Arte contemporânea e meio ambiente

Iniciativa de educação ambiental envolve 60 estudantes das escolas públicas

ACS Copasa


Os alunos criaram e pintaram um mural no pátio da escola

Um grupo de 60 alunos do 6º ao 9º ano das Escolas Estaduais Professora Hilda de Araújo Osório Zauza, de Timóteo, e Salvelino Fernandes Madeira, de Santana do Paraíso, participaram recentemente de atividades mesclando arte contemporânea e educação ambiental.

A Plataforma Arte Chuá nas Escolas integra o Programa Chuá Socioambiental da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e adota uma metodologia pedagógica de ensino que contribui para que o aluno estabeleça relações entre a proteção de mananciais e a água que utiliza em casa.

Com o auxílio de representantes da Copasa, visando despertar o senso crítico e a interdisciplinaridade na sala de aula, construindo uma narrativa de pertencimento e protagonismo dos estudantes, os professores apresentaram aos alunos aspectos relativos à bacia hidrográfica da região e promoveram atividades de apreciação e interpretação de obras de arte contemporâneas que retratam as águas no Brasil e no mundo.

Os estudantes foram estimulados a desenvolver o desenho livre, colagem, mapeamento de cores e mural de arte, trabalhando também com vídeos, fotografias e músicas. Eles receberam ainda material para a produção de arte, como lápis de cor, tinta e tecidos, usados com imaginação, para a produção de uma pintura nos muros das escolas.

ACS Copasa


O mural artístico tem a ver com a educação ambiental
“O alinhamento da questão do passado, presente e futuro das águas traz ao aluno participante a conscientização sobre a importância da proteção dos nossos mananciais. Nosso maior objetivo é contribuir para a formação ambiental de estudantes, por meio de experiências didáticas no âmbito escolar sobre o tema água”, explica a analista Socioambiental da Copasa, Tereza Bernardes.

Nilde Melo, diretora da Escola Estadual Salvelino Fernandes Madeira, diz que o projeto ajuda os alunos a se familiarizarem com o conceito de proteção ambiental. “Com a Plataforma Arte Chuá nas Escolas, os estudantes sentem a necessidade de preservação do meio ambiente, além de transmitirem a outras pessoas o que eles aprenderam com as palestras”, pontua.

Ana Laura Silvestre, aluna da E. E. Salvelino Fernandes Madeira, ajudou na idealização e pintura das imagens e comemorou o aprendizado. “Aprendi muito sobre as técnicas de pintura e desenho. Se tiver outra oportunidade de participar, eu quero que me escolham”, afirma.

Para a escola participar da Plataforma Arte Chuá nas Escolas, o município deve estar inserido no Programa Pró-Mananciais da Copasa e desenvolver todas as etapas do Chuá Socioambiental – campanhas da cadeira e do óleo, Feiras Verde e do Desapego e Diálogos Interativos –, conquistando, assim, o Selo Chuá: Escola Amiga do Meio Ambiente.

A direção da instituição de ensino precisa aprovar e participar da implantação da Plataforma, com a liberação de alunos, professores, horários das aulas e, junto aos artistas plásticos, definir um espaço no muro da escola destinado a receber o mural de arte (no mínimo 20 metros lineares). A atividade ocorre em cinco dias consecutivos, em três horários de aula/dia, total de 15 aulas na semana.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO