Colocação de DIU é oferecida gratuitamente em Coronel Fabriciano

Segundo o balanço da secretaria, já foram realizados 46 procedimentos até o mês de outubro

Divulgação


A paciente interessada em colocar o DIU de cobre deve ter em mãos o exame preventivo de pelo menos seis meses e teste negativo de gravidez

A Secretaria de Governança da Saúde, disponibiliza, gratuitamente, o Dispositivo Intra Uterino (DIU) de cobre para as mulheres do município. O método contraceptivo foi inserido em meados deste ano e faz parte do Programa de Atenção Integral à Saúde da Mulher.

Segundo o balanço da secretaria, já foram realizados 46 procedimentos até o mês de outubro. O titular da pasta, Ricardo Cacau, ressalta que a implantação do serviço é mais uma iniciativa do governo visando o bem-estar e a saúde da mulher. “A implantação do DIU vem para fortalecer o planejamento familiar, que é uma estratégia voltada para melhorar as condicionantes da família e da mulher”.

A paciente interessada em colocar o DIU de cobre deve ter em mãos o exame preventivo de pelo menos seis meses, teste negativo de gravidez e estar em perfeito estado de saúde, informa a secretaria. Os pedidos serão encaminhados ao Centro de Especialidades e Programas de Saúde (CEPS), avaliados e agendados.

DIU de cobre
O DIU de cobre é um método contraceptivo em forma de “T”, que é colocado dentro do útero da mulher para impedir que ocorra uma gravidez. Revestido com esse metal, o dispositivo tem a função de liberar o cobre no útero e deixar a região hostil ao espermatozoide.

“Uma vez que o DIU de cobre não envolve hormônios, geralmente, tem menos efeitos colaterais, como alterações de humor, peso, diminuição da libido. O método pode ser implantado em várias mulheres, como aquelas que já tiveram trombose”, ressalta a ginecologista e obstetra da rede municipal de Saúde, Débora Esteves de Sá.

De acordo com o Ministério da Saúde, o DIU de cobre tem 99,3% de eficácia. Entre suas principais vantagens estão: não ser abortivo, não causar câncer, não alterar o ciclo menstrual, não causar infecção e não deixar a mulher infértil após descontinuar o uso. O Ministério reforça que o método é contraindicado para gestantes e pacientes com tratamento oncológico.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO