Hibridus Dança em São Paulo

Grupo ipatinguense apresenta espetáculo infantil no SESC Santo Amaro

Nilmar Lage/Divulgação/ACS GHD

O novo trabalho artístico do Hibridus Dança, ‘Coisa é Tudo’, dirigido por Tuca Pinheiro, será apresentado neste sábado (19), às 17h, no SESC Santo Amaro, em São Paulo, dentro da programação do projeto Arte para Todos no mês da criança.

É a segunda vez que o grupo ipatinguense se apresenta no Sesc Santo Amaro. No ano passado o grupo apresentou o espetáculo Solos Hibridus no projeto Modos de Existir.

O espetáculo ‘Coisa é Tudo’ resultou de um compartilhamento do coletivo Hibridus e extensão do projeto "ENARTICinho". Muito mais que um projeto coreográfico, é um "projeto de conversas" com o público infantil. Conversas que acontecem no corpo e através do corpo.

Partindo das experiências subjetivas dos intérpretes/criadores do Hibridus, tem como proposta estabelecer um vínculo com o público de forma horizontal e democrática, em que a escrita coreográfica prioriza a fruição desse público infantil e a respectiva conexão com a família, com o outro, com as coisas e o tempo das coisas.

Nilmar Lage/Divulgação/ACS GHD

Essa “escrita coreográfica” aborda questões que dialogam com a contemporaneidade: memória, poder, diversidade, resistência, tolerância e aceitação com as diferenças, o direito à infância como o tempo de construir novas possibilidades, novas poéticas.

Um projeto concreto que não se distancia do lúdico, do fantástico, e pensa a dança como uma estratégia de convivência e comunhão permeada pela tolerância, generosidade, afetos, sem apontar verdades absolutas.

Coisa é tudo o que existe ou que pode ter existência real, abstrata ou imaginária. Algo que ainda não se sabe o nome específico. E se ainda não tem um nome, pode ser nomeado, pode existir. Tudo é a maior quantidade possível de coisas. E se essas coisas ainda não existem; podem ser inventadas, podem ser dançadas.

Podem voar e conviver sem pré-conceitos e sem preconceitos. É uma construção e visão de mundo onde todas as coisas ainda são possíveis, ou assim deveriam ser. Afinal, tudo é o possível. Tudo é a soma das experiências humanas ‘brincadas’ durante a infância, sem comparativos.

Nilmar Lage/Divulgação/ACS GHD

FICHA TÉCNICA:
Artistas: Francis Leine Silvestre, Luciano Botelho e Wenderson Godoi
Direção: Tuca Pinheiro
Assistência coreográfica: Patrícia Abreu (Lindinha)
Iluminação: Morrison Deolli
Cenografia e adereços: Hibridus Dança/Maria Cloenes
Figurinos: Vanuza Bárbara
Operação de som: Léo Coessens
Produção: Wenderson Godoi
Coordenação de Comunicação: Luciano Botelho
Registro fotográfico: Henrique Godoi e Nilmar Lage

SERVIÇO:
Coisa é Tudo
Sábado (19) - 17h
Praça Coberta - Sesc Santo Amaro
Rua Amador Bueno, 505
Santo Amaro, São Paulo (SP)
Classificação Livre
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO