Mais de um milhão de brasileiros sofrem com queimaduras e índice aumenta durante as férias de julho

As festas de São João e brincadeiras sem supervisão aumentam em até 10% o número de queimaduras

Divulgação


Queimaduras por água fervente, por óleo quente ou queimaduras nos bebês enquanto estão no colo são as mais comuns

Uma triste estatística se repete durante as férias de julho: o aumento da incidência das queimaduras em crianças. Anualmente, cerca de um milhão de brasileiros sofrem com acidentes que provocam queimaduras e durante as férias o índice aumenta em até 10%. As brincadeiras sem supervisão, e até mesmo as comemorações de São João, são alguns dos fatores que contribuem para o crescimento.

Queimaduras por água fervente, por óleo quente ou queimaduras nos bebês enquanto estão no colo são as mais comuns, ocasionando muitas vezes queimaduras graves e profundas que se não tratadas podem deixar cicatrizes.

A mãe Fernanda Padilha enfrentou um acidente doméstico que causou queimaduras quando seu filho tinha apenas um ano. “Eu estava com o bebê no colo e parei para conversar logo ao lado do fogão. Eu não sabia que o fogão ainda estava quente apesar das chamas apagadas e o Lucas encostou nas grades, ocasionando diversas queimaduras”, conta. Lucas sofreu queimaduras de segundo grau, mas devido a agilidade no atendimento não teve consequências mais graves.

Muitas vezes as cicatrizes acontecem pela forma como as queimaduras são tratadas. “No momento em que acontece a queimadura as pessoas precisam passar no local afetado somente água em temperatura ambiente e nenhum outro produto. Muita gente fala em passar margarina, babosa e até mesmo pasta de dente, mas isso só piora o ferimento e aumenta as cicatrizes, já que depois é necessária uma limpeza rigorosa com esponja abrasiva para remover o produto colocado. O recomendado é água e a busca por atendimento médico dependendo da gravidade”, conta Thiago Moreschi, diretor da Vuelo Pharma, empresa que desenvolve produtos para queimaduras.

Além da água, um dos tratamentos mais efetivos é a cobertura do local com uma membrana de celulose, produto que pode ser encontrado em lojas especializadas em materiais médicos. A membrana é um produto tecnológico desenvolvido no Paraná que acelera a cicatrização e diminui a dor, fatores relevantes em casos de queimaduras. Considerada o tratamento do futuro, a Membracel já é utilizada pelos principais centros médicos do país por aliar eficácia, conforto ao paciente e baixo custo.

(AGÊNCIA SOUK)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO