Usiminas abre visitas para a comunidade

Podem participar crianças a partir de seis anos, desde que acompanhadas por responsáveis

Nilmar Lage


Nova edição do conhecendo a Usiminas promove visita lúdica à Usina de Ipatinga no próximo sábado

No próximo sábado (14), a Usina de Ipatinga abre as portas para mais uma edição do “Conhecendo a Usiminas” para comunidade interessada em acompanhar de forma lúdica o processo produtivo. Segundo a empresa, a programação dura cerca de três horas e são oferecidas duas opções de horário, às 8h e às 14h. Podem participar crianças a partir de seis anos, desde que acompanhadas por responsáveis.

A atividade é gratuita, mas tem vagas limitadas. Para participar é preciso realizar a inscrição pelo telefone 31.3824-3731.

O “Conhecendo a Usiminas” é uma das atividades do Projeto Xerimbabo Usiminas e integra a programação da Ação Educativa do Instituto Usiminas que conta com patrocínio da Usiminas, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Pronac 183774).

Os visitantes, conforme a siderúrgica, vão contar com auxílio dos mediadores da Ação Educativa do Instituto Usiminas durante a visita, que também dispõe de um intérprete de Libras (língua brasileira de sinais), para atendimento às demandas especiais.

Durante a visita, a atriz Raquel Vieira vai apresentar aos participantes a verdadeira jornada do carvão e do minério (heróis desta história) para se transformarem em bobinas de aço, perpassando por seus segredos e curiosidades. Após a visita, o grupo vai participar de uma oficina de pintura usando o agregado siderúrgico, material gerado em várias etapas da produção do aço, ministrada pela artista Rosane Dias.

Visita

A Instrutora de Libras, Claudia Mara de Souza, sempre quis conhecer a Usiminas. Ela teve a oportunidade de vivenciar esse momento, acompanhada do marido e da filha de 6 anos. Ela e o marido são surdos e foram acompanhados pela intérprete de Libras do Instituto Usiminas. “Eu gostei muito, foi uma experiência muito positiva. Durante o trajeto vi que tinha diversas áreas e diferentes tipos de atividades, fiquei fascinada. A empresa é muito grande em extensão, e isso me deixou impressionada. O mais importante pra mim enquanto surda, foi a presença da intérprete. Sem ela eu não conseguiria ir, foi uma oportunidade incrível. Durante todo o trajeto tivemos explicação com tradução. Eu quero voltar de novo”, relata.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Pedro Junior da Silva 13 de Setembro, 2019 | 19:49
Trabalhei 30 anos neta siderúrgica me aposentei em 2011, nunca durante estes anos levei algum filho meu
na área interna e olhe que antigamente era mais seguro agora do jeito que tá , vazamento de gás ,explodindo gasômetro, pelo amor de Deus cancelem esta visita enquanto a´tempo.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO