O que fazer com os cães soltos pelas ruas?

Audiência na Câmara de Timóteo discute a necessidade de canil municipal

Em audiência realizada essa semana, na Câmara de Timóteo, foi debatida a necessidade de implantação de canil municipal e solução para coibir o crime de abandono de animais.

A iniciativa do vereador Wladimir Careca e do prefeito Douglas Willkys levou ao plenário da Câmara, representantes da causa de proteção animal e interessados para debater sobre o tema e democratizar o espaço para sugestões.

Estiveram presentes à audiência os vereadores Adriano Tibata e Leanir José de Souza (Zizinho), secretário de Saúde Eduardo Morais, representantes do Serviço de Zoonoses de Timóteo, representantes das Ongs Meu Amigo Cão e a antiga Associação de Proteção aos Animais do Vale do Aço (ASPAN), voluntários do Corpo de Bombeiros, alunos do curso de Medicina Veterinária da Unileste, proprietários de pet shops e voluntários da sociedade civil.

O prefeito Douglas Willkys propôs a discussão e contou que conhece pessoas que alugaram imóvel para servir de abrigo a cães e gatos e o mantêm por conta própria. “Hoje o município tem limitações legais para contratação de profissionais, além de problemas financeiros. Estamos fazendo uma provocação para podermos organizar melhor a estrutura pública”, afirmou.

A médica veterinária Shara Regina da Silva, referência técnica da Zoonoses de Ipatinga e atual presidente da Ong Meu Amigo Cão, expôs os pontos positivos e negativos acerca do funcionamento do canil/gatil municipal.

“A disponibilização de testes de Leishmaniose e vacina antirrábica gratuitos, o acolhimento de animais abandonados e orientação para adoção e guarda responsável, além do oferecimento de consulta simples sem custo são pontos muito positivos aliados ao trabalho incansável da equipe da zoonoses. Já, os altos custos para manutenção do canil/ gatil, as dificuldades do controle sanitário para evitar a transmissão de doenças e banalização da guarda responsável por parte dos proprietários que transfere responsabilidades e custos ao serviço público são alguns dos ítens negativos”, pontua. A veterinária citou ainda que são gastos cerca de R$80 mil anuais com ração e tratamento de animais acolhidos.

A protetora Luciana Viana, proprietária de pet shop no bairro Bromélias, é a favor da implantação do canil municipal com modelo de acolhimento e política de adoção. Ela contou que abriga cães abandonados e tornou-se referência pelo trabalho voluntário pela causa. Outra voluntária, Luana Ataíde B. Damato, integrante do Corpo de Bombeiros, expôs a dificuldade após o resgate de animais. “Cem por cento dos casos de resgate não tem estrutura para tal.

O município não dispõe de um local para receber os resgatados” frisa. Em alguns casos, Luana procura adoções por conta própria porque outros municípios não recebem cães recolhidos de cidades vizinhas. A ex integrante da ASPAN, Kenya Ferreira, se posicionou contra a construção de um canil municipal por entender que o modelo ideal está muito longe da realidade do município.

“A experiência vivida na ASPAN, cujos membros tinham comum acordo pela não criação de um abrigo, para que este não fosse transformado em “depósito” de animais, me mostrou isso. Recomendo que o município ofereça pelo menos um número de castrações por mês”, disse a voluntária.

“A adoção de medidas educativas sobre guarda responsável de animais domésticos é urgente no município. Sem esta responsabilização dos donos de cães e gatos nada vai caminhar, o canil poderá se tornar um problema de saúde pública. As leis têm que ser cumpridas”, falou o médico veterinário Milton Max Madeira de Oliveira, referência técnica da Zoonoses de Timóteo.

Ao final da audiência, foi proposta a formação de uma comissão para dar continuidade ao trabalho. Foram sugeridas ações de parceria com universidade regional, com outras cidades e possivelmente uma ação colegiada. Estudantes do curso de Medicina Veterinária da Unileste colocaram-se à disposição do município.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Mariana Alves Souza. 16 de Outubro, 2019 | 08:21
Estou convivendo com uma situação que não sei se é normal; pois uma vizinha que possui um imóvel desocupado perto da minha casa
resolveu alugar o próprio para abrigar cachorros de rua , e o pior que o lugar não tem nenhuma infraestrutura pra tal coisa e já tive informação que um cão que residia anteriormente neste imóvel sozinho.."digo sozinho porque a dona só ia ao imóvel pra tratar do bicho" foi vitima de Leishmaniose ...e fiquei preocupada pois tenho criança pequena em casa. E pelo o que eu pude constatar pela movimentação no local só alguns voluntários aparecem duas vezes por dia no local pra alimentar os animais..será que esses bichos estão devidamente vacinados...agora a pergunta que não quer calar será que se algum membro da minha família for infectado por alguma doença proveniente desses animais..a PREFEITURA vai arcar com o tratamento?

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO