Errar é Humano

Celso Estrella *

Ao longo dos anos o “errar é humano” tem servido de justificativa para incompetências. Muitas análises já foram feitas para as causas do erro humano e são realmente muitas as causas. Podemos citar: desconhecimento, distração, falta de habilidade, má vontade, etc. Hoje queremos comentar uma solução para reduzir boa parte dos erros humanos:

A palavra disciplina costuma ser associada ao Exército e obediência irrestrita ao comando e, com isso, torna-se antipática para muitas pessoas. Nossa proposta é ressaltar a disciplina como cumprimento de padrões, procedimentos, diretrizes e aí podemos encontrar exemplos significativos para qualquer ser humano.

Área médica: seguir os protocolos fielmente pode assegurar a cura enquanto o desrespeito aos mesmos pode acarretar a danos muitas vezes irreparáveis.

Alimentação: cumprir os POP’s no preparo e manuseio de alimentos evitando contaminação e doenças.
Gestão: respeitar as rotinas combinadas entre os setores e os procedimentos estabelecidos.

“O que é combinado não é caro” - Nos meus atendimentos como consultor do Sebrae (pequenas empresas) e em treinamento e consultoria a clientes particulares (empresas de médio porte), assim como na minha experiência de operário a executivo de grandes empresas, observo constantemente como a falta de disciplina conduz a graves prejuízos econômicos e morais.

Exemplos: Queda de cargas por mau uso de empilhadeiras ou empilhamento incorreto, acidentes graves, operadores que burlam normas de segurança (EPI, Sistemas de proteção), falta de pagamento de fornecedores mesmo tendo dinheiro em caixa para isso, perda de grandes quantidades de materia prima por não cumprimento dos processos, desagregação da equipe rotulando setores como “antipáticos” porque exigem o cumprimento dos procedimentos para atender às necessidades dos cientes internos. Valorização do “chefe bonzinho” que sempre desculpa os erros e difamação do “chefe estressado” porque vive chamando atenção pelos erros cometidos.

São apenas alguns exemplos que infelizmente prejudicam não só o próprio indisciplinado(a) como também a empresa e o próprio país. Pensem em nações de sucesso como USA, Japão, Alemanha, Suécia e vão lembrar que são conhecidos por sua disciplina, respeito às leis e qualidade de vida. E... dá para melhorar ?? Sim!

Basta usar o bom senso e não radicalizar. Temos que obter o comprometimento de cada colaborador da empresa. Para isso aproveitar as oportunidades de encontros e reuniões ou mesmo conversas individuais para sensibilizar as pessoas para as vantagens e benefícios da disciplina.

Mas, o mais importante é o exemplo pessoal, pois somos referência de comportamento para os que convivem conosco. Convido cada um a refletir sobre o tema e mudar seu comportamento.

Se você já é disciplinado(a), continue dando excelentes exemplos. Se você ainda não é disciplinado(a), estabeleça metas e procure fazer uma análise diária do seu comportamento e comprometa-se consigo mesmo a melhorar.
 
* Engenheiro Industrial especialista em Técnicas Japonesas de Gestão e diretor da CriaCorp-Desenvolvimento Empresarial www.criacorp.com.br
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Gildázio Garcia Vitor 25 de Outubro, 2019 | 13:59
Nunca aceitei que "Herrar é umano". Acertar que é Humano, quando erro, e erro muito, é o meu lado animal irracional que está no comando. Recentemente, em 16/9/19, em Malacacheta (MG), um médico foi realizar um procedimento cirúrgico, acredito, apesar de ser leigo no assunto, de pequena complexidade, que foi uma operação da fimose de um garotinho, e amputou o pênis dele.
Tião Aranha 24 de Outubro, 2019 | 21:51
Tenho observado que os países ditos de primeiro mundo chegaram onde chegaram pelo fato de terem colocado em primeiro plano a valorização da Educação de qualidade. Lá, eles investem de verdade na Educação. Em regra geral, o bom pai é aquele que consegue impor limites no filho, sem ser ditador.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO