve dos caminhoneiros ficaram sem gasolina, sem comida, sem remedio e seus filhos sem aulas, mas todo mundo aplaudiu, rezou e bateu palmas, entao nao sejam cretinos agora e nos apoiem
Erik Alexandre 10 de Fevereiro, 2020 | 06:57
Alguém sabe se a Escola Estadual Wilson Lopes Do Couto (Bom Despacho - MG) Aprovou a Greve??

Helena A.nogueira 09 de Fevereiro, 2020 | 23:33

TÍTULO DA REPORTAGEM EQUIVOCADA.

NEM TODAS AS ESCOLAS ENTRARÃO EM GREVE... GREVE SÃO MOTIVOS POLÍTICOS E DEPOIS QUEM PAGA SÃO OS PROFESSORES E ALUNOS E SAEM DE PREJUÍZO .
NÃO APROVO.

Sebastião Rd 09 de Fevereiro, 2020 | 17:43
UHUUUU FERIASSSSS
Miguel 09 de Fevereiro, 2020 | 14:50
PATRIOTA SEM PARTIDO !!!!!
AGUENTAR E EDUCAR OS FILHOS EM CASA ??????

PRIMEIRO AGUENTAR É SUA OBRIGAÇÃO , OU ENTÃO NÃO OS FAÇA, SEGUNDO É NÓS PAIS QUE TEMOS QUE EDUCAR SIM A ESCOLA CAPACITA INTELECTUALMENTE CRIANCAS E JOVENS , NÃO TEM NENHUMA OBRIGAÇÃO DE EDUCAR SEU FILHO ! CADA COISA AFFFFF
Marcilene Rodrigues Gomes 09 de Fevereiro, 2020 | 05:28
Não é o sindicatos e os professores que estão impedindo as crianças de estudarem e sim o governo que ao invés de melhorar a Educação está tirando o direito das crianças .
Super apoiada esta greve.
Tião Aranha 08 de Fevereiro, 2020 | 22:30
Lá em Brasília, eles chamam professores de sofressores...cada coisa.
Luiza 08 de Fevereiro, 2020 | 21:37
As escolas estatuais de Uberlândia vão aderir a greve? Alguém sabe?
Patriota Sem Partido 08 de Fevereiro, 2020 | 14:30
Professores de escolas particulares raramente entram em greve porque recebem os seus bons salários em dia, inclusive o 13º e as férias, e, na maioria das vezes, as famílias dos discentes têm noção do valor da Educação para o futuro deles e do país, por isso, respeitam e valorizam os docentes; o que irrita muito os pais e/ou responsáveis pelos alunos não é a greve em si, mas ter que "aguentar" e educar (?) os filhos em casa o dia todo; sobre deixarem as crianças estudarem (sic), os professores não só deixam, como os auxiliam no processo ensino-aprendizagem, mas para que isso ocorra eles têm que ter condições mínimas de trabalho, salários em dia e, se possível, estarem mentalmente sãos.
Helena A.nogueira 07 de Fevereiro, 2020 | 23:01


GREVE,PARALISAÇÕES.. .. SÓ ATRAPALHA,ATRASA A EDUCAÇÃO...

O ANO LETIVO NEM COMEÇOU E VEM O SINDICATO QUERENDO GREVES.. DEIXE AS CRIANÇAS ESTUDAREM !!!

Eai 07 de Fevereiro, 2020 | 21:49
Se tem uma coisa que me irrita é isso
Tinho 07 de Fevereiro, 2020 | 15:31
Simples! Privatiza a educação que melhora para todos! Nunca vi professores de escola particular entrar em greve. Hilário mesmo, é ver professores ainda defendendo o socialismo que parcela o seu salário, precariza as escolas, que dão comida de baixo valor nutricional aos alunos, além de um ensino de péssima qualidade. Como justificativa para tudo isso, ainda querem 25% da receita tributária para bancar a "mamata."

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO