Turmas de escola em Santana do Paraíso serão remanejadas

No fim de 2019, o Estado de Minas Gerais informou que não ofertaria mais vagas para o 1º ano do ensino fundamental em 2020

Bruna Lage


Escola Estadual Herbert José de Souza Betinho é situada no bairro Cidade Nova

Nesta quarta-feira (15), o município de Santana do Paraíso recebeu a notícia da Superintendência de Ensino de que adequações seriam feitas e algumas turmas do Ensino Médio seriam remanejadas para o horário noturno, e que assim nenhum aluno do 1º ano do ensino fundamental ficaria sem vaga no ano de 2020 na Escola Estadual Herbert José de Souza Betinho, situada no bairro Cidade Nova. A informação é do governo municipal.

No fim de 2019, o Estado de Minas Gerais informou que não ofertaria mais vagas para o 1º ano do ensino fundamental em 2020. Tendo em vista a dificuldade do município em absorver tal demanda em um curto prazo de tempo, a prefeita Luzia de Melo iniciou tratativas com o Estado com o objetivo de reverter a decisão, buscando a manutenção das vagas para o ano de 2020 na Escola Betinho.

Tratativas

No dia 16 de dezembro de 2019, na 5ª Promotoria de Justiça foi realizada uma reunião, entre o Ministério Público, Município de Santana do Paraíso e Estado de Minas Gerais. Na referida reunião, a prefeita pontuou que o município não tinha condições de absorver a demanda e precisaria se organizar no ano de 2020 para no futuro poder ofertar as vagas do 1º ano do ensino fundamental no bairro Cidade Nova, pela rede municipal de ensino.

A seu turno, o Estado de Minas Gerais, por meio da Superintendência de Ensino, informou que disponibilizaria duas turmas para o 1º ano do ensino fundamental no ano de 2020 na Escola Betinho, totalizando 50 vagas. Na oportunidade, o Ministério Público, por meio da Promotora de Justiça, Graciele de Rezende Almeida, pontuou “que o processo de reordenamento de vagas pelo Estado de Minas Gerais não pode ocorrer em detrimento ao direito a educação de crianças, levando em consideração que o Município de Santana do Paraíso foi informado da drástica redução de vagas do 1° ano do EF apenas em outubro de 2019. Não é possível conceber que mais de setenta alunos migrem sem o planejamento devido para o município, já que não se trata de apenas de matricular os alunos, devendo ser a eles garantidas as condições adequadas de aprendizagem”.

Ato contínuo, o Ministério Público recomendou que o Estado de Minas Gerais fizesse as adequações necessárias, com a migração do 3º ano do ensino médio para o período noturno, para abrir novas vagas para o 1º ano do ensino fundamental.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Erica 16 de janeiro, 2020 | 23:32
Nunca se viu o estado de Minas Gerais, tão desorganizado com ideias novas sem condições de colocar em prática, como está história de transferir a responsabilidade do Estado para o Município. O partido Novo está pior que os antigos e pior ainda tem mais 3 anos de mandato o que mais bem por aí com ideias revolucionárias mirabolantes. O caos ficou foi pior com dívidas astronômicas e vem aumentando.
Gildázio Garcia Vitor 15 de janeiro, 2020 | 18:42
"Nunca antes na história deste" rico estado de Minas a Educação foi tão esculhambada. É o Partido Novo com suas novidades ultraliberais.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO