BR-381 poderá ter pedágios com preços a partir de R$ 9,52

O plano prevê a instalação de 11 praças de pedágios entre Belo Horizonte até a divisa com o Espírito Santo

Um plano de estudo acerca da concessão de trechos da BR-381 à iniciativa privada, realizado pelo Ministério da Infraestrutura, foi apresentado pelo senador Carlos Viana (PSD) em evento com empresários mineiros, no fim de semana. O plano prevê a instalação de 11 praças de pedágios entre Belo Horizonte até a divisa com o Espírito Santo, com valores a partir de R$ 9,52.

Na proposta, a duplicação seria de Belo Horizonte a Governador Valadares, mas se estenderia também para a BR–262, rumo ao Espírito Santo, explicou o senador, em entrevista à Rede Itatiaia de rádio.

Com esses valores, uma viagem só de ida da capital mineira para Viana, no Espírito Santo, poderá custar mais de R$ 100. No trecho entre Belo Horizonte e Governador Valadares, que terão cinco praças, o gasto com pedágio pode chegar até R$ 50.
Fotos: Wôlmer Ezequiel


Alex Sandro de Souza é caminhoneiro há 11 anos

Audiências públicas

Conforme o senador Carlos Viana, para debater melhor acerca desse assunto com a população, está prevista a realização, no segundo semestre deste ano, de audiências públicas nas cidades onde haverá a instalação de pedágio.

“O governo abre audiências públicas já agora no segundo semestre. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em duas semanas, vai definir as datas nas cidades onde teremos praças de pedágios e aí a população poderá responder qual a tarifa gostaria de pagar. Para mim, o melhor é a duplicação paralela contínua das rodovias BR-381 e BR-262. Isso vai facilitar muito o nosso escoamento e produção industrial, além de reduzir as mortes nessas estradas”, disse o senador no encontro com empresários.

As praças de pedágio ficarão nas cidades de Caeté, Itabira, João Monlevade, Belo Oriente, Periquito, São Domingos do Prata, Manhuaçu Ibatiba, Martins Soares, Venda Nova dos Imigrantes (ES) e Viana (ES).

Avaliação dos motoristas

A reportagem do Diário do Aço foi às ruas de Ipatinga para ouvir a opinião de motoristas em relação à cobrança de pedágios na BR-381. Para o caminhoneiro Alex Sandro de Souza, que há 11 anos percorre as estradas do país, a instalação de pedágios compensa, desde que favoreça o trânsito. “Eu sou a favor dos pedágios na BR-381, porque vai contribuir muito para as melhorias da estrada. Se ficar em torno de R$ 10, penso que não é caro, desde que tenhamos uma pista adequada para transitar”, afirmou.

Denisson Costa não é a favor da cobrança de pedágios

O técnico de instalação Denisson Costa, que viaja para João Monlevade entre duas e três vezes por semana, disse que, por enquanto, não é a favor da cobrança de pedágios na BR-381. “Eu penso que essa rodovia não tem condições para exigir cobrança. Teria que terminar primeiro as obras para depois colocar os pedágios, com o intuito de manter o trabalho feito na rodovia, que atualmente é muito perigosa”, apontou.

O caminhoneiro Rafael Antônio Campos destacou que a cobrança de pedágio na BR-381 depende do preço e do serviço oferecido. “Se for uma tarifa justa e o serviço for de qualidade, vale a pena ter pedágio. Por exemplo, quando tem acidente em rodovia com pedágio, é questão de minutos para a pista estar liberada para o trânsito fluir. Então tem muitos benefícios. E atualmente, a BR-381 está muito perigosa. É um trecho muito montanhoso e até difícil da União manter uma estrada dessa”, disse.

Gilmar Soares, operador de guindaste e motorista de aplicativo que viaja pela BR-381 entre duas e três vezes por mês, afirmou que é favor dos pedágios na “rodovia da morte”, desde que tenha uma cobrança justa. “Eu viajo para várias partes do Brasil e vejo que em muitos lugares é cobrado pedágio, mas as pistas não têm manutenção adequada. Mas se for ter uma cobrança justa, eu sou a favor sim”, opinou.


Duplicação da BR-381



Rafael Antônio ressaltou o perigo de viajar pela BR-381



Gilmar Soares defende cobrança justa nos pedágios da BR-381


Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Alexandre Balabestre 24 de Junho, 2019 | 23:43
Meu Deus, por favor, alguém mostre pra esse Viana a realidade, a culpa de a estrada estar assim é dele (classe política), que argumento é esse, onde estamos, não tenho nem como discutir, é demais pra minha cabeça. Vamos pagar pela obra, que será vendida a preço de banana e depois iremos pagar de novo pois é melhor do que ver nossa família esvaindo em sangue no asfalto, por favor senhor Viana, volte pros seus vinhos ganhadores de concursos.
José Souza 20 de Junho, 2019 | 09:50
Primeiramente a BR está sendo duplicada com nosso dinheiro (impostos), depois ainda não terminou, agora depois do término vão entregar para empresários ávidos por lucro e que na maioria da vezes não fazem mais nada pelas estradas, vide exemplo da BR 101, trecho de Guarapari, até hoje não duplicaram, porém há mais de dez anos já cobram pedágio. De qualquer forma a cobrança somente deverá ser aceita após a conclusão das obras e com preço justo, e não abusivo como está sendo proposto.
Daniel Florentino 19 de Junho, 2019 | 22:38
Não concordo já que essa duplicação está sendo feita de recurso público isso é roubo como tantos outros impostos tais como outros chega de massacrar o povo .
João Slomão 19 de Junho, 2019 | 13:55
VOU DAR UMA GRANDE IDEIA.
PRIVATIZA TODAS ESTRADAS DO BRASIL E ELIMINE O IPVA.
ASSIM FICA JUSTO. VAMOS PAGAR PARA USAR ESTRADAS APENAS UMA VEZ.
Juquinha 19 de Junho, 2019 | 13:21
Quem acha que pedágio só deve ser cobrado após duplicação nunca andou pela 101....kkkk
José Carlos Oliveira 19 de Junho, 2019 | 06:25
Gostei da parte do comentário do Oliveira: "Estamos sempre à procura de um salvador da Pátria: Collor de Melo, Lula e por último O MITO, Jair Bolsonaro. Todos estão com o único objetivo de beneficiarem do dinheiro público". Quanto a concessão ANTES DAS OBRAS, lembro que isso chegou a ser discutido sim, Rdish.plus. Foi um evento no auditório da Fiemg, em BH. Na época a ANTT apresentou a proposta. Os empresários que estavam presentes em peso rejeitaram a proposta por considerar o pedágio estimado em R$ 8 à época, era impraticável. Portanto, naquele evento, em 2008, se não me engano, sepultou a proposta de concessão antes das obras e nasceu o movimento pela duplicação da rodovia com dinheiro público. Isso foi noticiado à época, inclusive por esse jornal mesmo.
Anderson 19 de Junho, 2019 | 06:09
Me parece que a informação com a praça de pedágio em Itabira é incorreta, porque o traçado da BR381 não passa por esse município. Constas nos documentos do DNIT/ANTT que o pedágio será no km286, que fica no município de Jaguaraçu, não em Itabira.
Temos que ficar atentos, porque cobrar pedágio sem duplicar é injusto.
Jerrison 19 de Junho, 2019 | 03:37
Ok então, primeiro deve se duplicar a estrada para depois haver a cobrança de pedagio uma vez que prazos não são respeitados e contratos alterados sempre a favor da consercionaria, vide BR040.
Eoutra também, a quantidade de praças de pedagio por Km rodado está muito acima da média, mal distribuída no percurso.
ACORDA PESSOAL!!!
Queremos boas estradas mais sem exploração e dependendo doque se aprovar pode ser uma galinha de ovos d ouro, para eles, claro.
Oliveira 19 de Junho, 2019 | 00:35
Sr Antônio, qual o desenvolvimento, trará a duplicação da BR 381 para o Vale do Aço? Não use de clichês ultrapassados e já conhecidos. Dê-me algo plausível. O Sr deve ser um político. Chega de frases vazias, sem conteúdo. Daqui a pouco irá dizer que gerará empregos, moradia, segurança pública. Povinho idiota que somo nós quando ouvimos dizer que a população deveria se armar para se defender.isso já não é dever do Estado? Pagamos para a polícia nos dar segurança, se isso não ocorre, devemos exigir. Ou será que com uma arma na mão, serei mais eficiente que um policial que é preparado para tal função? Ledo engano, acharmos que o erro está na esquerda ou que a direita nos representará (anteriormente eram coxinhas e petralhas ). Estamos sempre à procura de um salvador da Pátria: Collor de Melo, Lula e por último O MITO, Jair Bolsonaro. Todos estão com o único objetivo de beneficiarem do dinheiro público.
Fernando 18 de Junho, 2019 | 20:23
Prezado caminhoneiro Rafael Antônio Campos,
Não devemos admitir acidentes em rodovias pagas. Elas devem nos proporcionar todas as condições de segurança, ser plana, com curvas suaves, trevos e saídas adequadas, sinalizações eficientes, passarelas para pedestres, etc.
O brasileiro, de maneira geral, acha que uma boa estrada é só o asfalto
Fernando 18 de Junho, 2019 | 20:10
Mandei um e-mail para o Carlos Viana com uma sugestão:

Prezado senador,

A respeito do assunto duplicação e cobrança de pedágio na BR 381 venho respeitosamente sugerir que concomitantemente a cobrança da taxa seja proposto um percentual de desconto no IPVA somente dos veículos que utilizarem aquela rodovia.

Acredito que esse sistema tornaria mais justo a distribuição de recursos, uma vez que, somente os usuários do serviço teriam um benefício em contrapartida ao pagamento do pedágio.

Agradeço a atenção e espero sua manifestação acerca desta sugestão.
Antônio 18 de Junho, 2019 | 17:42
Parabéns ao senador Carlos Viana pela iniciativa e empenho na solução da duplicação, o que com com certeza evitará muitos sofrimentos aos seus usuários, além do desenvolvimento da região que virá junto.
Pedro Flaviano 18 de Junho, 2019 | 17:14
Quando vamos cobrar um aluguel de um imóvel, construimos ele primeiro com nosso recurso ou compramos ele pronto, mas está acontecendo ao contrário, eles estão construindo a duplicação da BR 381 com uma lentidão e com recursos do povo e querem cobrar pedágio de um bem construído com dinheiro público. Não concordo com a cobrança de pedágio como está sendo feito a construção, iremos pagar por um bem construído com nosso dinheiro.
Elson Moreira 18 de Junho, 2019 | 15:12
Imagina eu minha família mora no município de Antônio Dias,ter pagar 3 pedágio em apenas 160 Km,eu gostaria de saber do senhor Carlos Viana se ele vai viajar de carro por essas estradas, proposta mais obsurda,já que pagamos tanto imposto pra ter um carro
Ailson 18 de Junho, 2019 | 14:23
Triste é saber que elegemos pessoas de baixo esclarecimento para criar nossas leis e impostos.
Vejam a situação do famoso IPVA, cuja destinação dos recursos não são priorizados para onde deveria ser, as vias onde se trafega com com veículos.......
Simplesmente é distribuído 40% governo do estado, 40% para os municípios e mais 20% para outros institutos..
Eles aplicam ( ??? ) estes recursos onde bem entender e ainda temos que pagar para transitar nas rodovias.
Poque este intelectual Sr Carlos Viana, não entra com um projeto de lei alterando e direcionando a verba deste IPVA para este fim ???
Assim ele estaria trabalhando em função dos seus eleitores.
Carlos Roberto 18 de Junho, 2019 | 13:59
Indignado com a implantação de pedágios nas rodovias BR`s 262 (ES) e 381. Como pagar pedágio em um país onde ja pagamos altos impostos, e não ha contra partida na saúde, educação, e segurança. O novo traçado da BR 381 esta sendo feito com o nosso imposto, e depois será entregue a iniciativa privada para cobrança de pedágio.
Veja quanto pagamos de imposto ao adquirir um veículo.

É uma vergonha!! Carlão - Serenata
Roberto Carlos 18 de Junho, 2019 | 11:36
Foi para isso que votei em você Sr Carlos Viana. Criar mais impostos. Toma vergonha na cara . Vá trabalhar a favor do povo!
Motorista 18 de Junho, 2019 | 11:19
Quero saber se os pagantes de pedágio vão avaliar a qualidade da pista e dos serviços prestados para avaliação de manutenção e ou renovação do contrato de administração da pista ou rodovia.
Rdish.plus 18 de Junho, 2019 | 10:49
No mais, essa distribuição dos pedágios ficou interessante pra quem for do Vale do Aço. São três pedágios previstos entre BH e João Monlevade. Ai, pra quem vai até Ipatinga, não haveria mais pedágio de Monlevade em diante, mas quem for pra Valadares pegaria mais dois em Belo Oriente e Periquito. Um trecho muito grande sem pedágio pra depois ter dois muito próximos. Legal pro Vale do Aço, mas injusto pra região de Valadares. Talvez fosse melhor incluir mais uma praça em Antônio Dias/Nova Era, mas diminuindo o valor proporcionalmente pra todo mundo.
No caso de quem sai de BH pro Espírito Santo, após Monlevade mais dois pedágios no trecho mineiro ( em SD do Prata e Manhuaçu) e três no Espírito Santo. Ai já acho justo, mas há o risco de sobrecarregar as estradas que ligam Nova Lima a Ponte Nova, via Ouro Preto e Mariana. Muita gente que for pros lados de Manhuaçu e Espírito Santo vai desviar por esse caminho pra evitar pedágios.
Rdish.plus 18 de Junho, 2019 | 10:38
Vale lembrar que o projeto inicial era que a duplicação fosse tocada pela iniciativa privada. Com todas as mazelas da administração petista, DESTA VEZ a culpa por não ter sido assim foi devido a pressão feita para que a duplicação fosse feita antes da privatização/concessão. Pressão essa feita pelo empresariado local.
Barrabas 18 de Junho, 2019 | 10:10
Cobrar pedagio somente com a estrada totalmente duplicada sem preco abusivo.assim que a populacao tem que ficar atento.o governo nao e primeira vez que fala em pedagio sem ter obra pronta .vamos protestar pedagio somente com duplicacao total. Ja estao falando ate em preco veja a picaretagem descarada.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO