Concessões das BR’s 381 e 262 serão discutidas em audiência pública

Divulgação


Audiência requerida pelo deputado estadual Celinho Sinttrocel será realizada nesta sexta-feira, em Ipatinga

Será realizada em Ipatinga, nesta sexta-feira (23), audiência pública para debater a proposta de concessões e parcerias público-privadas dos trechos da BR-381, entre Belo Horizonte e Governador Valadares (Rio Doce), e da BR-262, entre Belo Horizonte e Viana, no Espírito Santo, seus desdobramentos e suas consequências para os usuários da rodovia e a população do seu entorno. A audiência, requerida pelo deputado estadual Celinho Sinttrocel (PCdoB), será realizada pela Comissão de Transportes, Comunicação e Obras Públicas da Assembleia Legislativa às 9h, na sede da Fiemg Regional Vale do Aço, no bairro Horto.

O parlamentar defende que um debate amplo seja realizado pela sociedade para esclarecer dúvidas e colher sugestões e demandas dos municípios afetados pela obra, bem como de segmentos que também serão impactados pelo projeto, como transportadores, usuários esporádicos e regulares da rodovia. Celinho destaca que “o ponto mais polêmico do debate é a implantação das praças de pedágio que somam 11, sendo 5 na BR-381, de Belo Horizonte a Governador Valadares e as demais na BR-262, no sentido Viana, Espírito Santo”.

Celinho acredita que a questão do pedágio já está praticamente definida, mas ressalta que é preciso questionar o valor das tarifas propostas e discutir formas de barateá-las. Ele destaca, por exemplo, que a BR-381 já recebeu investimentos públicos em dois lotes (lote 7 entre Caeté e Barão de Cocais e lote 3.1 entre Jaguaraçu e Nova Era) que estão em fase de conclusão de novo piso, pistas duplicadas, implantação de obras de artes concluídas como viadutos, pontes e túneis. “Não seria justo para os usuários pagarem esse valor nos trechos já concluídos com dinheiro público”, enfatiza.

Prazo

Outra proposta que merece avaliação, no entendimento do parlamentar, é, por exemplo, a ampliação do prazo das concessões para 40 ou 45 anos, para que se possa também reduzir o custo dos pedágios, principalmente na BR-381, que recebeu os investimentos públicos em mais de 70 km, enquanto a 262 não teve esse investimento. “O pedágio, na minha opinião, deveria ser diferente para a 381 e para a 262”, destaca o parlamentar, alertando alerta ainda que “o alto custo dos pedágios poderá impactar o preço dos fretes, encarecendo produtos e inviabilizando a expansão econômica na região, pelo alto custo dos pedágios”.

Na audiência de sexta-feira, também serão debatidas a construção de passarelas, trevos e alças de acesso. O deputado destaca que o momento de reivindicar melhorias relevantes é agora, antes de aprovado todo o projeto. “Temos muitas comunidades que vivem ao longo das BR’s e que poderão ser beneficiadas dentro do projeto. Por exemplo, as comunidades de Lagoa do Pau e Salvador Gomes, distritos de Jaguaraçu, o acesso para os municípios de Timóteo e Coronel Fabriciano, na ponte velha, acesso ao novo distrito industrial de Coronel Fabriciano. São propostas que queremos incluir no projeto”, enfatiza.

O deputado salienta que são muitos os questionamentos em torno do projeto, “mas temos a consciência da importância dele para o desenvolvimento econômico da região e do Estado, ao mesmo tempo em que temos de ter sensibilidade para os impactos sociais sobre as populações e vamos debater todas estas questões na audiência pública de sexta-feira”, afirma.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Jorge 21 de Agosto, 2019 | 10:31
Pagaremos em dobro, pela duplicação agora e, depois, continuamente pelo pedágio.
Barrabas 20 de Agosto, 2019 | 15:28
Porque a questao do pedagio esta resolvido nao e isso que o povo quer .duplicacao pra depois falar em pedagio.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO