Futsal e xadrez: paixões distintas e sonho em comum no Jemg

A etapa estadual do Jemg será disputada em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, de 31 de julho a 3 de agosto

Ter o nome reconhecido no mundo do esporte ou simplesmente jogar por amor. Nos Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg), os estudantes disputam as partidas por passatempo, diversão e também visando um futuro como atletas, como é o caso de alguns alunos de futsal da Escola Estadual Laura Xavier, do bairro Bom Jardim, em Ipatinga. Já Esther Silva Queiroz Paiva, da Escola Estadual João XXIII, é movida pelo desafio que envolve o xadrez. Tanto a equipe de futsal quanto a enxadrista venceram a etapa estadual do Jemg e agora fazem a preparação para encarar a fase estadual do torneio.

Wôlmer Ezequiel


Entrosada, equipe de futsal do Laura Xavier se diverte em quadra e celebra união
Winther Gonçalves Soares quer ser profissional de futebol. Ele já esteve no Rio de Janeiro e jogou pelo Grêmio Recreativo Juventus, por um ano. Depois foi para o América Mineiro, onde permaneceu por seis meses. “Tenho me dedicado e vou fazer ainda mais em busca desse sonho. Não é fácil, porque tem que correr atrás, é muito empenho.

Às vezes as pessoas veem o jogador pela TV e pensam que é fácil. Mas mudar para um estado diferente é duro. Mas corro atrás desse sonho, que tenho desde pequeno. Quero ajudar minha família, ter condições melhores. Acredito que o esporte pode mudar a vida de uma pessoa, é nisso que confio”, vislumbra.

O jovem vê no esporte a tábua de salvação para muitos. “Influencia muito, porque em vez de estar na comunidade usando droga, se perdendo, as pessoas podem jogar bola, viajar, fazer novas amizades. Perdi vários amigos para esse mundo e quero fugir dessa realidade”, acrescenta Winther.

Apoio
A treinadora da equipe, Sandra Empereur, vê o entrosamento da equipe como diferencial. Os atletas se conhecem há alguns anos e se destacam, também, individualmente. “Esse ano tenho um time com um ataque excelente e uma defesa maravilhosa. As dificuldades existem, mas se for avaliar, já passei por coisas piores. Como eles gostam do que fazem, facilita o trabalho. A prefeitura e a Liespe (Liga Ipatinga de Esportes Especializados) nos apoiaram e agradecemos. Fico feliz em ver o resultado do nosso trabalho, pois a comunidade precisa disso, pois o esporte ajuda a resgatar os meninos”, avalia Sandra.

Conforme divulgado pela administração municipal, as Secretarias de Cultura, Esporte e Lazer, e de Educação, com supervisão da Liespe, apoiaram todos os atletas que estiveram em Governador Valadares (última fase disputada), com transporte, hospedagem e alimentação, além do suporte técnico.

Sonhos
Marcelo Sávio Gomez Melo é a segurança no gol do time de futsal. “Sou o menos vazado e conto com companheiros muito bons lá na frente. Uma equipe qualificada, tanto na marcação quanto no ataque. Além disso, somos bem postados taticamente. Se Deus quiser vamos chegar longe”, anseia.

Artilheiro da equipe, Kevley Matheus Silva do Nascimento marcou 20 vezes. “Dificuldades nunca tive. Com uma equipe dessas é difícil, né? Eu quero ser jogador, de quadra ou campo, não tenho preferência. Me inspiro no Neymar e vejo o futebol como profissão. Brincadeiras à parte, o que vejo de complicado é a saudade da família. Saí de Belo Horizonte pra jogar aqui. Hoje moro com minha tia e é difícil não ter pai e mãe por perto. Estou aqui desde o ano passado, para fazer teste no Ipatinga e saí de lá pra jogar no Jabaquara. Essa é minha história, estou em busca do meu destino e não vou desistir”, garantiu Kevley.

Wôlmer Ezequiel


Esther Silva Queiroz Paiva já passou até três horas disputando uma partida de xadrez
Xadrez
Focada, a enxadrista Esther Silva Queiroz Paiva recorda a emoção da classificação para a fase estadual do Jemg. “Foi muito legal, porque eu estava disputando duas modalidades. A expectativa estava alta em conseguir ao menos uma classificação e ela veio por meio do xadrez, participo de campeonatos há vários anos e para mim foi muito bom, pois é um esporte que eu gosto. Na fase regional eu fiz parte da equipe de handebol. Na etapa que está por vir eu nunca cheguei e estou super contente”, destaca.

A estudante vê a concentração como muito importante, porque o xadrez é um esporte que exige muito da mente. Para ela, a maior dificuldade é conciliar o psicológico com a emoção do momento. A adolescente acredita que o esporte a auxilia na escola, onde começou a jogar, aos 6 anos.

“À época, por incentivo da instituição onde estudava. Mas atualmente, por não ser muito comum na região, não tenho em quem me espelhar. A motivação vem do meu gosto por desafios de raciocínio. Infelizmente não pratico tanto quanto antigamente, por ser o meu último ano em competições escolares”, pondera.

Para quem nunca aprendeu a modalidade ou a considera difícil, Esther é categórica. “Por mais difícil que seja, é preciso continuar tentando, pois estimula a mente e isso gera um benefício em diversas outras áreas e não apenas no esporte”, conclui.

Estadual
A etapa estadual do Jemg será disputada em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, de 31 de julho a 3 de agosto. Os jogos são realizados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), por meio da Subsecretaria de Esportes, e pela Secretaria de Estado de Educação (SEE). A execução é de responsabilidade da Federação de Esportes Estudantis de Minas Gerais (Feemg).

(Bruna Lage)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

MAIS FOTOS

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO