Improdutivos

Fabrício Pereira

Divulgação


Fabrício Pereira
Quando o Atlético precisa disputar jogos decisivos, em que as vitórias são fundamentais para a equipe mostrar de vez que está rumando firme para conquistar uma taça, o time entra dispersivo nos jogos ou alguma coisa alheia impede a vitória.

Foi assim contra o Athlético Paranaense e também na última terça-feira (20). Foi assustador ver como os jogadores atleticanos entraram desatentos num jogo de mata-mata, contra um adversário razoavelmente organizado em campo, mas sem nenhuma tradição no futebol.

É inadmissível um time sofrer um gol com menos de cindo minutos de jogo, ainda mais quando o gol fora de casa tem um peso bem maior. A dificuldade para virar um jogo acaba se tornando muito grande, seja ele qual for o adversário. E esse gol vai fazer o time sofrer demais na Colômbia, na próxima terça-feira (27).

Um exemplo recente disso aconteceu com o tradicional Independiente, time copeiro da Argentina e sete vezes campeão da Copa Libertadores, que foi eliminado pelo modesto Independente Del Valle, do Equador. Motivo: Estava vencendo o jogo em casa por 2x0 e, por uma desatenção no fim da partida, levou um gol. No jogo de volta, os equatorianos fizeram 1x0 e eliminaram os argentinos.

É bom colocar as barbas de molho, uma vez que o elenco do Atlético é recheado de jogadores que nunca decidem em grandes jogos, como são os casos de Ricardo Oliveira, Chará, Cazares e Fábio Santos. Aliás, como serão poupados neste sábado (24), às 11h, no Estádio Independência, diante do bom time do Bahia, penso que o Galo estará reforçado.

Apesar dos excelentes números que o time amealha este ano - foram 50 jogos até aqui na temporada, com 29 vitórias, nove empates e 12 derrotas, 64% de aproveitamento -, eles não são contundentes. O Galo perdeu o Campeonato Mineiro, fez uma campanha horrível na Libertadores, foi eliminado pelo seu maior rival da Copa do Brasil e agora corre um risco desnecessário na Sul-Americana, onde chegar à decisão, pelo elenco caro e pela tradição do clube, é uma obrigação. Afinal, se passar pelo La Equidad, vai enfrentar na semifinal o pouco tradicional Colón, da Argentina.
 
Reação
O Cruzeiro obteve uma importante vitória contra o Santos. Agora precisa derrotar os dois próximos adversários, o CSA, neste domingo (25), em Maceió, às 17h, e depois o Vasco da Gama, no Mineirão, ambos concorrentes diretos na luta contra o rebaixamento. Neste caso, fazer seis pontos é obrigação.

Porque em tese, na sequência, para fechar o turno, o time terá dois confrontos muito mais difíceis pela frente, jogando contra o Grêmio, em Belo Horizonte, e contra o Palmeiras, em São Paulo. É muito importante terminar o primeiro turno com no mínimo 23 pontos, metade da pontuação que precisará para não correr nenhum risco ao final da competição. A sequência de vitórias tem de ser agora. Não há mais margem para erros dentro do Brasileirão.

BOLA NA ÁREA 
Na próxima segunda-feira (26), o programa Bola na Área será transmitido direto do tradicional Fred Bar e Cupim, ao lado da Copasa, no bairro Cidade Nobre. Música ao vivo com a dupla sertaneja Victor e Cristiano.
Aguardamos você. Siga-nos ao vivo: Facebook- Bola na Área e Instagram -Bolanaarea.esportes.
 
Contatos com a coluna: e-mail - fabricio.bolanarea@gmail.com - Whatsapp- (31)98632-3341.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO