Transtorno de conduta infantil

Luciana Brites *

O Transtorno de conduta (TC) não é uma simples desobediência. Bem mais séria do que um momento de pirraça ou birra, o TC é uma das alterações mentais, ou comportamentais, mais frequentes no fim da infância ou no começo da adolescência.

A principal característica é o comportamento antissocial, além de insubordinação em qualquer ambiente e furto de objetos de valor. Quando iniciado precocemente, tem grandes chances de ser acompanhado do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Outro detalhe é o fato do TDAH ser a comorbidade mais comum entre crianças com TC (43% dos casos). Além disso, os pacientes do sexo masculino correspondem por uma parcela maior das pessoas diagnosticadas com ambos os distúrbios. Vale ressaltar que o transtorno de conduta afeta meninos e meninas de maneira diferente.

O Transtorno de Conduta está ligado a fatores constitucionais e ambientais, como, por exemplo, receber cuidados materno e paterno inadequados; viver em um local com discórdias familiares; ser criado por pais agressivos e violentos; ser filho de mãe com problema mental; entre outros.

A psicoterapia familiar e individual é a principal intervenção realizada para família e para quem tem TC. O tratamento com medicamentos é indicado para quem tem TC associado a outras comorbidades como TDAH.

* Uma das fundadoras do Instituto NeuroSaber (www.neurosaber.com.br) Pedagoga especializada em Educação Especial na área de Deficiência Mental e Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Unifil Londrina.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Tião Aranha 13 de Fevereiro, 2020 | 09:18
O tema abordado é de grande complexidade dado à origem das causas de crianças vindas de casais que tiveram relacionamento conturbado, e até de abandono, da gestante durante o seu período de gestação do bebê. Não é esta a causa principal, pois se verificarmos mais à fundo, geralmente o pai ou essa mãe tiveram parentes próximos com sérios transtornos psiquiátricos. Logo, o que mais pesa é a carga genética. Neste quesito, discordo da colunista. Lacan já falava da preponderância do inconsciente sobre o consciente. Mas quando os país procuram ajuda psicoterapêutica já na fase juvenil, diminui em grande parte os problemas futuros-, essa criança terá dificuldade de aprendizagem, sim, por ser um ato involuntário sendo que a questão central e geral comumente está no seu descontrole emocional. Parece que na Psicologia tudo está muito ligado. Neste caso, o educador pra lidar com essa criança tem que mudar o seu método pedagógico de ensinar. E a corda só estoura sempre pro lado mais fraco, num país onde pais muitas das vezes passam a noite na fila disputando vaga numa escola pública de qualidade.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO