Ciclo Cênico Arte em Movimento

Projeto Cultural inicia uma nova fase de circulação

Gustavo Lyra/ACS CCAM


Nancy Nogueira, na oficina de Contação de História
Uma nova temporada de circulação do projeto Ciclo Cênico Arte em Movimento vai começar nesta segunda-feira (16). E a primeira cidade a receber o Carroção Cênico com o espetáculo teatral A Máquina do Tempo será Coroaci, com apresentação na Praça José Olegário dos Reis, a partir das 19h30. Também serão oferecidas oficinas de dança urbana, jogos cênicos, maquiagem e contação de histórias, todos com inscrição gratuita.

O Ciclo Cênico iniciou a circulação por cidades mineiras em 2018, levando arte e cultura a nove cidades. Agora inicia uma nova circulação com a apresentação de espetáculo e realização de oficinas, sempre com entrada franca.

Até novembro serão visitadas as cidades de Antônio Dias (Porteira Grande), Pingo D’Água, Córrego Novo, São Domingos do Prata, Peçanha, Alvinópolis (Fonseca), Santana do Paraíso (Ipabinha) e Guanhães.

Em A Máquina do Tempo, uma trupe de artistas mambembes viaja num carroção mágico. Na trama, três cientistas malucos inventam uma máquina do tempo para voltar ao passado e impedir que um incêndio devaste uma reserva florestal.

Gustavo Lyra/ACS CCAM


Maquiagem social e artística é com Rômulo Amaral
De forma lúdica e divertida, aborda os problemas causados por um incêndio e a importância de preservar o meio ambiente. O Dr. Sabe Tudo, a Dra. Explica Tudo e o Dr. Questiona Tudo utilizam o cordel para propor o tema a ser explorado a cada apresentação, de forma leve e divertida.

O espetáculo é multifuncional e tem várias possibilidades de composição textual, trabalhado a cada tema. Caracterizada como comédia Dell’arte, a peça pode levar à cena assuntos como conscientização e preservação do meio ambiente, folclore brasileiro e suas lendas, fatos históricos como Dia do Índio, Independência do Brasil, Semana da Água etc.

Claudinei de Souza assina a dramaturgia e direção do espetáculo, que tem no elenco Barbara Pavione e Leo Coessens, do grupo Coletivo Aberto, Didi Peres, do grupo Farroupilha, e Roberto Iokel, do Grupo Rizoma.

Gustavo Lyra/ACS CCAM


O público se diverte com as estripulias dos cientistas
Oficinas
O projeto também leva danças urbanas, jogos cênicos, maquiagem e contação de histórias aos locais por onde passa. A oficina de dança urbana é ministrada por Sílvio Martins, do Núcleo de Dança.

A oficina de Jogos Cênicos é ministrada por Bárbara Pavione, Roberto Yokel e Claudinei de Souza. Rômulo Amaral é o responsável pela oficina de maquiagem social e artística, e a contação de histórias fica a cargo de Nancy Nogueira.

Patrocinado pela Cenibra (Lei Federal de Incentivo à Cultura), o Ciclo Cênico Arte em Movimento tem apoio do Instituto Cenibra e das Secretarias de Educação e Departamentos de Cultura das prefeituras das cidades visitadas, Associação Pró-Cultura de Ipatinga (Aproc) e Grupo Boca de Cena. A realização é de Marilda Lyra e Ministério da Cultura.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO