Área da Biquinha arde em chamas, em Coronel Fabriciano

A concentração maior de chamas foi na tarde e noite de sexta-feira, quando equipes fizeram o primeiro combate à linha de fogo

Dan Fernandes


Equipes retomaram na manhã de sábado o combate ao fogo que atingiu a área da Biquinha

Uma equipe formada por homens do Corpo de Bombeiros Militares, brigadistas da Aperam, voluntários e Defesa Civil Municipal, retomou na manhã deste sábado o combate ao incêndio que na sexta-feira atingiu a vegetação na área de preservação ambiental da Biquinha, em Coronel Fabriciano.

O fogo consumiu tudo o que havia em uma encosta e a fumaça gerada ajudou a agravar a qualidade do ar na Região Metropolitana do Vale do Aço, na sexta-feira à noite, alvo de muita reclamação dos moradores.

A concentração maior de chamas foi na tarde e noite de sexta-feira, quando equipes fizeram o primeiro combate à linha de fogo. Na manhã de sábado, o trabalho concentrou-se em combater outros pequenos focos, que ameaçavam se alastrar na medida em que o sol saiu e reaqueceu a vegetação.

Dias antes, a Defesa Civil de Coronel Fabriciano já tinha feito um alerta sobre o período de estiagem e o risco de incêndios florestais.

CBMMG

O relatório do Corpo de Bombeiros indica que na área da Biquinha foram atingidos aproximadamente 15 hectares de mata, em local de difícil acesso, com terreno acidentado e mata fechada. “Foi necessária a abertura de trilhas na mata para ter acesso ao local, onde foi constatado que se tratava de incêndio de copa”, informa o relatório.
Foram empregados no local, durante a sexta-feira, nove bombeiros militares, dentre eles, três da sede do 11º BBM, cinco do Pelotão de Coronel Fabriciano e um do pelotão de Timóteo.

O trabalho contou com apoio de seis brigadistas da Aperam, seis brigadistas do município de Coronel Fabriciano e seis brigadistas da Defesa Civil municipal, além de oito voluntários.

“Estes recursos humanos externos trouxeram motosserras, roçadeiras e material de sapa. Foi disponibilizado também um caminhão-pipa da empresa Combate Fire Brasil, prestadora de serviços da Aperam. A princípio, foram feitas tentativas de combate direto contra os focos principais. No fim da tarde, o foco mudou para o combate indireto, com a construção de aceiros. O avanço das chamas foi contido em diversos setores. Alguns focos isolados foram debelados com o combate direto”, conclui a nota.

Veja também:
Fumaça de queimadas sufoca ipatinguenses
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

MAIS FOTOS

Comentários

José Antônio da Silveira Drumond 06 de Julho, 2019 | 20:14
Lamentável ! Infelizmente nós humanos, em sua grande maioria, perdemos a noção do certo e adotamos o desprezo pelo que virá no futuro, principalmente para os nossos descendentes. Este incêndio é apenas mais um, dentre tantos que já aconteceram, e que certamente virão. E, certamente, não aconteceu por obra de um ?corisco? ou de outro ?ato? da natureza, até mesmo porque o tempo estava ?tranquilo?. Com certeza o ?preparo? de um churrasquinho, ou a esquentadinha na ?loroba?, em uma visita à ?Mata da Biquinha?, fez o triste serviço. Uma pena porque a recomposição da mata ?assassinada? levará anos para o seu renascimento, que poderemos, em nossa existência física, não alcançarmos. Triste!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO