Anunciada construção de 171 muros de arrimo em Ipatinga

Administração confirma investimentos de mais de R$ 3 milhões nas primeiras 44 obras para socorrer pontos críticos

Secom PMI


Prefeito Nardyello Rocha fez a assinatura simbólica das obras na manhã de ontem

Começou na manhã desta terça-feira (5) a execução do programa Nova Ipatinga, por meio do qual serão construídos mais de 170 muros de arrimo para socorrer áreas de risco em todo o município. Com a presença do prefeito Nardyello Rocha e vereadores da base governista, o trabalho de recuperação de encostas foi iniciado por pontos considerados mais críticos: a rua Amós, no bairro Canaãzinho e a rua Tupis, no Iguaçu.

Por meio da aprovação de lei autorizativa na Câmara, o município contratou empréstimo junto ao Finisa - Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento para socorrer moradores em diversas regiões da cidade. Inúmeras casas e até mesmo prédios têm estado permanentemente em situação de perigo, devido ao desmoronamento de ruas, com ameaças de agravamento do quadro a cada período chuvoso, aponta o governo. As primeiras ordens de serviço assinadas dizem respeito a 44 muros de contenção, com investimentos superiores a R$ 3 milhões. A responsabilidade de execução é da empresa Século Engenharia, vencedora de concorrência pública.

Durante a abertura dos trabalhos, o prefeito disso que dentro de mais uma ou duas semanas, devem ser iniciadas as obras de recapeamento de 60 quilômetros de asfalto, contemplando mais de 100 vias públicas em toda a cidade.
A previsão da administração municipal é de que, caso o tempo ajude, as obras iniciadas nas ruas Amós e Tupis fiquem prontas até março de 2020.

Esperança
Quem ficou feliz com a notícia foi Ronan Peres Rodrigues, que mora em um prédio bem em frente do ponto mais destruído da rua Amós. Conforme explana, são vários anos de sofrimento e insegurança dele e da família. “Quando vem uma chuva forte, a gente não consegue dormir. Meu filho de nove anos é o que mais pena com a situação. Diz que não consegue pegar no sono por temer que a casa caia. A gente já presenciou várias situações aterrorizantes aqui, como um amigo meu que caiu no buraco com três botijões de gás”, conta.

Na rua Tupis, no bairro Iguaçu, o asfalto cedeu há anos, provocando uma cratera na lateral da via, que teve sua pista arruinada pela metade em certo trecho. Alguns motoristas se arriscam a passar pelo pedaço de asfalto que restou, mas acabam disputando espaço com os pedestres, ciclistas e motociclistas. A situação ainda coloca em perigo os moradores que vivem na parte baixa da rua, temendo que o barranco continue a ceder e a terra invada e destrua suas casas.

Elza Maria da Silva é moradora do local há mais de 50 anos. Ela conta que há duas décadas os residentes aguardam ansiosamente pela solução do drama. “A comunidade é muito prejudicada com a falta desse muro. As verbas dos antigos Compor (Congresso Municipal de Prioridades Orçamentárias) e Orçamento Participativo, nós nunca vimos. Agora, estamos muito satisfeitos com o lançamento dessas obras. Cremos que de fato elas já estão acontecendo e vão trazer mais bem-estar e segurança para todos”, afirmou.

Reconhecimento
Durante a assinatura simbólica das ordens de serviço, nesta terça-feira (5), o prefeito Nardyello Rocha agradeceu os vereadores que compõem a base governista por votarem favoravelmente ao projeto que permitiu o financiamento de R$ 73 milhões feito junto à Caixa Econômica Federal, por meio do Finisa. “Os dois vereadores que votaram contrários – mencionou o Executivo – e chegaram a dizer que as obras são eleitoreiras, é porque não conhecem a realidade da população. As crateras estão aí, gigantescas, sinalizando que na verdade estes serviços nem são para hoje, não, mas para ontem”, apontou.

Vitória para a população
Divulgação


Vereador Adiel Oliveira exaltou a importância das obras para o município

Para o vereador Adiel Oliveira (PV), a assinatura da ordem de serviço é uma vitória para a população do Iguaçu. “Valeu a pena lutar. Esse muro de arrimo da rua Tupis é uma das obras mais aguardadas aqui no bairro devido ao transtorno que causa para os moradores do alto. Levamos esse problema para ao executivo em diversas ocasiões e não se via uma solução a curto prazo, devido a dificuldade financeira que o município tem passado. Essa obra já entrou no Compor em anos anteriores, e já foi até iniciada em administrações passadas, ficando pelo caminho e desiludindo todos que passavam aqui pela rua Tupis. Durante o início do ano levantamos para o prefeito Nardyello Rocha as prioridades de cada regional e os principais gargalos do município. Posteriormente o executivo contemplou no Projeto de Lei que autorizava abertura de crédito FINISA com inúmeras intervenções na cidade. Ao chegar na Câmara, o Projeto que ficou conhecido como “Nova Ipatinga”, vimos que esses gargalos estavam sendo contemplados. Nessa hora tínhamos a convicção que essa obra finalmente iria sair do papel”, disse.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Gilvan da Silva 05 de Novembro, 2019 | 23:16
Ola cara fico a pensar q governos q tem na cidade de ipatinga faz d conta q faz pra uma maioria e a minoria nao conseque nada somos 5 moradores apenas q pagam iptu tem seus imoveis registrado so que somos poucos e uma obra d colocar broquete afastar tampar umas canaletas isso e dificil pra administracao d ipatinga e somos prejudicados ao estremo so projeto teve 3 q aparente nao concluirao sabe q nos moradores fazemos faz o q a prefeitura nao faz cuida e mantem um local q e de responsabilidade da prefeitura,ah quando fala em vitoria do iguacu a obra q falo surgiu antes da tupis sem palavras queria q alguem olhasse pra tapajos mais conhecido como escadao e q a prefeitura e seus responsaveis faz vista grossa.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO