Restaurante Popular dará lugar à Secretaria de Assistência Social

O valor previsto pela emenda, para o restaurante em 2020, era de R$ 500 mil, ela continha ainda itens como educação inclusiva, Educação de Jovens e Adultos, dentre outros

Arquivo DA


Espaço recebeu milhares de pessoas ao longo do período em que esteve em operação

Em reunião extraordinária realizada na Câmara de Ipatinga, nesta terça-feira (10), o líder de governo, vereador Sebastião Ferreira Guedes (PT), anunciou que o Restaurante Popular não será reaberto, por falta de verba. O espaço será ocupado pela Secretaria de Assistência Social. Uma emenda chegou a ser apresentada por Lene Teixeira, sua colega de partido, visando recursos para o equipamento, mas foi rejeitada em plenário. A informação foi dada durante discurso do líder, na tribuna, antes da votação do Projeto de Lei 130/2019, referente ao Plano Plurianual (PPA), uma das peças que compõem o orçamento municipal.

“A emenda da colega vereadora Lene altera o PPA e reduz o investimento em publicidade, também direciona recurso para o extinto Restaurante Popular. Quero informar a todos que o antigo restaurante vai se transformar na Secretaria de Ação Social e o orçamento da pasta vai para lá. Esse restaurante não vai funcionar mais, até porque não tem recursos para isso. Foi uma coisa muito boa quando criou, mas o governo federal ajudou a construir, entregou para os prefeitos e tchau, não tem dinheiro para fazer manutenção. No governo passado foi investido R$ 600 mil para reformar o prédio, todo reestruturado, mas não teve dinheiro para botar para funcionar e agora vai virar Secretaria de Ação Social. Peço voto contra a emenda, que não ajuda em nada”, pediu Guedes aos demais parlamentares.

Lene pediu a palavra e apontou que, caso fosse pensada uma política de segurança alimentar em Ipatinga, o restaurante deveria ser reativado. “Cresce a informalidade do trabalho aqui no Centro e cada vez mais pessoas procurando formas alternativas de sobreviver. Meu desejo é que voltasse a operar para atender a população que mais necessita desse tipo de políticas públicas. Fica a critério de cada um o voto, mas peço que votem sim”, apelou.

O placar foi de dois votos pela aprovação da emenda e 13 contrários. Já o projeto 130/2019 foi aprovado em segunda votação. O valor previsto pela emenda, para o restaurante em 2020, era de R$ 500 mil, ela continha ainda itens como educação inclusiva, Educação de Jovens e Adultos, dentre outros.

Fechado
Inaugurado em 2007, com verbas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à fome, o restaurante foi fechado em 2012, no governo Robson Gomes, por falta de repasses de recursos e condições básicas de funcionamento e segurança dos usuários. Desde seu começo a refeição subsidiada chegava à mesa dos usuários custando R$ 1. Com o corte orçamentário do Governo Federal, o restaurante ficou sem manutenção e foi interditado pelo Corpo de Bombeiros. Todo os equipamentos e vasilhames foram carregados por pessoas em situação de rua, que ficam nas proximidades. O prédio também foi duramente depredado.

Em 2015, foi iniciada uma reforma para as adequações exigidas pelos bombeiros. A empresa vencedora da licitação foi a Delta Engenharia e o custo aproximado da obra foi de R$ 515 mil. À época, o governo municipal informou que, apesar de básica, a reforma habilitou o restaurante para o pleno funcionamento. Mas o governo chegou ao fim e o equipamento não foi colocado em operação. Sem utilização depois da reforma, o espaço foi novamente alvo de vandalismo e depredação. (Bruna Lage - Repórter)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Crisaries 12 de Dezembro, 2019 | 21:41
Esse restaurante já virou piada, rouba, reforma, rouba. Impressionante inventam cada pasmaceira pra desculpar a incompetência. Tá certo nós eleitores desse povo que está aí, não merecemos comer mesmo não, como já disse um influente filho de secretário temos que encarar o SUS-to.
Tal secretaria certamente lá não permanecerá, mais dinheiro do povo se escorrendo pelo ralo. Tem nada não depois reforma tudo de novo, compra estufas, fogões etc e volta com o restaurante. Eita nós. Viva nosso prefeito e nossos vereadores omissos, cordeiros do DEUSO.
Helena A.nogueira 12 de Dezembro, 2019 | 00:21

NOS GOVERNOS ANTERIORES VIERAM VERBAS, VOLTARAM VERBAS .. E FALARAM QUE IRIAM REABRIR. FORAM LÁ REFORMARAM E NADA... E AGORA DIZEM NÃO TER RECURSOS.
LEMBRAM NA GESTÃO DE UMA PETISTA ? O RESTAURANTE FOI REABERTO ?
GASTARAM DINHEIRO PÚBLICO ATOA...... FEZ O IPATINGUENSES DE BOBOS....
MAS CREIO EU, OS ELEITORES ESTÃO MUDANDOOO ... QUEM QUISER SER REELEITO QUE NÃO SEJA CORRUPTO E NEM APOIEM CORRUPTOS,NEM FORMADORES DE QUADRILHAS, NEM CACHACEIROS QUE INDUZ UMA NAÇÃO AO CAOS... O BRASILEIRO ACORDOU!

Valéria 11 de Dezembro, 2019 | 23:59
Fico imaginando como será que os moradores de rua fizeram pra carregar aqueles balcões, as mesas, os pratos, talheres, fogões, refrigeradores, etc.. Já que na matéria consta que "Todos os equipamentos e vasilhames foram carregados por pessoas em situação de rua..." Deve ter sido em seus caminhões, caminhonetes, ou no braço mesmo!
Mauro Souza Gomes 11 de Dezembro, 2019 | 21:24
Recentemente encontrei o Prefeito Nardielo Rocha no Iguaçu ressaltando que muito antes dele entrar para a política fomos colegas de ferramenta trabalhamos juntos na mesma seção na Usiminas . Durante um papo e outro fiz um pedido que acredito seria bom para todos . A Unidade do SAM que hj oprera no iguacu trás um transformo enorme por ser um local de dificil acesso . O que ouvi dele é que estaria tentando levar essa unidade para o antigo Restaurante Popular pelo visto,quem depende do SAM vai ter que continuar sofrendo para chegar até o atendimento.
Adélia 11 de Dezembro, 2019 | 18:13
Depois de gastarem dinheiiiiiris dos impostos da população para reforma do "restaurante popular", vulgo, dinheiro para reembolso próprios e para campanhas, agora, querem dar de preocupados com a população que não tem onde se alimentar por um preço mais acessível!!! Poupem-nks, Vereadores, que dizem nos representar!!!! Só agora lembraram que o povo precisa comer? O 'pandu' de vcs está cheio, não é mesmo? Quanta hipocrisia! Quanto tempo não passam pela Rua Aimorés, no Novo Centro? Tenho "algumas fotos", se quiserem!!!! Há muiiito tempo sabem desta depredação e NADA FIZERAM!!! PARA QUÊ, NÃO É MESMO? O dinheiro não sai do bolso de vcs, pois, o que sai, os pagamos com Muiiiiitos Juros, sem retorno de Serviço!!!!
Souza 11 de Dezembro, 2019 | 16:40
Vergonhoso, deixaram literalmente abandonado após a reforma, agora querem arrumar um jeitinho de aproveitar o que resta do local, virou morada, abrigo, até garagem, porque não ocuparam o local quando estava tudo arrumadinho, descaso com dinheiro público.
Geri Vaz da Silva 11 de Dezembro, 2019 | 10:08
na realidade um governo que não manter um restaurante popular apenas subsidiando é o cúmulo ano que vem vamos lembrar deles na urna e fazer uma limpeza dinheiro pra embelezar cidade e restaurar coisas velhas e inúteis eles tem

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO