As características de pessoas que não guardam dinheiro e o que fazer para mudar isso

Ricardo Hiraki Maila *

"Readeque os seus hábitos, troque a caminhada pelo shopping por um passeio parque público"

É comum ouvirmos as pessoas comentarem que conseguiram o tão sonhado aumento de salário mas, mesmo assim, não conseguem salvar dinheiro no fim do mês ou até que terminaram de pagar a prestação do carro e não sobra nada, além do famoso "não faço ideia para onde o meu pagamento vai".

Após atender muitas pessoas com esses mesmos problemas, ficou mais simples identificar quais foram os erros e quais são os métodos para melhorar as habilidades para salvar as finanças dessas pessoas. Por isso separei os pontos mais em comum que notei entre elas: Não conhecem o próprio orçamento - É muito grande a fatia das pessoas que não sabem o quanto ganham no mês ou ano. Já notaram como os estadonidenses, por muitas vezes, falam sua receita anual? Pois é, eles sabem em detalhes seu orçamento.

A primeira coisa que sugerimos é que planejem o mais próximo da realidade as receitas e despesas previstas para os próximos 24 meses. Coloque mês a mês as receitas (se for variável trabalhe de modo conservador), também as despesas fixas e suas dívidas parceladas. E o consumo variável, esse que é o grande vilão, coloque um teto máximo de gasto que possibilite ter espaço ainda para seus objetivos, que é a salva dinheiro.

Não tem prioridades - Não basta organizar e planejar o orçamento, depois enxugar os supérfluos, se no fim não dará maior importância ao que é mais relevante. Se deixar para guardar somente no fim do mês, isso é, se sobrar, as chances são grandes de ocorrer mais uma decepção consigo mesmo. Significa que depois de saber o quanto quer ou precisa salvar, execute isso logo quando for possível, nas primeiras entradas de receitas.

Não sabem onde gastam - Após viabilizar os dois itens anteriores, é importante também saber exatamente onde gasta. Especialmente o consumo variável (lembra do vilão?). Anote e classifique em categorias tudo o que consome, para que em meses futuros possa olhar o passado e readequar os hábitos. Talvez parte da solução venha na troca do caminhar pelo shopping pelo parque público.

Não tem uma proposta pessoal de mudança e evolução - São dois em um aqui. É preciso mudar hábito como esses listados acima, como também é preciso mudar com algo planejado. Planejar não significa que ocorrerá de fato, mas que está trabalhando para aumentar as possibilidades. Então, uma mudança que é óbvia, mas que facilita tudo, é aumentar as receitas. Não é simples, porém, investir em educação, ter tempo para tentar coisas novas, focar em suas atividades etc podem abrir novos oportunidades.

Não tem motivação - Não estamos falando de pessoas que já refletiram muito sobre e preferem não fazer a salva; mas sim daqueles que desejam juntar dinheiro, mas ainda não viram motivação. Sempre digo que a sensação de segurança é ótima, por exemplo: saber que no momento mais delicado da velhice terá um relativo conforto aposentado; se houver uma situação inesperada como perda de emprego pode ser manter com o uso da reserva; ter dinheiro salvo gerando uma segunda fonte de receitas etc. Tudo isso pode ser motivação, mas cada pessoa precisa se conhecer e estabelecer seus objetivos.

* Administrador, pós-graduado em gestão financeira pela FGV e pós-graduado em gestão de negócios pelo Mackenzie

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO