Trabalhador morre depois de acidente na Usiminas

O maquinista Gilcimar Borges da Silva sofreu uma queda na área da balança de gusa, foi socorrido para cirurgia, mas não resistiu

Um maquinista da Usiminas, em Ipatinga, morreu no hospital Márcio Cunha, nesse domingo, depois de sofrer um acidente na área da empresa.

Em nota enviada ao plantão da reportagem do Portal Diário do Aço, a empresa confirma o falecimento, na madrugada deste domingo (7), do empregado Gilcimar Borges da Silva, maquinista da gerência de transportes da usina em Ipatinga, como consequência de um acidente ocorrido na noite de sábado (6), na Aciaria 1.

"Durante a realização da atividade de retirada do carro-torpedo, na balança de gusa 2, o empregado sofreu uma queda que ocasionou fraturas. Ele foi socorrido e levado ao Hospital Márcio Cunha consciente, onde foi submetido a uma cirurgia, mas veio a falecer na madrugada de domingo.

Ainda conforme a empresa, Gilcimar tinha 38 anos, era casado pai de três filhos residia em Ipatinga e trabalhava na empresa havia dez anos. "Neste momento tão difícil, a Usiminas lamenta o ocorrido e presta toda a sua solidariedade e assistência aos familiares amigos e colegas de trabalho", conclui a nota.

Reprodução


Gilcimar Borges da Silva tinha 38 anos

Os documentos apontam que o acidente ocorreu por volta de 21h30 e Gilcimar foi encaminhado para o hospital ainda com vida. Foi submetido à cirurgia, com múltiplas fraturas, mas não resistiu e morreu, conforme o laudo, às 2h30 deste domingo.

Sepultamento

O sepultamento de Gilcimar está agendado para as 17h dessa segunda-feira (8), no Cemitério Parque Senhora da Paz, no bairro Veneza II. O velório ocorre na rua Centáurea, 415, no bairro Esperança.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Jair 10 de Julho, 2019 | 21:21
A pressão psicológica sobre os trabalhadores tem sido um dos principais fatores causadores de acidentes do trabalho. Num momento em que a economia sofre um retrocesso gigantesco, com milhões de desempregados, a tendência das empresas é apertar ainda mais o torniquete, deixando no desespero o subconsciente dos empregados. Considerando ainda, que o lucro é a prioridade das empresas; trabalhador é só um número.
Wagner Braga dos Santos 08 de Julho, 2019 | 11:51
Meus sentimentos a família e amigos. Fui funcionário da COSIPA/USIMINAS por 15 anos e estou a 21 anos trabalhando na Policia Civil de São Paulo. É muito triste.
Amália Dornelas de Lima 08 de Julho, 2019 | 09:30
Pressão psicológica tira a paz de qualquer ser humano, o que está acontecendo nessa empresa. Está precionando os funcionários e esquecendo dos valores.
Fabiano Francisco Miranda Silva 08 de Julho, 2019 | 08:37
Que Deus conforte a dor desta família.
Elio Fernandes 07 de Julho, 2019 | 22:56
Ridicula essa postura da usiminas que um dia ja foi uma empresa de respeito que.valorizava a vida o funcionario o ser humano onde esta o ministerio publico o ministerio do trabalho o sindicato nessas horas em menos de 1 ano 2 mortes comprovadas colaborador perdendo membro fora explosao do gasometro quantas vidas.mais terao que ser ceifadas
Silvio 07 de Julho, 2019 | 22:05
Thiago Costa. Líder em segurança?
Líder em segurança?
Só essa que me faltava. Líder em acidentes fatais e acidentes com alto potencial de fatalidade ( a sorte que colaborou ).
Incompetência absoluta. Isso sim.
Descaso com a vida dos seus funcionários.
E com a população ipatinguense também ao soltar esse pó preto 24 horas pôr dia matando a população aos poucos.
Acidentes na Usiminas não causa surpresas.
Tiago Costa Junior 07 de Julho, 2019 | 19:59
Prezados leitores e possíveis Gerentes, Diretores e demais Veneráveis da Usiminas.
Apesar do momento de dor serve para refletirmos o que está dando errado na Usiminas...Sendo uma empresa líder em vários aspectos tanto intelectual, Técnico,Segurança do Trabalho Corpo de Engenheiros de alta capacidade.
E se compararmos com aperam quantos faleceram nos últimos anos lá? A diferença no ambiente não e tão diferente da Usiminas, Será que a pressão não esta sendo excessiva a motivação e a correta a mudança de cargos os rebaixados, a valorização financeira tapinha nas costas e troféu não alimenta família os Conselheiros já questionarão os métodos Argentinos, os Japoneses .Segue uma humilde observação de um Colaborador que esta vendo a Empresa preocupar com a formiguinha e os elefantes estão passando lá atrás e ceifando vidas.
Lu 07 de Julho, 2019 | 18:20
Que o Senhor Jesus conforte o coração da família!
Raiane 07 de Julho, 2019 | 15:43
Essa dor está tão grande,Que o Espírito Santo console a todos nós
Waldiney 07 de Julho, 2019 | 15:01
Prezados trabalho no hospital o mesmo realmente chegou com vida no local e foi submetido a cirurgia.
Fabiano Miranda da Silva 07 de Julho, 2019 | 14:38
Eu não estava la e não posso afirmar com total certeza,mais eu trabalho na csn em volta redonda e já morreram muitos colaboradores aqui acidentados,e 99% deles morremno hospital,nunca nas dependencias da empresa,pode decaptar a cabeça que sempre morre no hospital.Mais que Deus possa confortar o coração dos familiares!!
Andresa Freitas 07 de Julho, 2019 | 14:29
Meus sentimentos a todos os familiares, sei bem como é perder um pai amigo cervo de Deus, que adeus com sua infinita bondade possa confortar os corações dos amigos e familiares
Acácio José de Souza 07 de Julho, 2019 | 14:27
Descanse em paz! E que Deus possa confortar o coração dos familiares!
Diógenes 07 de Julho, 2019 | 14:07
Irmão Gil, posso dizer sem medo de errar que conhecí um servo de Deus dedicado e irrepreensível. O céu hj está em festa para recebê-lo.
Luiz Roberto 07 de Julho, 2019 | 14:06
Que Deus possa amparar seus familiares nesse momento de dor
Helton 07 de Julho, 2019 | 12:46
Que o espírito santo de Deus traga conforto à família enlutada.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO