Setor supermercadista comemora crescimento acumulado de 2,38% em 2019

Superintendente da Associação Mineira de Supermercados enaltece a força do setor pelo crescimento acumulado das vendas nos últimos dois anos

Davison Lisboa


Setor varejista registra crescimento acumulado de 2,38% no ano

As vendas dos supermercados em Minas Gerais tiveram crescimento de 3,09% no mês de julho deste ano na comparação com o mesmo mês do ano passado. Em relação a junho, a variação foi positiva também e ficou em 0,78%. Os números são do Termômetro de Vendas, pesquisa mensal da Associação Mineira de Supermercados (AMIS) com empresas de todo o Estado.

O crescimento acumulado do ano, de janeiro a julho, frente ao mesmo período de 2018 ficou em +2,38%. Os resultados estão deflacionados pelo IPCA/IBGE.

A variação em julho sobre junho deste ano pode ser atribuída ao maior número de dias (31 contra 30) e porque o mês de julho não teve feriado, como ocorre em junho (Corpus Christi, dia 20) quando parte das lojas tem o horário de funcionamento reduzido.

O crescimento sobre o ano passado reflete a melhora, ainda que lenta, do ambiente econômico e dos índices de emprego, sobretudo como o bom desempenho de Minas Gerais, que representou 24% (10.609) dos 43,8 mil postos de trabalho gerados no País.

Exclusiva
Dione Alves


Presidente Antônio Claret Nametala

Em entrevista exclusiva a Negócios Já! o superintendente da Associação Mineira de Supermercados, AMIS, Antônio Claret Namatela, falou da confiança do empresário justificada pela geração de mais de 7.300 emprego e investimentos previstos da ordem de mais de 520 milhões pelas empresas em até 70 novas lojas em 2019.

“Se considerarmos o crescimento real de 2,98% de 2018 em relação a 2017 e até o 7º mês do ano acumulados em 2,38% podemos afirmar que são sinais emitidos de recuperação da economia ainda que lenta, mas que faz-nos acreditar na força do setor supermercadista no contexto nacional. A meta para 2019 é de 4% e estamos otimistas em relação a isso”, observa Claret.

Emprego

Perguntado sobre o esboço das medidas do ministério da economia, uma espécie de “Plano Guedes” antecipado pela Folha de S. Paulo na sexta-feira (6) ele até o momento da entrevista não teve acesso aos detalhes mas afirmou que qualquer medida que possibilite dinheiro novo para o brasileiro, como recentemente a liberação do saque de até R$500 do FGTS, seguem dois caminhos naturais: o primeiro o pagamento de dívidas e o segundo a melhoria no consumo e, segundo ele, nesse caso, começa pelo setor alimentício. “Isso reflete, consequências, como a ampliação de vagas de emprego” comemora o executivo.

Cautela

Indagado sobre a atuação do governo Bolsonaro afirmou que como característica do mineiro é esperar, observar, dar tempo para que as medidas reflitam nos resultados esperados. “as reformas são fundamentais para a melhoria do ambiente de negócios e maior atratividade do investimento estrangeiro. Acreditamos que a da Previdência já está bem encaminhada e vamos esperar que a tributária vá pelo mesmo caminho”, justifica o executivo.

Regiões

Considerando o desempenho regional, o maior crescimento sobre junho ocorreu no Triângulo/Alto Paranaíba, com 1,93% e o menor foi verificado na região Central com 0,23%. Todas as regiões registraram variações positivas.



Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO