Identificadas as jovens executadas a tiros no Ipanemão

Wellington Fred + Reprodução


Corpos de Aline e Aspásia estavam em um local de difícil acesso à margem de uma trilha de motociclistas

Uma das vítimas de uma dupla execução, descoberta na manhã deste sábado (1), em uma trilha, na área rural do Ipanemão, em Ipatinga, foi identificada no Instituto Médico Legal por uma pessoa da família.

Trata-se de Aline Rodrigues de Souza, 20 anos, natural de Joanésia e que atualmente residia no bairro Limoeiro, em Ipatinga. Ela deixou dois filhos. A outra, cuja identidade faltava confirmação oficial, é Aspásia Hilary Moreira Ferreira.

A reportagem do Diário do Aço acompanhou a saída do familiar, que confirmou a informação. Abalado, ele evitou gravar entrevista e repassou algumas informações a respeito de Aline.

As duas jovens foram encontradas mortas a tiros em um local de difícil acesso, do outro lado do córrego Ipanemão.

Os corpos das mulheres foram vistos por trilheiros que passaram em motos pelo local no começo da manhã de sábado.

Sem documentos, não foi possível identificar as duas vítimas na cena do crime e os corpos foram levados para o Instituto Médico-Legal (IML). A identificação foi feita posteriormente. Entre as vítimas, uma é morena e tem uma tatuagem nas costas com os nomes "Miguel" e "Gustavo", ambos, nomes dos filhos dela.

Os levantamentos iniciais indicam que uma das meninas foi morta com dois tiros nas costas, e dois na cabeça. A outra apresenta cinco perfurações provocadas por disparos de arma de fogo, dois tiros nas costas, dois na cabeça e um no rosto.

Ao que tudo indica, Aline e Aspásia foram levadas para o meio do mato por uma trilha usada por motociclistas.

Tiveram que atravessar o córrego Ipanemão e ainda caminharam alguns metros, onde foram mortas a tiros. Na cena do crime foram recolhidas cápsulas deflagradas de munição.

Além do acesso difícil, o local onde ocorreu o crime, na área rural é pouco habitado e os sítios são afastados uns dos outros. Com isso, faltam informações sobre movimentação atípica de pessoas no local, mas há uma certeza. Quem cometeu crime, em plena madrugada, conhecia bem a área.

Até o fechamento dessa edição a polícia ainda trabalhava no levantamento de dados que levassem à autoria e motivação para o crime.

Um drama que se repete

Aline Rodrigues deixou dois meninos e Aspásia Hilary duas meninas. Aline Rodrigues tem um histórico de drama. Ela foi criada pela avó, pois quando tinha dois anos a mãe, Roseli Gonçalves de Souza foi assassinada pelo marido, pai de Aline, no ano de 2002, em Braúnas. Anos depois, Divino do Carmo Rodrigues também foi assassinado.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

João Vaagaça 02 de Fevereiro, 2020 | 11:11
Cei
Carlos 02 de Fevereiro, 2020 | 10:20
Deus proteja nossos jovens .que sigam um bom caminho.
Diego Silva 01 de Fevereiro, 2020 | 20:57
Apertem as boca de fumo, e acharão os culpados...
Lucia Paiva 01 de Fevereiro, 2020 | 20:56
Sexo por troca de drogas e dinheiro fácil! Eis o final....
Rosa 01 de Fevereiro, 2020 | 16:31
Fico pensando na mãe das garotas. Que Deus conforte as familias e amigos.
Flor de Maio 01 de Fevereiro, 2020 | 14:34
O diabo ajuda fazer, mas não ajuda esconder. Logo logo os assassinos estarão presos. Que Deus conforte as famílias enlutadas!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO