Em Timóteo, São Camilo anuncia paralisação de atendimentos pelo SUS

O ofício, que chegou para o governo municipal na última terça-feira (2), traz como motivação um débito do Estado de Minas Gerais com a instituição

Alex Ferreira


Hospital São Camilo/Vital Brazil tem convivido com paralisações

A administração de Timóteo recebeu um comunicado da Fundação São Camilo - Hospital e Maternidade Vital Brazil (HMVB), anunciando a suspensão do contrato para o atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Diante disso, o serviço deve ser interrompido a partir da próxima segunda-feira (8).

O ofício, que chegou para o governo municipal na última terça-feira (2), traz como motivação um débito do Estado de Minas Gerais com a instituição. Até o fechamento desta edição, as assessorias do Governo de Minas e da Fundação não se manifestaram a respeito da situação.

O comunicado foi uma surpresa, conforme informado pela assessoria de Comunicação do governo de Timóteo. O HMVB só atenderá pelo Protocolo de Manchester as fichas vermelhas e laranjas – emergência e muito urgente.

O município já vivenciou esse quadro anteriormente. Em abril do ano passado, o Diário do Aço noticiou a suspensão do atendimento do Hospital Maternidade Vital Brazil/São Camilo aos pacientes do SUS, também em razão do atraso no repasse das verbas do Governo de Minas para a instituição.

A administração de Timóteo acrescenta que a Superintendência Regional de Saúde, junto com a Secretaria Municipal de Saúde, está elaborando um novo fluxograma de atendimento, para acolher os pacientes que não puderem ser atendidos no Hospital e Maternidade Vital Brazil, no período da paralisação. Também foi encaminhado um ofício ao governo do Estado pedindo providências para a regularização dos repasses.

Atendimentos

A Secretaria de Saúde de Timóteo informou que realiza no Centro de Saúde João Otávio 4,5 mil atendimentos por mês, sendo o convênio pactuado com o Hospital e Maternidade Vital Brazil para o atendimento de 1,5 mil/mês usuário. Mas desde dezembro de 2018, a instituição só realizou a média de 900 atendimentos/mês.

“Lamentavelmente, essa não é a primeira vez que o Hospital e Maternidade Vital Brazil fecha as portas para o atendimento dos usuários do SUS. A saúde pública é um direito do cidadão garantido pela Constituição Federal e não pode ser usada como instrumento de pressão, prejudicando, assim, a população de baixa renda, que é a que mais precisa de atendimento público de saúde”, destaca o posicionamento do governo de Timóteo.

Mais:
Hospital São Camilo/Vital Brazil suspende atendimentos pelo SUS
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Regina 04 de Julho, 2019 | 13:23
Uma vergonha esse hospital temos q pagar preco so atende quem tem plano um descasoa cidade nso ter um hospital publico pra atender quem precisa pessoas morrendo q saude em geral uma vergonha
Bto 04 de Julho, 2019 | 10:07
Mas mais uma vez os pobres que são os que mais precisam estão fadados a morrer tentando um atendimento digno, minha esposa morreu há dois anos atrás em função do hospital não atender pelo sus, e isso é um absurdo
Rodrigo 03 de Julho, 2019 | 19:32
Deixa eu ver se entendi, o Estado deve e a instituição penaliza o Município e os Munícipes???? a sei.... Tem dedo político nisso, ex Prefeito cassado e seu ex Candidato derrotado médicos. ahammm

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO