Diretor do IFMG em Ipatinga destaca desafios com verba escassa

Entre os ministérios, o que teve maior liberação foi o da Educação, com R$ 1,99 bilhão

Wôlmer Ezequiel


Alex de Andrade ressaltou que o recurso programado para o campus avançado de Ipatinga, no início do ano, já não era suficiente

Mesmo com o anúncio do desbloqueio de parte das verbas do Ministério da Educação (MEC) para universidades e institutos federais, o valor liberado ainda pode não ser suficiente para pagar todas as despesas. O anúncio foi feito no dia 30 do mês passado, após o governo federal desbloquear R$ 8,3 bilhões do Orçamento deste ano.

Entre os ministérios, o que teve maior liberação foi o da Educação, com R$ 1,99 bilhão. Do total desbloqueado no MEC, as universidades receberão R$ 1,156 bilhão. Com isso, essas instituições, que tiveram em média 30% dos recursos discricionários bloqueados no início do ano, seguirão com 15% dessas verbas contingenciadas, conforme o ministro da pasta, Abraham Weintraub.

Em entrevista ao Diário do Aço, o diretor do campus avançado de Ipatinga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), Alex de Andrade, afirmou que, como a maior parte das verbas são destinadas às universidades, os institutos ficam ainda mais prejudicados. “Em relação ao campus avançado de Ipatinga, vale destacar que a nossa unidade já é deficitária. Ou seja, por mais que o desbloqueio tenha sido em torno de 100 mil, o que representa cerca de 15% do orçamento, o nosso recurso programado, desde o início do ano, não é suficiente para custear as nossas despesas básicas”, destacou.

Devido a esse baixo valor, o diretor Alex de Andrade acredita que não será possível desenvolver certos projetos de educação no campus ou ampliar os serviços oferecidos, já que parte desse desbloqueio das verbas não será suficiente para bancar as despesas necessárias do campus avançado até o fim do ano. “Infelizmente, esse valor não é significativo, não resolve o nosso problema, mas não simplesmente por causa da função do contingenciamento, mas também por causa da nossa unidade receber muito aquém daquilo que deveria receber. No entanto, o desbloqueio acaba sendo um ‘respiro’ para o nosso campus, que precisou adotar várias medidas de austeridade para fechar com o mínimo de déficit possível”, ressaltou.

Orçamento ideal
Em maio desse ano, o diretor do IFMG de Ipatinga já havia alertado acerca das dificuldades financeiras que o campus enfrentaria com o contingenciamento dos repasses, anunciado pelo governo federal na época. Conforme Alex de Andrade, o orçamento do campus avançado de Ipatinga é de R$ 650 mil, porém, esse valor ainda não é suficiente para todo o ano.

Para ele, o ideal era complementar a verba do campus avançado, uma vez que o orçamento necessário para o funcionamento de um Instituto Federal é de quase R$ 1,5 milhão.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Taurus 08 de Outubro, 2019 | 12:09
Se as empresas não pagarem a conta, com certeza a divida pública vai subir!!! Isto é fato, é só pegar os maiores devedores, ou seja, os grandes empresários que só querem tirar seu direito e vc bate palma!!! Vc está de parabéns!!!
Racional 08 de Outubro, 2019 | 08:44
SÉ ME RESPONDAM: DE QUANTO ERA E PARA QUANTO FOI A DÍVIDA PÚBLICA DE 2002 ATÉ 2018?. RESPONDA E SABERÁ QUEM É RESPONSÁVEL PELO QUADRO ATUAL.
Taurus 07 de Outubro, 2019 | 23:27
Arthur, realmente vc está dando uma de cego, de 2002 até o golpe político o Brasil foi uma verdadeira Venezuela, pois o pobre viu seu salário ter poder de compra, conseguiu adquirir algo, coisa que nunca tinha acontecido, realmente o país vai virar uma verdade Venezuela agora. Já que vc é um bom entendedor, vc já ouviu falar da carteira verde/amarela? Vc conhece direito beneficiário? Vc sabe o q é CLT e de onde ela veio? Vc sabe quem defendeu o direito do trabalhador? Realmente acho q vc não sabe nada disto, mais tudo bem, um dia, quando precisar, talvez fique sabendo!!!!
Arthur 07 de Outubro, 2019 | 12:12
Nao sou militar nem empresário... vamos fazer assim então, vai ali na Venezuela passar uma temporada para ver o que o desgoverno petista tentou botar no Brasil... a começar pela militontura formada nas escolas e universidades... o atual governo não é as mil maravilhas mas não me arrependo nem um pouco de não ter apoiado o oponente dele (vulgo fantoche de presidiário) no segundo turno... passar bem...
Taurus 07 de Outubro, 2019 | 07:21
Arthur, deixa de ser ignorante, vc esta vendo as trapalhadas que estão sendo feitas, me diga o que foi feito até agora de bom, me diga algum projeto que está sendo elaborado para não afetar a classe do trabalhador. Aliás, deve ser algum militar ou empresário para esta com esta mente fechada!!! Aceite que está arrependido que DOI menos!!!
Arthur 06 de Outubro, 2019 | 22:22
Taurus pq quando Lulapai e Dilmãe cortaram verba todo mundo ficou calado? Para a esquerdalhada até 2018 não tinha criminalidade, fogo na Amazônia, corte na educação... o Brasil era o paraíso para eles até a casa cair... HIPÓCRITAS!
Taurus 06 de Outubro, 2019 | 15:00
" Quem cortou a verba" adivinha? E aposto que vai ter gente para falar que isto foi necessário devido o roubo do PT!!!! O país estava tão bem e com este crime político está vendo o que está acontecendo!!!! Mais espero que vc eleitor do 17, não esteja arrependido!!!!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO