Memórias e Cores em Guanhães

Três grupos de congado vão se apresentar para o público neste sábado

O projeto Memórias e Cores vai ter sua primeira edição concluída neste sábado (6), de 8 às 14h, com o encontro de três grupos de congados que irão se apresentar no Clube Campestre Cachoeira das Pombas, em Guanhães.

A programação será aberta com o credenciamento dos congadeiros e demais participantes. A solenidade de abertura será às 10h. Às 10h30, entrarão em cena os Marujos de Guanhães, grupo que tem 31 integrantes entre homens e mulheres, trajando figurino que lembra os marinheiros.

Dani Dornelas

Às 11h, será a vez dos Marujos do Vieira (Peçanha) se apresentarem. Com 25 integrantes, todos homens, acredita-se que o grupo exista há mais de 200 anos. Os Marujos de São José dos Cocais, de Coronel Fabriciano, entram em cena às 11h30, com mais de 60 membros, entre crianças, jovens e idosos.

As apresentações dos grupos incluem danças e interpretações das músicas típicas de congado e marujada, geralmente acompanhadas por sanfonas, violões, pandeiros e caixas, dentre outros instrumentos de percussão.

Outra atração do evento será o lançamento da cartilha do Memórias e Cores, que mostra uma síntese da história do congado, desde o seu surgimento, e a história dos grupos contemplados com o projeto. A cartilha será lançada também em braile.

“Teremos um grande espetáculo de sons, cores, danças e muitas memórias boas. Ao todo, vamos reunir cerca de 150 congadeiros no Campestre, um grupo muito animado e apaixonado pela tradição do congado”, comenta Éderson Caldas, que assina a produção do projeto.

Resgate e fortalecimento
O objetivo do projeto Memórias e Cores é resgatar e fortalecer grupos de congados e marujeiros de Minas Gerais, e é realizado em várias etapas.

Os congadeiros participaram de uma oficina com Deolinda Alice dos Santos, historiadora e folclorista ouro-pretana, com o tema Preservação e Resgate do Patrimônio Imaterial, uma abordagem da história do Congado e outras tradições relacionadas à religiosidade do povo brasileiro.

Deolinda orientou os grupos no processo de produção de um estandarte com a estampa do santo padroeiro de cada grupo.

Os congadeiros também participaram de uma oficina de Arte e Criação de Indumentárias ministrada pela artista visual Rosane Dias, que coordenou estudos sobre figurinos típicos do congado e atividades práticas para a confecção de capacetes.

Arnaldo Lúcio Pereira, o Arnaldo Muciço, do Congado de Peçanha, diz que o projeto Memórias e Cores trouxe ao grupo o renascimento de um movimento que não poderia, mas estava adormecido.

‘Contávamos com 25 integrantes em nossa caminhada. Esse grupo foi se dispersando e, de repente, éramos apenas três congadeiros. Agora nós recomeçamos do zero. Com o apoio deste projeto, um verdadeiro presente, nós voltamos a ser um grupo numeroso e muito animado’, comentou.

Produção
Realizado pela MC Produção e Ministério da Cidadania, o Memórias e Cores tem patrocínio da Cenibra (Lei Federal de Incentivo à Cultura). A equipe de produção inclui Éderson Caldas, Shirley Maclane, Simonal Wilde, Júlio Madeira, Helena Nunes, Harumi Urabe, Marina Baião, Adilson Mariano, Michel Petzold, Dani Dornelas, Matícia Souza Alves e Goretti Nunes.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO