Sobem para nove as notificações de doença misteriosa em Minas Gerais

Força-tarefa atua na tentativa de identificar agente causador de doença misteriosa que já matou um homem e deixou outros oito hospitalizados


Mais duas notificações de uma doença misteriosa, que atinge homens, em Minas Gerais passaram a ser investigadas. Em sua maioria os pacientes são pessoas que moram ou que passaram pelo bairro Buritis, em Belo Horizonte. Um dos pacientes não resistiu e morreu, na terça-feira(7).

Os dois novos casos são de pacientes do sexo masculino e com idades de 56 e 64 anos, igualmente moradores do bairro Buritis.

Os novos pacientes em tratamento estão internados em um hospital privado de Belo Horizonte. Essa unidade médica comunicou o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs Minas), da Saúde estadual, nesta quarta. A doença tem notificação compulsória ao Estado.

Desde segunda-feira uma força-tarefa formada por técnicos da Secretaria de Saúde de Minas e do Ministério da Saúde tentam identificar o agente causador da doença e vasculham o comércio e pesquisam detalhes da alimentação e refazem o caminho dos pacientes nos dias que antecederam os sintomas da doença, até agora, sem conclusão alguma. Os exames laboratoriais estão sendo realizados na Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Nessa quarta-feira, um idoso de 76 anos, que estava internado foi retirado do grupo de contaminados por não apresentar os mesmos sintomas dos demais.

Portanto, o número oficial de casos da doença não identificada está em oito nessa quinta-feira. São nove notificações, com oito investigadas e uma descartada.

Uma dessas notificações resultou na morte de Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, que estava internado em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira.

Os outros pacientes estão todos na Grande BH: um em Nova Lima e o restante em hospitais privados da capital mineira.

Fique atento aos sintomas

Os pacientes cadastrados até agora começaram a apresentar os sintomas da doença misteriosa em dezembro, logo após o Natal.

Os problemas de saúde começaram com náusea, vomito e dor abdominal. Depois os pacientes sofrem insuficiência renal aguda de evolução rápida (em até 72 horas) somada a alterações neurológicas, como paralisia facial e descendente, borramento visual, amaurose (perda da visão parcial ou totalmente) e alteração de sensório.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO