Prédio da Fundação deverá ser entregue em julho

Com recuperação dos prédios que pertencem ao município, as secretarias e os serviços de atendimento ao público sairão dos aluguéis para “casa própria”

Divulgação PMCF


Estrutura que irá abrigas as secretarias de Saúde, Assistência Social, Educação e Cidadania do Futuro estava fechada há seis anos

A entrega das obras de reforma de dois prédios públicos – da “Fundação”, no bairro Bom Jesus e do novo Paço Municipal, Centro – deve reduzir em 39% os gastos em contratos com locação de imóveis, segundo divulgado pela administração de Coronel Fabriciano. Os dois prédios passarão a abrigar setores administrativos do governo.
Ao longo dos últimos 12 anos, as administrações passadas alugaram 31 imóveis ao custo anual de 1,5 milhão, num total acumulado de R$ 18 milhões, informou o governo atual. Com recuperação dos prédios que pertencem ao município, as secretarias e os serviços de atendimento ao público sairão dos aluguéis para “casa própria”.

A iniciativa vai permitir a devolução de oito imóveis – cujos contratos de locação são os mais dispendiosos para os cofres públicos – e gerar uma economia de R$ 578 mil por ano, totalizando R$ 2,3 milhões ao final de um mandato de quatro anos.

“A gestão eficiente dos recursos públicos sempre foi o pilar do nosso governo. E quando assumimos, deparamos com uma verdadeira ‘farra’ dos aluguéis, que é um dinheiro perdido. A incoerência é que os prédios que pertencem à prefeitura (e ao povo da cidade) estavam sucateados e abandonados. Ou seja, a economia com aluguéis, por si só, já justifica o investimento na recuperação destes prédios que atenderão a população por muito tempo, com mais eficiência, conforto e ainda, de maneira mais econômica para a cidade”, argumenta o prefeito Marcos Vinicius.

Conforme a administração municipal, para julho próximo, está prevista a entrega do prédio da Fundação onde funcionarão quatro secretarias – Saúde, Assistência Social, Educação e Cidadania do Futuro – e mais dois almoxarifados. O espaço, de 3 mil metros quadrados e 87 salas, estava fechado há mais de seis anos. Já no início do ano que vem, será inaugurado a nova sede da prefeitura, que vai dobrar a área atual e permitir a centralização do atendimento ao público de diversos setores como Jurídico, Gestão de Pessoas (Recursos Humanos), Fiscalização, Financeiro, Compras, Administração, Contabilidade etc. Hoje, todos estes serviços funcionam em imóveis alugados.

Investimento

O custo das obras tem o valor R$ 6,1 milhões, conforme divulgado pela gestão municipal. Os investimentos são provenientes de recursos próprios e também assegurados junto ao Banco de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (BDMG), por meio de convênio. O valor aplicado nestas duas obras representa 1/3 dos R$ 18 milhões gastos com aluguéis nos últimos 12 anos, aponta o atual governo.

Obras

A primeira obra que será entregue é o prédio da “Fundação”, no Bom Jesus. As obras incluem recuperação da alvenaria, acessibilidade, instalações elétricas e hidráulicas, entradas independentes para as secretarias e auditórios. A estrutura ficou fechada há mais de seis anos, sofrendo depreciações do tempo. Na época, o projeto era abrigar uma unidade do Instituto Federal e Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), mas não saiu do papel. Neste imóvel, o município está aplicando R$ 1,4 milhão.

Já o projeto do novo Paço Municipal contempla a recuperação e conclusão da torre inacabada com quase 900 metros quadrados (m²), exposta à ação do tempo por mais de 13 anos e a construção de um novo prédio, com mais de 3 mil metros quadrados (m²), com cinco andares, elevador, auditório e garagem subterrânea. O novo prédio contará com instalações elétricas adaptadas para receber placas fotovoltaicas (painéis solares), iniciativa que, quando implantada, vai gerar uma economia superior a 90% na conta de energia elétrica. O novo pavilhão será interligado ao principal, que também será reformado em breve. O investimento neste empreendimento é R$ 4,7 milhões.

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO