Os Cordéis dos Cafundó

Projeto cultural fecha atividades de 2019 com apresentação de espetáculo

Nesta segunda-feira (9), o Grupo Parangolé chega à última etapa do projeto Cordelizando, com apresentação gratuita em Ferros (MG) do espetáculo cênico-musical Cordéis dos Cafundó e de esquetes teatrais encenadas por alunos da rede pública do município. A abertura será às 13h30, no Centro Cultural Roberto Drummond, e a classificação indicativa é livre.

De fevereiro a dezembro de 2019, contando com o patrocínio da Cenibra e o apoio das secretarias municipais de educação das cidades visitadas, o projeto Cordelizando promoveu a pesquisa e produção da literatura de cordel.

Para isso, envolveu cerca de 2.000 alunos e professores da rede pública em oito municípios de Minas Gerais: Santa Maria de Itabira, Córrego Novo, Bugre, Santana do Paraíso, Coroaci, Sabinópolis, Ferros e Santo Antônio do Itambé.

Maira Cabral/Divulgação


O espetáculo mistura literatura, teatro e música
O Brasil é o único país em que a cultura do cordel ainda se mantém viva. Na primeira metade do século passado, o cordel era o jornal do sertão, levava os temas sociais e políticos para os grotões, à maneira popular. O cordelista é uma espécie de cronista de seu tempo.

Apesar de sua força ainda vir e estar no Nordeste, muitos desses poetas se espalharam pelo país, explica o contador de histórias Rodolfo Alexandre Cascão Inácio, mais conhecido como Cascão, fundador do Grupo Parangolé.

Com 20 anos de atuação em arte-educação, o Grupo Teatral belo-horizontino Parangolé Arte Mobilização propõe, a partir do Cordelizando, difundir a literatura de cordel para o contexto escolar.

“A perspectiva de apresentar a poesia e a força dessa forma de narrar, sua história, as técnicas de criação e declamação, despertando de forma lúdica o gosto pela escrita e a leitura, é revolucionário. Agora, se ao fim de tudo surgirem cordelistas, só a experiência dirá”, diz Cascão.

Professores e alunos
Os professores em cada cidade participaram de oficinas pedagógicas de criação de cordel com a assessora pedagógica Sirlene Alves e o artista Cascão, Por sua vez, os alunos tiveram de teatro com o ator Lucílio Gomes, do Parangolé.

A literatura de cordel começou a fazer parte do cotidiano dos alunos, nas aulas de português, história e geografia, integrando professores, assessores pedagógicos, diretores e secretarias. Os cordéis criados em sala de aula foram roteirizados pelo Parangolé e transformados em pequenos esquetes, encenadas pelos alunos no evento final.

Em “Cordéis dos Cafundó”, Cascão se apresenta acompanhado dos músicos Débora Costa, Thiago Gazzineli, Christiano de Souza, Cassiano Patrocínio, Augusto Cordeiro e Sarah Assis.

O espetáculo mistura literatura, teatro e música, e tem como fio condutor um caixeiro viajante ao qual Cascão dá vida, e que chega a uma cidade grande e vê confrontadas suas noções de mundo com a overdose urbana e tecnológica da metrópole.

Para sobreviver, ele vende raízes, brinquedos e folhetos de cordel. A peça cênico-musical tem como foco o público pré-adolescente, adolescente e jovem, visando melhorar o desempenho escolar e a sociabilidade através da arte.

SERVIÇO:
Projeto Cordelizando
Evento final em Ferros (MG)
Segunda-feira (9) – 13h30
- Apresentação de esquete teatral dos alunos
- Apresentação do espetáculo Cordéis dos Cafundó
Centro Cultural Roberto Drummond
Rua Fernando Dias de Carvalho, 98 - Centro
Informações: https://www.facebook.com/cordeisdoscafundo/
https://www.instagram.com/cordeis_cafundo/
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO