Navio grego é suspeito de ter vazado óleo no Nordeste

Investigação da Polícia Federal aponta que vazamento teria começado a 700 quilômetros da costa brasileira

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira (1), uma operação que trata um navio de bandeira grega como o principal suspeito de ser a fonte do vazamento de óleo que atinge, desde setembro, o Nordeste brasileiro e já contaminou mais de 250 praias.

Os investigadores da PF dizem terem conseguido achar a localização da mancha inicial de petróleo em águas internacionais, a aproximadamente 700 quilômetros da costa brasileira.

O caso já é tratado com uma catástrofe ambiental cujos impactos superam estragos dos rompimentos das barragens da mineração ocorridos, em Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais.

A partir da localização da mancha inicial – o derramamento teria ocorrido entre os dias 28 e 29 de julho – foi possível identificar o único navio petroleiro que navegou pela área suspeita.

Por meio do uso de técnicas de geointeligência e cálculos oceanográficos regressivos, chegou-se então a um navio de bandeira grega, que transportava óleo proveniente do terminal San José, na Venezuela, com destino à África do Sul.

"Imagens de satélite... apontam esse navio como principal suspeito”, afirmou em nota a Marinha brasileira.

A Marinha disse ainda que o óleo coletado nas praias do litoral nordestino foi submetido a análises em laboratórios que comprovaram ser originário de campos petrolíferos da Venezuela.

Estudos feitos pela Petrobras e pela Universidade Federal da Bahia já haviam apontado que o óleo que chegou à costa do Nordeste foi produzido na Venezuela.

Além disso, um estudo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) que sugeriu que as manchas de petróleo podem ter origem em um grande vazamento abaixo da superfície do mar.

As investigações da PF tiveram início em meados de setembro deste ano e ocorreram em ação integrada com a Marinha do Brasil, o Ministério Público Federal, o Ibama, Agência Nacional do Petróleo, a Universidade Federal da Bahia, Universidade de Brasília e Universidade Estadual do Ceará. Uma empresa privada do ramo de geointeligência também colaborou.

"O navio grego está vinculado, inicialmente, à empresa de mesma nacionalidade, porém ainda não há dados sobre a propriedade do petróleo transportado pelo navio identificado, o que impõe a continuidade das investigações”, afirmou a PF em comunicado.

Nesta sexta-feira, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro, expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal/RN, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil.

Não há informações sobre quem seria o responsável pelo petróleo abastecido na Venezuela. Foram solicitadas diligências adicionais à Interpol para buscar dados adicionais sobre a embarcação, tripulação e empresa responsável.

O Ministério Público Federal (MPF) afirmou, em comunicado, que a embarcação investigada pela PF ficou quatro dias retida nos Estados Unidos devido a "incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga do mar".

Segundo o MPF, "há fortes indícios de que a (empresa), o comandante e tripulação do navio deixaram de comunicar às autoridades competentes acerca do vazamento/lançamento de petróleo cru no Oceano Atlântico”.

O último boletim do Ibama, da quinta-feira última, indica que 286 locais em 98 cidades do Nordeste foram atingidos pelas manchas de óleo.

As manchas de óleo de origem desconhecida que atingem o litoral do Nordeste desde setembro começaram a aparecer na região de Abrolhos, que abriga o arquipélago homônimo, no sul da Bahia, e a maior biodiversidade marinha de todo o Atlântico Sul. Especialistas preveem uma catástrofe ambiental se o óleo chegar até ali.

A ONG Conservação Internacional relata ter encontrado óleo, nesta semana, em Canavieiras, Belmonte e Santa Cruz de Cabrália, na região de Abrolhos, que engloba o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos e compreende os ecossistemas marinhos e costeiros entre a foz do Rio Jequitinhonha, em Canavieiras (BA), e do Rio Doce, em Linhares (ES), além dos bancos marinhos de Abrolhos e de Royal Charlotte.

Criado em 1983, o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos abriga as cinco ilhas do arquipélago e ainda não foi atingido pelas manchas de óleo. A área é rica em corais e o principal berçário de baleias jubarte da costa brasileira. O turismo e a pesca na região são fonte de renda para cerca de 100 mil pessoas. (Com informações da Agência Brasil)

Já publicado

Sociedade de Dermatologia divulga orientações sobre manchas de óleo
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Jorge Luis Alves. 02 de Novembro, 2019 | 08:22
Nossa que historinha mal contada essa desse oleo QUE HISTORINHA MAL CONTADA...Quando eu falo que esse PAIS é um PAIS de M..... é por causa de um troço desses ..Agora a pergunta que não quer calar onde estava famosa MARINHA BRASILEIRA, ONDE ESTAVA E O QUE ESTAVAM FAZENDO A FAMOSA GUARDA COSTEIRA DESSA DROGA DE PAIS ? Pra mim isso é sinal de que eles fazem JÚS mesmo aos salarão que ganham....Em comparação COMO QUE VOCE NÃO PERCEBE QUE ALGUEM ENTROU NO SEU QUINTAL DEFECOU NELE E SÓ DEPOIS QUE O TROÇO COMEÇA A FEDER QUE VOCE VAI SE DAR CONTA...OLHA EU JOGO MEU DIPLOMA FORA SE NESSE ANGU NÃO TIVER MOSQUITO...

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO